Capítulo 61

501 55 0
                                    


Vanessa Aguiar

Eu queria ter ficado naquele momento na sala de estar da casa da Laura para sempre... quero dizer, sempre é muito tempo, então apenas por um longo período. Mas tudo bem, eu sei que a gente vai dar um jeito de resolver tudo, por isso eu preciso falar com o Murilo, eu tomei uma decisão muito séria e vou precisar dele para colocar em prática. Lúcia pode até querer que eu fique longe de tudo de errado que o Elfo pode colocar na minha vida, mas essa é uma decisão que eu estou tomando sozinha, e não vou voltar atrás.

A vingança não é nada muito bonito, e não deveria ser algo que a gente almeja, mas sejamos sinceros, tem coisa que não é possível perdoar, tem coisa que não dá para simplesmente deixar para trás.

Eu queria muito só seguir a minha vida sem me lembrar de tudo o que o Roberto já fez, de todo o mal que ele já me proporcionou, ele nunca foi um pai, ele sempre foi um monstro, sempre bateu... sempre espancou, não é atoa que a Carol foi embora e sumiu, e não foi por charme que fugi de casa, eu fiz isso porque ele me mataria. E a lei do retorno é muito clara, tudo que vai, volta.

— Estou pronta — Aviso no momento em que piso no último degrau que dá acesso à sala na casa do Elfo.

— Finalmente, achei que você ia morar dentro daquele quarto — Ela provoca e eu dou de ombros.

— Eu estava me arrumando, gostei muito das roupas que comprei ontem — comento indo em direção a porta.

— As roupas de lá são boas, mas foi ótimo ver a sua cara vendo os preços — Ela responde rindo.

— É porque nas lojas que eu ia, uma blusa era mais de mil reais, costume diferente, só isso — me defendo.

— Coitada da patricinha, gente — A Manuela debocha e eu reviro os olhos rindo — Vamos logo.

No momento em que eu vou concordar para sairmos de casa, o meu celular toca. Fico confusa por não estar esperando nenhuma ligação e quando tiro o celular do bolso, não é um número conhecido, e apesar de uma voz no interior da minha mente me dizer que é melhor não atender, eu sou teimosa e atendo. Não ia aguentar a curiosidade de não saber quem estava ligando.

— Até quando vai continuar com isso? — O arrependimento veio mais rápido do que eu tinha imaginado — Você só piora a nossa imagem, eu estou cada dia mais envergonhada de ser sua mãe.

— E a senhora acha que eu tenho orgulho de ser sua filha? — Pergunto no mesmo tom — Por que está me ligando? Prefiro que finja que eu não existo, seria muito melhor e mais fácil.

— Você abriu um processo contra o seu pai! — Ela grita em um tom tão agudo que eu preciso afastar o celular.

— Ele me bateu, me ameaçou e quase me desmaiou no soco — Eu esclareço, mesmo sabendo que isso para ela não é nada — A senhora deveria ter um pouco mais de amor-próprio, esse homem te trai e faz de gato e sapato e continua com ele, mesmo que signifique apoiar o quanto ele bate nas filhas, mas pensando bem, a senhor é igual — Respiro fundo — Por favor, não me liga mais, eu não quero contato.

— Olha aqui, Vanessa, eu sou sua mãe e essa sua rebeldia já passou dos limites, vá agora mesmo retirar as queixas contra o seu pai e depois, volte para casa que nós temos que ter uma conversa séria — Ela grita com raiva e eu preciso respirar fundo — Não vai ter medida protetiva que te proteja quando eu pôr as mãos em você.

— Eu vou falar sério, mas espero que a senhora preste bastante atenção — eu falo firme, e vejo que a Manuela está encostada no portal da porta da sala me olhando séria — Eu estou cansada desse assunto, não vou retirar queixa nenhuma e se a senhora continuar me ligando, saiba que eu vou abrir uma queixa contra a senhora também. Estou completamente cansado dessa discussão sem fim. E digo mais, se continuar insistindo nisso, vou alegar que estão usando os recursos da polícia para achar meu número, porque eu sei que é isso.

Anatomia do Caos - MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora