"Acho que devíamos ir embora Emma está a fazer-se frio-" ele tenta sair de cima de mim mas eu impeço-o 

"Zayn" puxo-o e consigo sentir toda a sua expressão mudar

"O que é que têm essa?" pergunto e ele continua a fintar o parque

"Emma eu não quero falar sobre isso agora" ele murmura

"Zayn podes contar-me" puxo a sua cara para me encarar e consigo-me perder nos olhos dele

"Eu sei que foste tu que desenhas-te a original, e que é a que menos gostas não por isso mas pelo significado" os olhos dele ganham algum brilho quado ele se apercebe que eu não me esqueci da nossa conversa

"Podes contar-me" passo a minha mão pelo seu rosto e ele baixa-o

Os seus músculos mexem-se por cima de mim e saem da posição em que estávamos mas desta vez eu não o impeço.

Ele mantém a posição antiga e senta-se no banco apoiando os cotovelos sobre os joelhos enquanto vejo as suas mãos brincarem uma com a outra.

Mexo-me ajeitando a minha roupa no meu corpo e sento-me ao seu lado apenas observando.

O seu maxilar está tenso e contraído enquanto ele olha para um ponto invisível no parque e a linha dos seus pensamentos só parece parar quando ele se meche desconfortavelmente para se encostar sobre as costas do banco.

"Quando eu era pequeno, não tão pequeno assim mas quando eu tinha os meus 6 anos" ele começa e eu não o interrompo

Sinto o meu coração palpitar fortemente e chego-me mais perto dele.

"Já duas das minhas irmãs tinham nascido e eu era o único rapaz, o que me tornou muito pegado ao meu pai" ele passa uma das mãos pelo nariz

O assunto é o pai. Como é que eu não pensei nisso.

Para ter um valor sentimental assim tão grande só poderia significar o pai.

"Ouve um dia que eu cheguei da escola e vi a minha mãe a chorar. O meu pai tinha tido um acidente e estava no hospital. Como é obvio eu fiquei cedo e surdo de qualquer coisa que poderiam ter dito e fui ter com ele nessa mesma hora" a imagem de um pequeno miúdo a saber de uma noticia destas surge na minha cabeça

O Zayn volta a mexer-se sobre o banco e debruça-se novamente para a frente.

"Eu entrei no hospital e ver o meu pai naquele estado foi uma das piores coisas que eu me lembro. Ele estava ligado a tubos, seringas e todas essas coisas. E sabes o que é que ele fez quando me viu?" ele olha finalmente para mim e os seus olhos fazem-me congelar

"Não" sussurro tão baixo que só tenho a certeza que ele ouviu quando voltou a falar

"Ele riu-se. Riu-se e disse que sabia que eu ia ser o primeiro a chegar ali o que foi verdade. Depois de alguns minutos e discussões com médicos à parte eu sentei-me ao lado dele e o meu pai contou-me uma pequena história" ele engole um nó que sei que se está a formar na sua garganta e continua

"Contou-me uma história bem confusa na verdade, e que eu não percebi o que é que ele queria dizer com isso na altura. Mas ele fez uma comparação estupida entre o Fogo e a vida" ele olha-me nos olhos e eu apenas o encaro

"Anos depois, 3 anos depois o meu pai teve outro acidente onde faleceu. E a culpa foi minha" ele fecha os olhos e serra os punhos de uma forma brusca e o meu coração aperta

"Zayn se foi um acidente a culpa não pode ter sido tua-" deixo as minhas mãos poisarem nas suas costas mas ele não me deixa acabar a minha frase

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!