Capítulo 50

1.1K 104 7
                                    

Vanessa Aguiar

Tento respirar fundo, mas o ar não parece entrar nos meus pulmões, eu já sabia que eles fariam isso, eu tinha certeza, mas agora que se tornou real parece muito pior do que antes. Eu só queria um pouco de paz.

— Vanessa, respira fundo! — O Elfo fala segurando no meu rosto com cuidado, fazendo eu olhar no olhos dele — A gente vai resolver isso.

— Como? — Eu pergunto nervosa.

— A gente vai ter que falar com um advogado — A Manuela diz e eu olho para ela — A gente precisa saber o que fazer, e é nossa melhor opção no momento.

— Você está certa, um advogado — Repito e respiro fundo — vamos resolver isso agora.

— Vamos entrar em contato com o nosso — o Elfo diz e ao mesmo tempo que ele pega no celular dele, o meu começa a tocar.

Me levanto e caminho até a mesa, assim que pego o aparelho vejo o nome da Laura na tela, provavelmente ela já está sabendo também. Eu sinto que isso pode virar uma confusão estratosférica.

— Oi, já está sabendo? — Ela pergunta no momento em que eu atendo a chamada.

— oi, acabei de receber a notícia — Respondo e me viro para o Elfo quando ele pergunta quem é — A Laura.

— Ele tá aí? Ótimo, coloca no viva voz — ela pede e eu fico confusa.

— por que?

— Porque eu sei que esse assunto é de interesse de todo mundo — ela responde como se fosse óbvio.

— Tá, eu coloco — respondo e respiro fundo ao colocar a chamada no viva voz — pronto.

— Estão todos me escutando? — ela pergunta.

— Sim — Respondemos em uníssono.

— Certo — O tom de voz dela é firme e sério — Eu recebi uma intimação agora a pouco, vão me investigar pelo sequestro da Vanessa, eu já falei com o meu advogado e ele me disse que a melhor coisa é a Vanessa ir para a delegacia de onde partiu a denúncia.

— Mas ela sair daqui é perigoso — o Elfo diz e me olha — Isso tem cara de armação.

— A denúncia é real, mas eu acredito que tenha algo a mais nisso — A Laura responde.

— Meu pai não dá ponto sem nó, com certeza alguma coisa tem, mas o que? Ele não pode me arrancar da delegacia a força... Quero dizer, ele até pode, mas qual a outra forma de resolver isso? — pergunto e todo mundo fica em silêncio.

É uma situação delicada, eu preciso tomar uma atitude, preciso resolver isso e parar de me esconder tanto e deixar todas as pessoas ao meu redor lidares com as coisas que são minhas, são meus problemas e eu deveria estar resolvendo eles. Eu preciso ser mais ativa na minha própria vida.

— Eu vou até a delegacia, não tem outro jeito — eu decido, preciso realmente começar a ter mais atitude — Não adianta discutir, eu tenho que ir, então eu vou, mas podemos fazer isso de uma maneira inteligente.

— como? — A Laura pergunta — No que você está pensando?

— No óbvio, em ir com um advogado — Esclareço evitando olhar na direção do Elfo — Eu vou com um advogado e com você, Laura...

— Eu posso ir também — A Manuela oferece.

— Certo, então vamos nós três e o advogado, assim resolvemos essa questão e se eu estiver acompanhada, ele não vai conseguir me levar para lugar nenhum — falo com firmeza, é a melhor ideia que temos até agora.

Anatomia do Caos - MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora