A Escuridão da Ganância

1.8K 152 53

Escuto sons de "bip" tocando em sequência com diferença de poucos milésimos entre eles.Tento me mexer mas meus membros pesavam mais que o normal, até mesmo para abrir os meus olhos tive uma grande dificuldade.A princípio, não conseguia ver nada,apenas vultos pretos,mas com o tempo a minha visão foi se acostumando e já conseguia ver as cores um pouco embaçadas.Quando a minha visão foca finalmente,vejo o teto totalmente branco e procuro reconhecer o lugar olhando para os lados.Ao meu lado esquerdo tinha um sofá,e em cima dele estavam Natsu dormindo todo babado e minha mãe encolhida em um canto,aparentemente ela estava cochilando.Ele tinha olheras profundas em seu rosto e minha mãe estava com os olhos um pouco inchados e molhados.Acho que ela estava chorando a pouco tempo.Ela é muito sensível. Mas,o que faço nesse lugar?Olho para o meu lado direito e vejo máquinas que contam os meus batimentos cardíacos e controlam a minha respiração e pressão arterial.Tinha também um saco cheio de soro que era ligado à mim através da minha veia,que por sinal,pulsava em meu braço. E nesse momento também percebo que tinha um aparelho respiratório em meu rosto cujo nome eu não sabia.Ele respirava por mim praticamente.Olho pela janela que ficava perto do sofá e vejo um dia nublado com alguns pinguinhos de chuva.O ar-condicionado estava em 20°,uma temperatura aconchegante .Eu estava com um pouco de calor pois haviam em cima de mim 1 lençol e 1 Edredom.Eu estava com um pouco de dificuldade para falar,porém,consegui chamar por um deles.

-Ou.Psiu.-Falei um pouco baixo,mas funcionou para Natsu.Tá. Isso foi épico. Natsu normalmente não acorda nem que o mundo acabe ao lado dele.

Ele se levanta rapidamente do sofá e vem meio desnorteado.

-Ah!Lucy!-Ele vem correndo em minha direção todo sem jeito,esbarrou em uns aparelhos e bateu o pé na quina de um deles.Ele nem se queixou da dor,estava mais preocupado comigo.Ele praticamente se joga em cima de mim se esquecendo do meu estado.

Dou um gritinho de dor.Ele nem se incomoda. Parece que não me vê a anos.Eu não me lembrava do motivo de estar no hospital, e por isso logo perguntei mais detalhes com um pouco de esforço.

-Quantos dias fiquei sem consciência?-Pergunto.

-1 ano para euzinho aqui.Mas na real foram 15 dias.-Ele sorri quando termina a frase.

-É?Por que estou aqui?- Ele hesita por alguns segundos e responde rapidamente.

-Eu não sei os detalhes.Converse com sua mãe depois...-Ele tenta mudar de assunto.-Ah!O pessoal do colégio veio aqui e eles deixaram mil presentes.Quer abrir depois?-Balanço a cabeça em um sinal de sim.

Ele ainda me abraçava e o seu calor só fez eu me sentir pior.

-Hey...Natsu.Pode sair de cima de mim e tirar o lençol de cima de mim também?-Faço um biquinho.Ele faz o que peço e decide acordar a minha mãe.Eu realmente sentia falta dela.Até que me lembro de algo super importante que eu amava completamente.

-PLUE!!-Eu grito tão alto que a minha própria mãe se assusta e logo uma enfermeira entra correndo no quarto.Ela avisa que não posso ficar fazendo esforço e é bom que eu evite falar.Que droga.Ela retira o aparelho respiratório do meu rosto.

-Filha!Se acalme!Plue está bem!Eu quero saber é de você!-Ela cruza os braços e faz uma cara brava,porém não resiste e logo vem em minha direção e me abraça com cuidado, o inverso do Natsu...

-Estava com saudades mãe.-Beijo várias vezes a bochecha dela.Ela fica fazendo carinho na minha cabeça.

