O meu corpo está dormente.

A minha cabeça está colada ao vidro e eu estou exausta.

Os meus olhos estão inchados e pesados, a minha garganta está seca e dolorida e o buraco no meu peito é insuportável.

Quero apenas fechar os olhos e desaparecer. Quero apenas esquecer tudo. Tudo.

Sinto o carro parar mas não tenho coragem para me mexer.

Estes últimos dias têm sido como anos para mim. Sinto-me como se não dormisse não comesse e não sentisse à anos.

E a maneira horrivel como quero arrancar tudo da minha cabeça é desesperante.

"Vamos eu ajudo-te a entrar" a voz do Louis soa e oiço a porta do seu lado abrir-se

O seu corpo caminha em frente ao carro e consigo ver a forma como também ele parece estar devastado.

Mexo-me ajeitando a minha mala e ele abra-me a porta para que saia.

Sinto o meu corpo congelado quando piso o chão e oiço a porta do carro ser fechada atrás de mim.

Não quero ter de entrar em minha casa. Ter de encarar o meu pai o Harry...

Será que o meu pai já chegou? Ele disse que em principio ia ser libertado hoje.

Suspiro frustradamente e ando ao lado do Louis.

Nunca quis tanto que esta casa estivesse vazia.

"Desculpa não poder entrar mas eu volto cá amanhã para ver como estás" paramos ambos em frente à porta e apenas encaro as perolas azuis esverdeadas à minha frente

"Se precisares de alguma coisa podes ligar Emma, seja o que for e a que horas for" a sua voz soa tão sincera que dói e sinto-me egoísta por pensar 'o teu melhor amigo deixou-me não precisas mais de te preocupares comigo'

"obrigada" murmuro tão fracamente que só sei que ele ouviu quando a sua cabeça assentiu

Ele abraça-me levemente e tenho a certeza que mais alguns segundos e estaria a chorar novamente.

O seu corpo roda sobre si e ele vai até ao carro não sem antes levantar uma das suas mãos para mim.

Respiro fundo e fecho os olhos.

Zayn. Zayn. Zayn. Zayn e Zayn é a única coisa que consigo ver quando o faço e arrependo-me imediatamente

Arranco as chaves do meu bolso tirando também o meu telemóvel e abro a porta com todo o cuidado que consigo.

Já está escuro, não é totalmente de noite mas está a anoitecer. A viagem foi terrivelmente comprida por causa do transito e sinto-me exausta.

A casa está escura e agarro no telemóvel tentando evitar ligar as luzes.

Vejo que tenho mensagens e chamadas do Niall, da Kate do meu pai e do meu irmão quando a luz bate na minha cara mas ignoro.

O pensamento de que nunca mais vou ter o nome do Zayn brilhar na tela do meu ecrã aparece e sinto-me frustrada por não conseguir pensar em outra coisa.

"Emma" uma voz que eu tão bem conheço soa e é como um alivio para o meu peito

Vejo o corpo descer as escadas de forma rápida e em segundos os seus braços estão à volta do meu corpo.

O seu cheiro familiar enche as minhas narinas e o seu calor é como uma espécie de penso que aliviam as minhas feridas.

Aperto o mais contra mim sentido as mãos dele nas minhas costas e tenho uma vontade automática de chorar só por estar agarrada a ele.

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!