Ouvi o meu telemóvel tocar dando sinal que tinha uma mensagem, o que fez que eu acordasse dos meus pensamentos. Olhei para o ecrã e verifiquei que tinha uma mensagem. Era do Niall. Assim que vi o nome dele um pequeno sorriso cresceu nos meus lábios, o Niall é o meu melhor amigo. Quer dizer agora ele é o meu melhor amigo, já nos conhecemos a bastante tempo e ele foi o meu primeiro namorado. Namoramos durante um ano mais ou menos e depois acabamos, durante um tempo nós odiávamo-nos de morte. Mas agora ele é o meu melhor amigo, ele e a Kate são os meus melhores amigos.

Antes de abrir a mensagem olhei para as horas e o meu telemóvel marcava as 19:24, eu nem tinha dado pelo tempo passar, eu e o meu pai chegamos a casa mais ou menos as cinco da tarde, e eu ainda não lhe dirigi a palavra. Pode não passar de uma birra mas se a coisa que eu respeito é a minha liberdade. E ele não tem o direito de fazer o que fez, como se mandasse em mim. E com o tempo todo que tive a desfazer as malas já são quase sete e meia. Mas sem mais demoras abri a mensagem.

"já chegas-te a casa? Xx:Niall"

"sim já cheguei a algum tempo Xx" respondi. E pouco tempo depois o meu telemóvel voltou a tocar.

"E nem me avisavas? Obrigada Em... Xx:Niall" Mal li a ultima palavra um sorriso ainda maior cresceu na minha cara. "Em" a alcunha que o Niall me dá e que eu adoro.

"Vá para lá de fazer birrinha e vem cá a casa Nini Xx" como eu sei que ele odeia que eu o chame Nini.

"Só por me teres chamado Nini não vou! Xx:Niall" Desatei-me a rir sozinha só de imaginar a cara que ele faz sempre que me diz para não lhe chamar isso.

"E se eu te disser que podes jantar cá? Xx"

"Já não como comidinha dá Marihana a tanto tempo... Estou ai em 10 min beijos Xx: Niall" Eu sabia, bastava falar em comida que o Niall vinha logo! E eu sei que ele adora a comida da Marihana, a minha empregada. E na verdade foi ela que me ensinou a cozinhar, apesar da minha mãe também cozinhar muito bem como estava sempre ocupada, foi a Marihana que me ensinou tudo o que sei. Por falar nela é melhor descer para a avisar que o Niall também janta.

Poisei o telemóvel na minha mesa de cabeceira e fui ate a porta do meu quarto saindo fechando-a atrás de mim. O meu quarto era no segundo andar, tal como o quarto do Stefan em frente ao meu, o quarto do meu pai ao lado do Stefan, e ao meu lado um quarto de hóspedes, cada um dos quartos com uma casa de banho. E no fim um escritório onde o meu pai raramente trabalhava. Desci as escada, e no primeiro andar temos uma sala enorme com a porta principal, a cozinha do lado direito, e ainda uma pequena casa de banho. Do lado esquerdo temos uma pequena porta que vai dar ao quintal da parte de trás da casa que tem um jardim e uma piscina não muito grande. E ainda do lado direito temos um pequeno quarto que era o antigo atelier de pintura da minha mãe. E é para ali que eu vou sempre que estou mal, vou para ali pintar porque eu adoro pintar, apesar de ter ido para economia mais por causa do meu pai. Eu adoro artes.

Continuei o caminho para a cozinha e encontrei a Marihana, uma senhora de uma certa idade de cabelos castanho já com alguns brancos, baixinha e com os olhos pretos mais carinhosos que já vi. Sim podiam ser muito escuros mas eram encantadores na sua pele branca.

"Ah menina, não vi que estava ai." Disse limpando as mãos ao avental, após ter reparado na minha presença.


"Vinha dizer-lhe para acrescentar um prato que o Niall vêm cá jantar." Disse sorrindo.


"Há que bom, já não vejo o menino Niall há tanto tempo. Quer que faça lasanha como ele gosta?" disse ela sorrindo. A Marihana adorava o Niall, e ele já era como um membro da nossa família.


"Sim, acho que é uma boa ideia, ele disse que já têm saudades da sua comidinha"


"Então eu vou me esmerar para que fique como ele gosta" disse sorrindo, com um brilho nos olhos.


"O meu irmão também janta?" perguntei.


"Não, o menino vai aproveitar que amanha se vai embora e disse que ia jantar com a namorada." Há que rico maninho que arranjei! Está a duas semanas sem me ver, vai embora amanha e ainda vai jantar com a namorada.


"Obrigada Marihana, quando o Niall chegar mande-o ao meu quarto se faz favor."


"Claro menina" disse sorrindo e começando o seu trabalho.


Comecei o caminho de volta ao meu quarto, mas reparei que o meu pai estava na sala já com as malas prontas e a falar ao telemóvel.


"Sim claro.... Eu vou embora hoje já sabe o que têm a fazer.... Sim mas..." Ela parou a frase quando deu pela minha presença. "Eu já lhe ligo dê me 5 minutos" disse desligando o telemóvel e começando a andar na minha direcção.


"Escusava de ter desligado." Disse mais friamente do que aquilo que cria. O meu pai ignorou o meu comentário e continuou o seu caminho até mim.


"Estava a falar com o rapaz que contratei para ti. Ele vêm te buscar amanha de manha para te levar a escola." Abri a boca para começar a protestar mas o meu pai impediu-me e falou primeiro. "Escusas de reclamar, já está tudo tratado." Ia me virar para dar meia volta até que o meu pai agarrou o meu braço, mas não com brutidão, mas sim com ternura e muito lentamente.


"Por favor filha é para teu bem... O pai vai ter de ir embora mas eu volto no fim de semana." Ele disse e eu permaneci estática sem dizer nada, apenas olhando nos seus olhos verdes. Ele abraçou-me e eu demorei bastante tempo a reagir mas acabei por também abraça-lo de volta. "Eu amo-te filha, nunca te esqueças disso" disse contra o meu cabelo. E só me apetecia chorar, mas não o fiz.


"Eu também pai" disse num sussurro. Ele afastou-se e dirigiu-se até a porta e eu acompanhei-o. Ele entrou no carro e olhou-me uma última vez acenando o braço e eu também assim o fiz, até perder o seu carro de vista pela estrada.

Entrei novamente em casa e fechei a porta e caminhei para o meu quarto. Sentando-me na minha cama. E a única coisa que me apetecia fazer era chorar. Eu odeio discutir com o meu pai. Mas chorar é coisa que eu não vou fazer. Desde que a minha mãe morreu a dois anos que eu não o faço. As ultimas palavras que a minha mãe me disse antes de morrer em cima da maca do hospital foram "Não chores Amor" e depois de ter deitado todas as lágrimas fora por causa da morte da minha mãe, que tenho respeitado o sue pedido. E que me apercebi que chorar não leva a lado nenhum. Chorar só nos torna ainda mais fracos. Por isso a palavra "chorar" não está no meu dicionário a quase dois anos. Posso parecer insensível, mas é o que eu sinto.

Os meus pensamentos foram afastados quando senti alguém a bater a minha porta.


"Entre" disse, e rapidamente a figura do Niall me apareceu a frente. E o meu loiro de olhos azuis estava ali. "Niall!" gritei e corri para os braços dele antes que este tivesse tempo de fechar a porta.


"Tinha tantas saudades tuas pequena" murmurou contra o meu cabelo abraçando-me de volta.


"Também eu Nini" disse afastando-me para o encarar. E assim que ele ouviu a palavra "Nini" ergueu uma sobrancelha eu forma de brincadeira com se estivesse chateado.


"AHAHAHAHA" ri com a sua reação.


"Goza, goza." Disse começando-me a fazer cócegas.


"Não! Niall! Para!" disse entre risos.


"Vá temos que descer que a Marihana mandou-me chamar-te, e ela já me disse que fez lasanha" ele disse com um grande sorriso e agarrando a minha mão para descermos.

Descemos as escadas eu as encavalitas dele e jantamos, ele contou-me tudo o que tinha feito nas férias e eu contei-lhe toda a minha viagem, e da infeliz ideia do meu pai. Depois disso decidimos ir ver um filme, e como foi o Niall a escolher vimos um filme de terror, mesmo sabendo que eu odeio filmes desses. Rapazes... 


------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Oi oi :) como foi prometido aqui está outro capitulo espero que tenham gostado, mas agora ao inicio não a muito para desenvolover mas a partir do próximo capitulo as coisas vão ficar mais intersantes. Beijinhos e comentem e favoritem obrigado <3


Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!