Capítulo 64

701 54 1
                                    


Vanessa Aguiar

Voltamos para casa rindo e brincando. Elfo fez o que me falou que faria, bebeu muito pouco, quase nada para ser mais clara, e eu achei isso excelente, porque eu realmente não queria conversar com ele bêbado e mesmo que eu já tenha adiado essa conversa para ficar lá mais tempo, não quero continuar fazendo isso, porque, na verdade, eu tenho adiado essa conversa desde o dia na delegacia, foi lá a primeira vez que esse pensamento me veio à mente, mas eu precisava de um tempo para avaliar melhor tanto as possibilidades, quanto o quão pesada minha consciência ficaria. Mas já tomei a minha decisão final e eu preciso muito falar sobre ela.

— Quer conversar agora? — Ele pergunta no momento que fecho a porta do quarto.

— Quero, ou acha que é melhor a gente banhar primeiro, talvez seja — Eu falo me sentindo nervosa.

— Não, melhor você falar logo, depois tomamos banho e relaxamos, ok? — Ele diz pacientemente e eu preciso respirar fundo algumas vezes — Me fala o que você está pensando.

— Não é uma coisa da qual eu me orgulhe, mas é algo que eu acho que deveria ser feito — Eu explico

— Não se preocupe, meu bem, eu não vou te julgar por nada, independente de qual seja o assunto que você tenha para falar — Ele diz levando a mão no meu rosto e fazendo um carinho de leve.

— Eu fiz um plano para que o meu pai seja morto, mas que não nos envolve — Eu falo de uma vez e ele acena, mantendo a expressão calma — Na verdade, não é exatamente um plano, é mais como um tiro no escuro, mas acredito que seja algo já que, bom, acredito que o Drogo não vá lidar com traição muito bem.

— Drogo? Do que exatamente você está falando ? — O Elfo me pergunta com a expressão séria — Por favor, seja mais clara e explique cada detalhe do que está pensando, quero entender bem.

— Quando o Roberto me prendeu dentro daquela delegacia, eu deixei meu celular gravando, sabia que não poderia usar como prova contra ele na justiça, mas uma gravação sempre pode ser útil, e quando ele falou que tinha a intenção de trair o Alexandre, que tinha a intenção de se livra dele, eu vi como uma oportunidade de fazer eles se virarem contra e quem sabe, o Alexandre mesmo matar ele — Explico e vejo ele respirando fundo e se afastando um pouco — Eu sei que seria mais simples se não fizesse isso, que você tem seus meios, mas eu não quero ser relacionada a morte dele. Eu não amo aquele homem e não me preocupo mais com ele, estou preocupada comigo.

— Eu entendo — Ele responde sem qualquer emoção e fica em silêncio

Eu sinto uma ansiedade estranha correndo por dentro de mim, será que ele está bravo? Mas não faz sentido ser isso, o plano é tão ruim assim? Eu realmente espero que não, porque na minha mente me parecia uma boa ideia, mas ele ficando quieto assim me deixa muito apreensiva.

— Fala alguma coisa, por favor — Eu peço não aguentando esperar ele falar por conta própria.

— Eu não sei se isso daria certo, mas provavelmente provocaria um atrito entre eles, mas como esse vídeo chegaria no Alexandre? — Ele pergunta e eu fico em silêncio, acho que não pensei nisso.

Eu sento na cama pensativa e vejo ele se encostar na parede. O que poderia ser feito? Eu fecho os olhos, pensando no que poderia ser feito, minha mente borbulha de ideias, até que me vem uma nova ideia que me faz sorrir, acho que essa é ainda melhor.

— Eu tive uma nova ideia — Eu falo animada e ele me olha esperando que eu fale — Não vamos mandar esse video para o Drogo, vamos editar ele bem editado para que eu não apareça no vídeo ou as partes que ele me chama de filha e vamos colocar só as coisas que ele falou, vamos postar o video na internet por todos os meios possíveis, e depois deixar a bomba estourar.

Anatomia do Caos - MorroOnde histórias criam vida. Descubra agora