"Pouco tempo depois de eu nascer o meu pai e o meu tio compraram este sitio, criaram uma sociedade e transformaram isto num hotel. O meu tio sempre foi muito chegado à nossa família, ele não tinha mulher nem filhos, então o meu pai fazia questão que ele passa-se todas as épocas festivas connosco, então eu simplesmente adorava-o, até ao dia em que ele se juntou com a minha mãe meses depois de o meu pai ter morrido. Eu tinha 15 anos na altura em que o meu tio foi viver para nossa casa. Na altura reagi super mal, ele chegou a nossa casa como se fosse nosso pai e o pudesse substituir, comprava presentes para as minhas irmãs, levava-nos a passear e dizia à minha mãe exatamente as mesmas coisas que o meu pai lhe dizia, mas apesar de essa ideia não me agradar eu gostava de ver a minha mãe feliz. Até que um dia a minha irmã chegou bêbeda a casa, ela sempre foi da mesma opinião que eu e nunca aceitou a cem por cento a ideia do meu tio a viver lá em casa, então nesse dia o meu tio ralhou com ela por ela ter chegado bêbeda a casa, e a minha irmã sem pensar no que estava a fazer começou a dizer coisas da boca para fora, e então eles começaram a discutir a sério e o meu tio bateu-lhe." O Zayn para de falar como se todas as recordações estivessem a passar como um vídeo na sua cabeça e eu não o interrompo

"Não me lembro muito bem do que aconteceu depois mas lembro-me de quando dei por mim estava aos murros ao meu tio. Eu sempre fui muito impulsivo em relação a isso e ainda agora sou, mas seja porque razão que fosse o meu tio não tinha nada de dar um estalo à minha irmã. Ela era ainda mais velha que eu, na altura tinha 17 anos, era uma miúda que estava bêbeda e que não fazia a mínima ideia do que estava a dizer. E eu não passa de um puto de 15 anos com uma revolta enorme dentro de mim por ter perdido o meu pai. Então foi ai que eu fui trabalhar para a tal loja de computadores. Eu tinha a ideia na minha cabeça de que podia ser independente e que com 15 anos podia sustentar-me sozinho e parar de viver às custas do meu tio, então durante as férias de verão eu levantava-me cedo todos os dias e fazia a viagem até lá e voltava à noite, e agora parece-me estupido, e não encontro razões para ter ido trabalhar para tão longe, mas aquele sitio fazia-me sentir em casa." A voz do Zayn fica solta

"Zayn tu eras tão novo" um pequeno murmuro sai dos meus lábios e poiso a minha mão no seu braço

Ele era novo de mais para querer ser independente, para ter consciência que não queria ser mais sustentado pelo tio e para todo o rancor que guardava do tio

"Sim eu sei" ele sopra


"Mas ao fim de uns tempos eu percebi que não ia conseguir nada com aquela merda de trabalho e foi ai que a minha vida deu uma volta maior. Eu comecei a fazer-me à vida e assim que fiz 18 anos já me conseguia sustentar sozinho. Comprei uma casa e afastei-me daqui. Passados alguns meses descobri que parte deste hotel era meu. O meu tio tentou com que eu reclama-se as minhas ações e que viesse trabalhar com ele mas eu nunca o fiz. Isto pode ser meu mas eu não quero ter nada haver com o meu tio. Então eu tentei vender a minha parte deste sitio mas tempo depois descobri que o meu pai tinha escrito no testamento que nós os seus filhos só podíamos vender as nossas ações com consentimento do meu tio, e como ele têm esperança que eu um dia venha para aqui trabalhar com ele nunca me deixou vender a minha parte." A voz dele deixa de se fazer ouvir e ele liberta uma respiração pesada


"Mas este sitio é tão fantástico Zayn. Porque é que tu não dás uma oportunidade de vires para aqui, o teu pai de certeza que iria adorar que-"

"Não, Emma, para" a voz do Zayn corta-me mas ele não é bruto, a voz dele é apenas fraca como um murmuro no vento

"O meu tio não só tentou ocupar o lugar do meu pai e bateu a minha irmã, ele escondeu-me muita coisa durante todos estes anos, coisas que eu nunca lhe vou perdoar. Eu adoro este sitio, adoro isto desde puto. Mas eu nunca vou trabalhar com o meu tio" ele revela mais um pouco enquanto os seus olhos castanhos encaram

"Okay desculpa, eu estava só a tentar-"

"Chega aqui" o Zayn não me deixa acabar e abre os braços enquanto encara os meus olhos

Agarro o lençol contra o meu corpo e gatinho para o peito dele. Um dos seus braços enrola-se à minha volta enquanto ele segura a sua sandes com o outro e eu aninho-me mais nele.

"Chega desta conversa" ele fale contra o meu cabelo deixando-me sentir a sua respiração no meu ouvido

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!