Capítulo 68

491 42 0
                                    


MURILO CARDOSO (ELFO)

Elas entram no carro do Ninja e eu consigo respirar um pouco mais aliviado no momento, eu não teria paz para trabalhar e me organizar se essas duas continuassem no morro, e ainda avisei ao Ninja que ele deveria ficar no mesmo lugar que elas e me avisar se algo acontecesse e não permitir que algo as machucasse.

É melhor prevenir, e gosto de pensar em todas as possibilidades, o Roberto poderia muito bem mandar alguém atrás dela, principalmente porque ela vai estar longe, aqui um caos, preciso ter alguma segurança de que elas vão ficar bem.

E eu sei como as coisas ficam em dia de operação e jamais me perdoaria se eu deixasse as mulheres que eu amo aqui correndo qualquer risco. Manuela é minha irmã, sangue do meu sangue e eu faria de tudo por minha família, e a Vanessa é a mulher que eu amo e eu prometi, e vou cumprir, a minha promessa de protegê-la sempre.

Também não é nenhuma novidade, a polícia adora fingir que vai trabalhar e invadir o morro, mas o que me deixa mais puto é porque eles matam os meninos que sequer são envolvidos com o movimento, para essa gente todo favelado é bandido.

Eu sou favelado e bandido, mas aqui tem muitos que não são, muitos garotos que tem outros sonhos e objetivos, mas essa polícia tão suja e bandida, não enxerga isso. Eu ainda acho que eles são muito piores do que nós, pelo menos eu assumo as coisas que eu faço, eu sei dos crimes que cometo e das leis que infrinjo, a maioria desses fardados se escondem para cometerem muito mais crimes do que gente como eu.

Saio da minha casa já com a arma na mão, eu não sei exatamente quando vai acontecer, mas no momento, estar preparado para qualquer coisa é uma obrigação, não vou dar sorte para o azar, qualquer policial que me encontrar vai tentar me matar com uma chuva de balas, e eu estou novo demais para morrer.

Vou direto para a minha base, preciso organizar o pessoal e colocar eles em pontos específicos para termos algumas vantagens sobre aqueles filhas da puta, estamos na nossa casa e não vamos deixar que eles entrem e façam a festa deles e depois vão embora como se fossem a droga de heróis quando são uns desgraçados.

Eu faço muito mais pela minha gente do que eles fazem por qualquer pessoa, eu cuido da minha comunidade, e não gosto deles vindo aqui atrapalhar o funcionamento de nada. Respiro fundo chegando na base. Espero que hoje eu estoure pelo menos a cabeça de um.

E sinceramente, não me importo que o filha da puta sorteado seja o Roberto, seria ótimo se isso acontecesse, porque eu realmente estou precisando me livrar dele. E eu sei muito bem o que ele está fazendo, invadir aqui é uma forma que ele encontrou de fazer tudo o que ele acha que tem que fazer. Me matar e sequestrar a filha novamente, por isso torno a dizer, um filho da puta que merece um tiro.

— Finalmente você chegou — o Gota diz no momento em que eu piso dentro da base — Temos muita coisa para fazer.

— Eu tinha que mandar a Vanessa para um lugar seguro junto da Manuela, você sabe muito bem como esse tipo de situação pode dar merda — Eu falo sério e ele assente.

— É claro que eu sei, por isso avisei a Laura para ficar longe daqui hoje e que não poderia vê-la — Ele diz enquanto caminhamos para a laje.

— As duas foram para lá, Vanessa colocou na cabeça que seria mais seguro e hoje é um dia que eu definitivamente não queria discutir — Falo e ele assente — Agora é hora de trabalhar para nos preparar para a chegada daqueles desgraçados.

Alguns dos meus homens já estão por ali esperando por ordens, tenho certeza que o Gota já espalhou alguns pela comunidade, mas ainda preciso dar alguns retoques.

Anatomia do Caos - MorroOnde histórias criam vida. Descubra agora