Capítulo 22

3.1K 337 44
                                    



Vanessa Aguiar

Entro em casa em passos lentos, minha mão está gelada enquanto meu coração está acelerado. Talvez eu infarte agora mesmo, mas se não for assim que eu for morrer com certeza será pela minha mãe, que está com uma cara horrível, fechada, mas ainda com traço de raiva. Ela está realmente muito brava.

— Senta no sofá e me escuta calada, entendeu? — Ela manda e eu respiro fundo fazendo o que mandou.

— Entendi — Respondo receosa, tenho certeza que vem bomba.

— Você foi na favela? Subiu o morro? Entrou em carro de bandido? Não se envergonha de tudo isso? Foi essa a educação que eu te dei, Vanessa? — Ela questiona com tom de decepção e eu fico em silêncio — Eu não sei nem mesmo o que fazer diante dessa situação. Eu estou tão envergonhada e irritada.

— A gente só foi a uma festa — Tento justificar, mas ela parece ficar ainda mais irritada.

— Na favela! — Ela exclama como se isso fosse o maior dos absurdos — Junto com aquela gente imunda, bandido, fedido, não deveria agir. O que foi fazer lá? Tá querendo bancar a rebelde agora?

— Eu não estou querendo nada, só fui por curiosidade e...

— E nada, chega! Chega, Vanessa! — Ela grita e eu suspiro derrotada — Eu mandei você ficar calada, eu ainda nem sei se devo contar isso para o seu pai, porque ele ficaria completamente furioso.

— A senhora não pode falar sobre isso com ele — Falo quase desesperada — Ele vai me matar!

— Você precisa aprender a pensar nas consequências dos seus atos antes de fazer eles — Ela rebate e eu sinto um medo enorme me consumindo — Ele não vai te matar, ele vai te corrigir como deve ser.

— Mãe, ele vai me bater, muito, não pode fazer isso comigo — Imploro, porque eu sei como vai ser horrivel se o meu pai ver as fotos, e se tudo o que o Elfo falou for verdade, eu não sei o que vai ser de mim — A senhora tem que agir como uma mãe de verdade pelo menos uma vez na vida e me proteger.

— Eu estou agindo como sua mãe desde que você nasceu, porque é isso que eu sou, Vanessa, eu sou a sua mãe, e por isso faço o que for necessário para que você fique bem e aprenda o caminho certo — Ela fala em um tom baixo, como se estivesse sendo apenas incompreendida — Eu te dou tudo o que quer, cuido de você, te amo e te protejo, mas ainda assim você insiste em fazer tudo errado, não sei aonde eu errei, mas eu quero consertar isso.

— O que a senhora quer dizer com "consertar isso"? — Pergunto já sentindo um estado de pânico me invadir.

— Eu errei muito com a Carol, não vou deixar que seja igual com você — O jeito com o qual ela fala, me faz estremecer, ela tem um olhar vazio e distante, como se estivesse planejando algo — Eu vou fazer você passar a se comportar como uma mulher decente, da alta sociedade brasileira, e por isso seu pai tem que estar ciente.

— Mãe, o que a senhora está planejando fazer? — Questiono completamente assustada e nervosa.

— Eu vou ter que fazer uma limpeza em você, um tempo de purificação — Ela explica com uma voz suave e completamente assustadora, quase maníaca — Eu vou ligar para que o Roberto venha mais cedo hoje.

— Se eu morrer, a culpa será completamente da senhora — Eu grito ficando de pé — Pensando bem, eu to indo embora, não vou ficar aqui para ver o que a senhora está planejando.

— Você não vai para lugar nenhum! — Ela fala alto e segura o meu braço me puxando para trás, então me empurra para que eu volte para o sofá, eu até conseguiria escapar das mãos dela, mas acho que poderia acabar machucando-a no processo e por isso apenas fico no lugar — É por isso que você precisa de um tempo para pensar e agir melhor, é por isso que eu vou ter que fazer o que eu vou fazer!

Anatomia do Caos - MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora