Capítulo 67

419 37 0
                                    


Vanessa Aguiar

A televisão ligada só está nos deixando mais angustiadas porque não está tendo nenhuma notícia, talvez ainda não tenha começado, talvez não estejam noticiando, e tudo que eu queria era uma notícia para ter um pouco de paz, se bem que dependendo da notícia, paz é algo que eu não vou ter.

— O que você está planejando fazer? — A Manuela pergunta atraindo a minha atenção — Você ainda tem que me explicar os detalhes do que comentou mais cedo.

— Eu já estava esquecendo disso — Falo passando a mão no cabelo, acho que estou apreensiva demais — Eu tenho uma gravação do Roberto dizendo que iria trair e matar o Drogo, daquele dia da delegacia, mas eu preciso editar ele e vou postar na internet, mas estou começando a repensar se isso seria inteligente de se fazer hoje.

— E como você usaria isso? — A Laura pergunta confusa e eu olho para o Ninja mexendo no celular em uma poltrona.

— Ninja, eu preferia que você não participasse dessa conversa — eu falo olhando para ele que logo me olha de volta — Juro que não é nada pessoal.

— tudo bem, eu posso ficar ali perto da piscina — Ele responde enquanto se levanta.

— Se precisar de alguma coisa, qualquer coisa, pode pedir a qualquer funcionário da casa — A Laura fala simpática.

Não querer conversar perto dele não é sobre não confiar, até é, mas é que mesmo que eu saiba que ele é alguém em quem o Elfo confia, não significa que eu tenha que confiar também, ainda mais quando se trata de um assunto como esse, é um plano para que o meu pai seja morto, definitivamente não é tipo de assunto que se divulga por aí.

— Pronto, agora você pode falar — A Laura diz sentando ao meu lado, já que estou no carpete da sala.

— A ideia é que essa gravação provoque o Drogo, mas de qualquer forma, mostra o quanto o Roberto é corrupto, e também abre portas para que outros inimigos dele façam algo, já que o principal suspeito seria o Drogo — Esclareço a minha ideia é elas me olham em silêncio por um momento.

Talvez seja uma loucura ou um tiro no pé. Eu sei que isso pode fazer de mim uma pessoa horrível, são muitas as possibilidades, mas eu não posso só deixar as coisas seguirem como estão seguindo, certo?

— Você acha que isso realmente funcionaria? — A Laura pergunta um pouco receosa.

— Eu não tenho ideia, é apenas uma possibilidade. — explico e ela parece respirar fundo.

— É o seu pai — A Laura fala e eu suspiro.

— Mas olha tudo o que eles está fazendo, tudo que ele já fez comigo, se ele simplesmente me esquecesse, mas a Eliza já deixou claro que vai até às últimas consequências, eu não sei o que fazer — falo exasperada, com um sentimento estranho no peito, não quero sentir culpa por querer a morte de alguém que me fez tão mal e que pretende continuar com isso — Qual seria a sua sugestão então?

— Arrumar provas sobre as coisas que ele fez e ele ser preso? — Ela diz, mas fica parecendo uma pergunta.

— Eu acho que a Vanessa está certa sobre querer ele morto, o cara espancava ela, fez isso dentro da droga de uma delegacia, organizou uma invasão ao morro simplesmente porque queria pôr as mãos na filha que já deixou mais que claro que não quer de forma alguma voltar para casa — A Manuela fala me defendendo — Acha mesmo que vai ser uma investigação que vai resolver isso? Aqui no Brasil?

— Mas ainda assim, acho que ela pode não aguentar a culpa de fazer isso — A Laura se defende e me olha — Amiga, eu só quero que você pense mais um pouco antes de fazer algo assim, porque é o tipo de coisa que não tem como mais voltar atrás, sei que você sente raiva, mas eu te conheço a tempo suficiente para saber como você é de verdade.

Anatomia do Caos - MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora