Z/E


Emma

"Do que é que estás a fa-" não o deixo acabar

Ele sabe perfeitamente daquilo que eu estou a falar.

"Da minha mãe Zayn! Como é que tu foste capaz?" levanto as minhas mãos para bater no seu peito e a minha garganta aperta

"Como Zayn?!" grito batendo de novo com as minhas mãos no seu peito mas isso não o parece afetar

O seu olhar está concentrado em mim e ele parece perdido.

"Desculpa" ele fecha os olhos e deixo de respirar nesse momento

Todas as possibilidades de que eu poderia estar engada morrem ali e sinto que me tiram tudo aquilo que fazia de mim quem sou.

Um chuto no meu estomago é dado com tamanha força que chega a ser insuportável.

Sinto lágrimas e lágrimas a queimar a minha cara e afasto-me dele.

As minhas pernas estão dormentes e o meu corpo lateja a cada passo que dou para trás. Sinto nojo dele.

"Emma" ele chama pelo meu nome e o olhar dele torna-se em algo que eu nunca vi

"Para" quase grito quando ele tenta dar um passo na minha direção e apenas o seu olhar está em mim

As perolas castanhas estão sem cor e a sua expressão perdida.

"Como é que tu foste capaz de esconder uma coisa destas durante tanto tempo Zayn?" a minha voz mistura-se com o meu choro e vejo-o serrar os maxilares e fechar os punhos

"Como é que tu foste capaz de olhar para mim todos os dias sem sentires um pingo de culpa?" grito e vejo a sua respiração aumentar

"Como é que tu fostes capaz de me fazer uma coisa destas Zayn?" o meu choro corta-me a minha própria voz e tenho que engolir o nó na minha garganta

"Como é que tu foste capaz de me fazer apaixonar por ti desta maneira?" ele fecha os olhos

"Como é que tu foste capaz de dizer que me amavas Zayn?" ele abre imediatamente os olhos e vejo linhas vermelhas formadas neles

"Eu amo-te Emma" ele mumura descolando os seus pés do chão e tenho que tapar os ouvidos

"Cala-te!" empurro-o para trás com toda a força que tenho mas ele pouco ou nada se meche

"Tu nunca me amas-te Zayn, a única coisa que tu sabes amar é a ti e à merda do teu umbigo!" empurro-o de novo com toda a força que tenho e sinto as suas mãos rodearem os meus pulsos fazendo-me parar

"Para Emma" ele implora e a sua voz é fraca

"Tu nunca me amas-te e eu nunca te devia ter amado!" grito, o sue toque nos meus pulsos torna-se quente e ele volta a fechar os olhos

"Eu odeio-te Zayn" ele serra ainda mais os olhos e sinto o meu corpo desfazer-se

"Não, não..." ele murmura e eu forço-me a engolir o meu choro

Água quente queima a minha cara mas não paro.

"Eu nunca fui capaz de te o dizer, mas agora eu não tenho qualquer dificuldade em faze-lo" a minha voz cospe veneno e eu quero magoa-lo tanto quanto me sinto magoada

"Não Emma, eu sei que não é verdade" ele abana a cabeça negativamente

"Olha para mim" falo e ele não o faz

"Olha para mim Zayn!" os olhos dele embatem nos meus e sinto-me cair

As palavras colam-se na minha garganta e o meu corpo treme.

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!