P.O.V Zayn 

Sinto os meus músculos contraírem-se e a minha respiração trava.

Aperto-a mais contra mim e tento a todo o custo não encarar o homem à minha frente.

"Filho" a minha mãe aproxima-se e sorri

Os seus braços puxam-se para um abraço apertado onde ela acaricia o meu cabelo e as minhas costas e sou incapaz de não retribuir.

Tenho tantas saudades dela.

"Tinha tantas saudades tuas filho" ela afasta-se olhando-me olhos nos olhos

O castanho avelã do seu olhar parece retirar tudo o que há em mim. Parece conseguir desvendar todos os meus segredos e despir toda a capa que criei à minha volta.

Até conhecer a Emma o olhar dela era o único que me fazia sentir esta sensação. 

"Como estás?" ela poisa as mãos no meu peito e acaricia a minha face

Consigo ver o medo através do seu olhar. O medo pela minha reação.

E ver esse medo doí-me. Foda-se como dói a maneira como eu faço as pessoas que mais amo terem medo de mim. 

"Bem e a mãe?" sorrio e vejo-a serrar os lábios para segurar o choro

Por mais que eu queira eu não consigo afastar-me da minha mãe. Por mais que eu tenha estado ausente e não tenha visitado a família durante os últimos tempos ela sabe que é uma das coisas mais importantes na minha vida.

"Também filho, mas temos estado preocupados contigo. Nunca mais nos foste visitar, nem deste noticias-" a voz dela treme e ele continua a encarar-me da maneira que só ela consegue 

As suas pequenas e quase invisíveis rugas nos cantos dos olhos. A maquilhagem leve nas suas feições naturais, o seu cabelo longo e o seu olhar meigo continuam iguais.

"Não tenho tido oportunidade" levo a minha mão ao seu cabelo e tento tornar a minha frase mais leve 


"Tu não voltas a falar assim com o teu tio!" ela grita e eu serro os punhos

"Porquê? Porquê Mãe? porque tu tens medo dele é isso?" grito de volta e o meu tio é o unico em silêncio naquela sala

"Para com essas insinuações filho-"

"Não não paro Mãe! Porque quando tu descobrires o cabrão com quem andas a dormir"

"Eu não te admito" o meu tio ameaça e tenho vontade de rir 

"Tu não tens que admitir nada foda-se!" bato com a minha mãe sobre a mesa

"Olha a educa-"

"Quando eu te desmascarar tu vais cair redondo no chão, e todos vão perceber a merda que és!"

"Zayn! Chega!" a minha mãe grita

"Temos sentido a tua falta filho-" ela diz e lanço um riso irónico inconscientemente fazendo-a engolir as suas palavras

"Eu estou aqui não estou mãe" puxo-a pelo ombro e beijo o topo da sua cabeça sentindo-a sorrir 

"Zayn. A tua mãe têm razão, tivemos saudades tu-" sinto todos os músculos do meu corpo comprimir 

"Pode parar com o teatro por ai eu não estou a falar consigo" a minha voz é como uma faca sobre tudo e sinto-o calar-se imediatamente 

Oiço a minha mãe respirar fundo mas nenhum deles tenta. 

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!