-Eh...Natsu,será que poderia me deixar à sós com a Lucy por alguns minutos?-Ela pede para ele.Natsu para a minha surpresa sai do quarto ,que era na verdade a CTI, sem reclamar.Ela se senta ao meu lado na maca.-Imagino que tenha milhões de perguntas, porém tenho que lhe falar algo importante e um tanto triste para você...

-Desembucha mãe.-Solto ela e me sento, deixando os meus braços cruzados,ficando um tanto séria.

-Imagino que você se lembre do tiroteio dentro do esconderijo de seu pai.Fiquei sabendo disso através de Natsu.-Ela está hesitante.

-Lembro.Por isso estou aqui...-Minha voz vacila um pouco.

-Seu pai,no meio desse tiroteio,acabou levando 2 tiros na cabeça, e infelizmente,ele não resistiu...- Ela nunca soube como contar essas coisas.Eu,apenas com esse "não resistiu" já entendo o recado.As lágrimas demoram a brotar e quando elas vêm,quase não dá para notar.Mas mesmo assim,eu ainda sentia um vazio em meu peito.

Minha mãe me abraça e beija a minha testa em um gesto carinhoso.Pelo menos dar afeto ela sabe...Retribui o abraço dela e comecei a chorar baixinho com a cabeça encostada em seu ombro.Ela sempre esteve comigo.Ficamos assim por pelo menos 30 minutos,até que ela resolve se deitar ao meu lado,ainda abraçada a mim.Ela conta histórias de quando eu era pequena e de como conheceu o meu pai.Segundo ela,ele já foi um homem gentil e amoroso e que ficou louco depois de ter feito sucesso em sua empresa.Ele caiu na escuridão da ganância.Ela avisa que vai tomar café e que vai deixar Natsu comigo.Desgrudo dela e fico observando-a sair lentamente do quarto.Natsu entra logo depois meio sério.Ele estava usando de novo aquele cachecol.De um mês para cá, ele se apegou bastante a este cachecol.Abro um sorriso fraco em sua direção, apesar do meu rosto vermelho e inchado,dando para notar facilmente que eu chorava a poucos minutos,ele abre um largo sorriso,um sorriso que só ele sabia dar.E esse gesto me deixou com ainda mais vontade apertá-lo.Eu também estava morrendo de saudades desse panaca.

-Hey...Como está?-Ele fecha a porta e se senta na ponta da maca.

-Bem mal.Pode me contar como vim parar aqui?Eu praticamente havia morrido... -Ele chegou mais perto de mim e me encarou por um tempo.Depois resolveu se explicar:

-Graças ao Plue,eu descobri onde você estava e chamei a Polícia. A polícia invadiu o local e foi que começou o tiroteio,apesar de ser proibido,eu decidi embarcar nessa com eles.E...E...E eu te encontrei deitada no chão cheia de sangue.Pensei que tivesse morrido,porém deicidi te trazer e você passou por uma cirurgia.A bala acertou em cheio no seu Rim,e você teve que tirar ele.Mas o problema piorou quando sua mãe avisou que quando criança,você teve Insuficiência Renal,e perdeu o outro Rim graças à isso.-Ele olhou para baixo.

-E como conseguiram o outro Rim?-Nesse momento,ele se levanta ,tira a camisa e se vira de costas para mim.Vejo a marca da cirurgia.-Natsu...-Fico sem reação, por que ele fez isso por mim?-NaNatsu...Eu...Eu...-Mais lágrimas saem dos meus olhos.-Eu te amo.Obrigada.-Falo entre soluços.

Ele vem em minha direção e eu o abraço. O abraço maia amoroso que eu já dei em toda a história da minha vida.Beijo ele várias vezes,e ele retribui em todas.A única coisa que nos separou foram os equipamentos médicos que nos limitavam.Ele ainda sentia pequenas dores e eu também. Nunca pensei que alguém pudesse fazer isso por mim.Me sinto invadida,enfim alguém roubou totalmente o meu coração.Mas,tem algo de estranho nesta história. Natsu me esconde algo em relação ao meu pai.E ele uma hora vai ter que me contar!

Meu rosado - Fairy TailLeia esta história GRATUITAMENTE!