Cap 11

32.4K 1.9K 183
                                    

🅡 I T A L I A N O
C O N T I N U A Ç Ã O C A P. 8
4 D I A S A T R Á S

Rato- Mas é a minha mãe italiano, eu já perdi a minha irmã e agora a minha mãe. Eu perdi a minha mãe...- Ele começa a soluçar e vejo as suas pernas fraquejarem, e quando ele vai cair eu o seguro e o pego no colo. Eu não tenho masculinidade frágil, além de que ele é só uma criança.

Italianos- Calma garoto, vem vamos para a minha casa, você precisa descansar.

[...]

Estamos sentados na mesa da sala de jantar, olhando uma para o outro em completo silêncio.

Italiano- Eai cara vai falar nada não?

Rato- Situação estranha parça.- Eu o olho confuso.- Eu trabalhava pra você, e agora tô na sua casa, comendo da sua comida, e eu chorei igual um fracote e você viu. É bastante humilhante.

Italiano- Compreensível. Mas chorar não é humilhante nem fala que você é fraco seu bocó, você só tava desabafando, chorar faz bem se ligo?- Falo na sinceridade.

Rato- Sabia que o meu nome é Luca?- Ele solta do nada.

Italiano- Sabia, eu recebo o teu boletim esqueceu?.- Ele solta uma leve risada.- O meu é Matteo.- Ele arregala os olhos.

Rato- Tu com essa cara de marginal com nome de playboy? Chocado.- Ele falou perplexo.

Italiano- Deixe o meu nome homi, e o teu que esqueceram de colocar o "S".

Rato- No seu também seu mané.

Italiano- É mesmo né.- Falo rindo.- Me conta sobre a sua vida cara.-
Do nada ele fica sério. O clima pesou, aí vem coisa.

Rato- A minha mãe era prostituta.- Caralho.- Eu fui completamente indesejado, eu nunca soube quem é o meu pai já que a minha mãe ficava com um atrás do outro, por causa disso a minha mãe me odiava, falava que eu estraguei o corpo dela e que agora ela não tinha mais clientes.- Ele respira fundo.- Ela era viciada, como você viu, ela vendia tudo que tinha em casa pra comprar droga, quando eu ficava com fome, no caso
todo dia, eu ia na casa de uma vizinha, mas ela faleceu, eu gostava muito dela, ela era bem legal.

Rato- Quando eu fiz quatro anos, a minha mãe engravidou da minha irmã, dessa vez ela sabia quem era o pai, mas ele não quis assumir, ela continuou usando droga mesmo grávida, quase teve um aborto, mas a minha irmã resistiu. Ela nasceu bem doente, prematura, com sopro no coração, e uma bagatela de coisa, como eu era mais velho a Lara ficou como minha responsabilidade, ela parou de trabalhar até eu completar sete anos, que de acordo com ela, eu já saberia me virar sozinho.

Rato- Eu cuidava da minha irmã, era literalmente uma criança cuidando de outra, mas eu até que gostava. Muitas vezes ela levava os amigos dela lá pra casa e deixava eles fazerem oque quiserem comigo, em troca de dinheiro, eu chorava muito mas ela nunca escurou porque tava muito chapada. Quando fiz 12 anos a minha irmã ficou muito doente aí foi descoberta a leucemia, e foi aí que eu entrei pra boca, e não sou um sem vergonha como falaram, foi tudo pra tentar ajudar em casa e com as coisas minha irmã.

Rato- Eu trabalhava, estudava e ia pro hospital ficar com ela, a minha mãe sempre roubava o meu dinheiro e eu não podia fazer muita coisa. A Lara foi muito forte, ela sofreu muito, mas finalmente teve o seu merecido descanso.- Ele fala entre soluços. Uma lágrima escapa dos meus olhos.

Italiano- Luca.- Ele me olha.- Qual o seu sonho?- Ele baixa a cabeça e pensa. Depois me reponde baixinho.

Rato- Saber oque é ser feliz.

Meu Morro Minha Vida Onde histórias criam vida. Descubra agora