Capítulo 59

475 55 5
                                    

Vanessa Aguiar

Ela estaciona o carro na garagem e eu saio do veículo respirando fundo, espero que eles tenham pedido comida porque eu estou faminta. Para ser sincera, não sei se eu estou mais curiosa com o que a Lúcia vai falar com todo mundo ou se eu só quero comer logo. Passei o dia todo sem colocar nada para dentro, e agora que as coisas já se ajustaram, sinto que eu posso comer sem passar mal e colocar tudo para fora de puro nervosismo.

Sigo a Lúcia para dentro da casa, e quando passamos a porta posso ver a Laura sentada em um sofá abraçada com o Gota, ela está com uma roupa diferente, e a Manuela, que está sentada na poltrona também, olho ao redor e não vejo o Elfo, por alguma razão estranha, isso faz com que eu sinta uma aflição estranha dentro do peito.

— Finalmente vocês chegaram! — A Laura exclama ficando de pé no momento que nos vê.

— Como foi lá? — A Manuela pergunta, largando o celular na mesa de centro.

— Foi bem, eu acho — Falo e a Lúcia concorda com um aceno — Agora eu tenho uma medida protetiva.

— Não acho que isso seja algo muito útil, mas pelo menos já é alguma coisa — A Manuela responde dando de ombros, e o pior é que eu concordo com ela — O que mais que aconteceu?

— Ele vai ser processado por abuso de autoridade, já que fez isso dentro de uma delegacia, e por agressão física — Respondo e respiro fundo — Eu não tenho nenhuma prova de quando vivia lá com eles.

— Ninguém que possa testemunhar ao seu favor? — A Laura pergunta e eu nego.

— Eu pensei em falar com a governanta, mas mudei de ideia, porque sei que se ela fizer algo assim a represália contra ela vai ser muito grande — Explico e me sento em um dos sofás — Ela sempre foi muito boa, não tem que ficar no meio do fogo cruzado dessa forma, então prefiro preservar a imagem dela e não a envolver.

— Isso é muito legal e burro da sua parte — A Manuela diz e eu olho para ela indignada. — É legal que esteja se preocupando com ela, de verdade, mas também não está pensando em você.

— Existem outras formas de lidar com isso — O Gota sugere tranquilo, e a Lúcia lança um olhar o repreendendo.

— Onde o Murilo está? — A Lúcia pergunta olhando ao redor — Fui bem clara ao dizer que queria todos aqui.

Murilo, esse é o nome do Elfo, ainda não acredito que estou escutando o nome dele pela segunda pela boca da Lúcia, sinceramente, até acho que esse nome combina com ele. Me pergunto o que ele está achando de ser chamado pelo nome assim, até hoje não tinha visto ninguém o chamar pelo nome. Depois, quando estivermos sozinhos vou fazer questão de provocar ele um pouco sobre isso.

— Eu ficaria agradecido se me chamasse por como eu quero ser chamado — Escuto a voz do Elf... não, do Murilo, e me viro, vendo ele entrar pela porta que dá para a área da piscina.

— Elfo? Esse nome é ridículo — Ela diz dando de ombros — Também não vou chamar o Gabriel de Gota.

Eu rio baixo e ignoro os olhares que recebo, mas é divertido o fato de que no mesmo dia, pela mesma pessoa, eu finalmente fiquei sabendo o nome dos dois. Se a Lúcia continuar falando assim daqui a pouco sei o nome completo, a ficha criminal e o passado de todo mundo.

— Sem estresse, mantenham a calma — a Manuela fala se levantando — Por que quis todo mundo aqui?

— Acho que estamos precisando conversar — Ela fala séria e olha para o Gota — Por quanto tempo achou que ia namorar a minha filha sem vir aqui? Está achando que isso aqui é bagunça? — Ela se vira para o Elfo — E você? Acha que não tem ninguém pela Vanessa?

Anatomia do Caos - MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora