"Eu estou aqui Zayn" eu disse apertando a sua mão carinhosamente para que ele percebe-se que eu estava ali para ele, e este apenas me olhou mas depressa voltou a contorcer-se gemendo apertando a minha mão em sinal dor. "Eu vou só buscar o meu telemóvel para chamar uma ambulância sim?" eu perguntei-lhe olhando para ele, com toda esta confusão tinha deixado a minha mala cair a alguns metros de onde nós estávamos. E ele estava a perder muito sangue, e tinha que ser socorrido urgentemente.

Ele não disse nada, apenas continuava a tentar livrar-se de toda aquela dor. Senti a minha mão a ser largada levemente e levantei-me indo desesperadamente até a minha mala. Tirei o meu telemóvel ligando imediatamente para o 112, e voltei a caminhar para junto do Zayn.

Rapidamente fui atendida e tentei a todo o custo dar as coordenadas de onde estávamos ao senhor que me atendeu, mas o desespero e a aflição cortavam-me as palavras.

"A ambulância vêm já" eu disse quando terminei a chamada, mas o Zayn parecia-me cada vez pior. "Vai correr tudo bem" eu disse tentando convencer-me a mim própria que ia correr tudo bem. Mas foi uma tentativa completamente falhada, começei a sentir os meus olhos pesado e serrei os lábios com força evitando as lágrimas mas quando estas começaram a sair eu apenas baixei a cabeça tentando chorar o mais silenciosamente possível. Depressa senti a mão fria do Zayn a agarrar a minha. Levantei a cabeça olhando para ele mas este simplesmente não conseguia reagir.

Um calor enorme percorreu o meu corpo por inteiro por eu não estar a espera deste gesto do Zayn. Mas ele estava a sofrer tanto que eu estava-me a sentir tão impotente de não poder fazer nada para o ajudar.

O Zayn tombou a sua cabeça para trás, e este tinha os olhos fechados e tentava controlar a sua respiração. Senti um aperto mais forte na minha mão e vi-o a contorcer-se de novo devido a dor. O aperto no meu coração e o meu desespero cresciam a cada segundo. Ele estava cada vez com mais dores e a perder cada vez mais sangue.

Passado algum tempo o som da sirene da ambulância começou a fazer-se ouvir pela rua. Levantei-me rapidamente fazendo sinal para que vissem que estávamos e o meu corpo aliviou assim que os vi chegarem perto de nós. Voltei a abaixar-me perto do Zayn enquanto via a ambulância parar e passei a minha mão pela sua face ferida.

"Vai correr tudo bem Zayn, eu estou aqui" eu disse olhando para este.

Num movimento rápido, vi vários enfermeiros chegarem perto do Zayn e fui obrigada a afastar-me deste para que o colocassem numa maca. Eles começaram a leva-lo para a ambulância o mais rápido que conseguiam enquanto eu o acompanhava até ser parada por alguém.

"A menina está bem?" um jovem bombeiro perguntou-me colocando-se a minha frente impedindo-me de entrar na ambulância.

"Sim eu estou bem" eu disse rapidamente tentando espreitar para dentro da ambulância vendo a maca do Zayn ser colocada lá.

"A menina parece também estar ferida" ele voltou a falar colocando a sua cabeça no meu angulo de visão e quando os meus olhos encontraram os seus ele vez sinal com a cabeça para o meu braço.

Merda. Eu tinha o braço completamente esfolado.

"Não, eu estou bem. Eu só preciso de ir com ele" eu disse quase suplicando para que ele deixa-se.  

O jovem viu a minha preocupação e desviou-se para que eu passa-se e ajudou-me a subir para a ambulância. Um outro bombeiro fez sinal para que eu me senta-se numa cadeira ao lado do Zayn e quando olhei por ultimo para a porta a ser fechada vi ainda que já alguns jornalistas e convidados da festa se encontravam no local.

Devem ter ouvido as sirenes e amanha já todo o pais sabe. Olha o que é que tu fizeste Emma. A culpa é toda tua!  

Voltei a direcionar o meu olhar para o Zayn e estavam-lhe a colocar uma mascara de oxigénio, e colocaram-lhe também uma injeção no braço. Os seus olhos estavam entreabertos, e sua respiração fraca. A sua pele morena estava pálida, e os cortes que tinha no lábio e a pequena mancha de sangue que tinha no nariz eram notórios. A sua camisa branca estava cada vez mais suja de todo o sangue que ele já tinha deitado, e até eu tinha várias manchas. Os bombeiros andavam agitados e aflitos enquanto tentavam tornar estável a situação mas o facto de a ambulância estar em movimento tornava o seu trabalho complicado.

Mas porquê? Porquê é que eu tive de sair? E porquê é que me queriam fazer mal? Eu nunca fiz mal a ninguém, eu não percebo. E eu fui tão estupida! Mas a mensagem dizia que era o Niall, e que ele cria resolver as coisas comigo...

É isso! A mensagem dizia que o Niall queria resolver as coisas comigo. Mas não era o Niall que estava cá fora. Mas só o Niall e eu é que sabíamos que as coisas entre nós não estavam bem. Como é que estes tais homens sabiam que eu e o Niall tínhamos coisas a resolver se só nós dois é que o sabíamos?

"Menina está a ouvir?" senti alguém tocar-me no braço fazendo-me acordar totalmente da confusão que estava na minha cabeça. Os meus olhos pesados do choro desviaram-se do Zayn e olharam para a figura ou meu lado, para que esta continua-se. "A menina avisou algum familiar do rapaz?" a sua voz saiu calma enquanto alguns outros bombeiros também me olhavam. E eu limitei-me a acenar com a cabeça que não. Eu nem conheço bem o Zayn, quanto mais a família dele.

"Podes-nos explicar o que aconteceu?" desta vez o bombeiro mais velho que estava a minha frente perguntou e eu engoli a seco. Eu não lhes podia dizer que quase tinha sido raptada e que estava em perigo por causa dos negócios do meu pai. 

"Ha... nós estávamos na festa. E eu quis vir a rua... e ele veio comigo. E quando nós chegamos... apareceram três homens encapuçados a tentarem assaltar-nos. E ele não deixou e começaram a porrada... até que um homem lhe espetou um faca e" eu fiz uma breve pausa enquanto sentia a minha garganta apertar "... eu não pude fazer nada..." eu disse abaixando a minha cabeça enquanto uma lágrima voltou a escorrer pela minha face. Eu simplesmente não pude fazer nada por ele, quando ele me salvou.

"Tenha calma o seu amigo vai ficar" o bombeiro que estava ao meu lado falou enquanto acariciou as minha costas para que eu me acalma-se.

Como é que eu podia ter calma? O Zayn, tão forte, estava ali. Mais vulnerável do que nunca. E a culpa era minha. Minha e do meu pai.

***

"Sim estou bem pai" eu disse enquanto a minha voz se limitava a sair num pequeno sussurro rouco devido ao choro.

Já tinha chegado ao hospital e estava agora sentada novamente numa sala de espera a cerca de uma hora enquanto esperava por novas noticias do Zayn. Ao que parece o corte não tinha sido muito profundo, mas tinha sido longo. Dai ter deitado tanto sangue. Mas acho que ele só vai ter de levar pontos.

"Eu vou para ai filha" a voz do meu pai saiu através do telemóvel e eu quase gritei em resposta.

"Não pai! Não vêm aqui fazer nada! Fique ai em casa e pede a Marihana para preparar o quarto de hóspedes para o Zayn ficar, e pede a um dos teus homens quais queres para vir trazer o meu carro a porta principal do hospital para depois voltarmos para casa" eu disse e ouvi o meu pai suspirar no outro lado.

"Mas filha tu estás ai sozinha pode acontecer-te alguma coisa. Os homens podem voltar" a voz dele voltou a suar acho que... preocupada? Se ele se preocupasse não me tinha levado a mim e ao Zayn para aquele jantar se sabia que era perigoso.

"Pai, faça o que eu lhe peço uma vez na vida, por favor" eu disse tentando manter-me calma enquanto ouvi o meu pai suspirar de novo em frustração.

"Okay filha...quando souberes de alguma coisa avisa, e tem cuidado. Beijos, amo-te muito" a voz dele suou como um sussurro e depois disto eu desliguei sem lhe responder.

Continuava a espera e mais vinte minutos se passaram, e nada. A sala estava a tornar-se fria para o meu vestido, este continha várias manhas de sangue. A minha maquilhagem estava bastante burrada apesar de eu ter ido a casa de banho lavar a cara, o meu braço estava esfolado e já começa a sentir algumas dores mas nada de mais, enquanto a minha cara já não estava vermelha por ter levado o estalo. Mas isso era tudo o que não me preocupava agora.

 Começei a olhar em volta vendo as quatro paredes daquela sala de espera do hospital. Hospital. Acho que este sitio, têm feito parte da minha vida a maior parte do tempo. Primeiro a morte da minha mãe. Quando estive cá eu depois do meu rapto. O Niall. E agora o Zayn. 

"Familiares de Zayn Malik" uma voz grossa suou e eu levantei-me imediatamente.

"Sou eu" eu disse e dirigi-me para perto do médico que tinha falado.

"Sebastian" a voz do grande senhor falou e ele esticou a mão.

"Emma" eu disse apertando a sua mão. "Como é que está o Zayn?" eu perguntei assim que este largou a minha mão e ele olhou para os papeis que tinha não mão, e depois de alguns segundos falou.

"Ele está bem. Como já lhe devem ter dito o corte não é muito profundo mas é longo, e ele teve de levar vários pontos, de resto ele têm algumas feridas e nodoas negras, mas agora basta tomar a medicação com bastante rigor, e repousar que dentro de uma semana ele vai estar como novo. Ele é um rapaz rijo por isso não têm de se preocupar" o médico disse esboçando um sorriso e o meu corpo aliviou por completo. O nó que estava no meu coração desfez-se e quase senti um sorriso a nascer no meu rosto.

"Isso é ótimo" eu disse dando um suspiro de alivio. "E ele ainda vai ter alta hoje?"

"Em principio sim, só vai ter de esperar mais uns trinta minutos enquanto estamos a espera dos resultados de uns exames para ver se está tudo certo, e depois ele pode ir." O senhor falou e eu acho que a muito tempo que não ficava contente por um médico falar. "Mas agora a Emma vai ter de me promete uma coisa" o médico disse e eu olhei para ele confusa. Ele é bastante simpático.

"Sim diga." Eu disse tentando ser também tão simpática quanto ele, mas acho que depois do dia de hoje, não estou nem perto.

"Então é assim nós vamos deixar o Zayn sair mas como eu já disse ele vai ter uma medicação rigorosa. É a Emma que via ficar com ele esta noite?" eu assenti com a cabeça. Eu sei como ele é, mas hoje eu não quero saber."Então é assim, ele levou pontos recentemente então mais ou menos daqui a 2 horas, a Emma dá-lhe uns medicamentos para as dores, e muda o penso, volta a desinfetar a ferida e por fim coloca uma pomada que eu também lhe vou receitar. Depois já só ao meio dia volta a fazer o mesmo. Depois só tem de lhe dar os comprimidos de 7 em 7 horas. E volta cá daqui a 3 dias, estes 3 dias ele não pode fazer muitos esforços. Se estiver tudo bem ele deixa de tomar os comprimidos e só vem aqui daqui a uma semana para tirar o penso definitivo e depois segue com a sua vida normal. Entendido?"

"Sim acho que sim" eu disse com algum receio e fiquei a olhar para ele tentando assimilar tudo o que ele disse e por fim falei.

"Não te preocupes que eu vou deixar isto tudo escrito para tu saberes." Ele disse dando uma gargalhada ao ver toda a minha atrapalhação. "Mas é que eu também já estive a explicar isto tudo ao Zayn, mas acho que ele não faz caso nenhum do que ele disse, por isso é que eu estou a confiar em si"

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!