Cap 6

34.6K 2.3K 254
                                    

🅡 M E L

Acordo com batidas no meu portão.
Mas quem nesse caralho que falar comigo uma hora dessas, quem quer falar comigo uma hora dessas... Suspeito.

Realmente um boa pergunta, vou em direção a porta e vejo o Henrique parado com um sorriso cansado.

Mel- Bom dia Henrique.- Desde que ele disse que eu sou mal educada eu nunca mais falei bom dia baixo, mas sendo sincera, a culpa não é minha se ele é surdo.

HK- Bom dia princesa.- Ele disse e eu não aguentei.

Mel- Por favor sente na glock, é automático foi mal.- Digo rindo, mas depois ficando séria.

HK- Caba eu gosto de tu.- Ele ri.- Mas enfim, o chefe pediu pra tu subir lá na sala dele.- Meu cu trancou, oque eu fiz? Eu pago tudo certinho, não falo com ninguém, nunca arrumei briga, eu só vou do trabalho pra casa de casa pro trabalho.- Fica calma ele só quer conversar com você.

Mel- Certo, só espera rapidinho que eu vou me trocar.- Digo com um fio de voz de tão nervosa.

[...]

??- Entra.- Escuto uma voz grossa dizer, eu estou tremendo igual vara verde de tão nervosa, e se eu ficar careca? Meu senhor amado, eu amo demais o meu cabelo pra isso.

HK- Opa chefe, aqui tá entregue.- Ele diz saindo da sala deixando apenas nos dois.
Deus mais uma vez segura em minha mão.

Ele está sentado em uma mesa grande com uma arma em cima da mesa, assim que ele vê que eu a vi, ele guarda.
O mesmo aponta para a cadeira em sua frente.

??- Pode sentar aí.- Ele falou algo que eu prontamente fiz.- Bom como deve saber eu sou o Italiano.

Rapaz, sabia não.

Mel- Muito prazer, eu me chamo Mel.- Falo baixinho, cara eu tô muito nervosa, oque é uma merda, porque corre o risco do meu leite vazar, já que eu esqueci A PORRA DO ABSORVENTE DE TETAS. Tem que ser muito burra, se fudê.

Italiano- Eu sei, bom eu quero saber sobre você, quando veio para cá e o porque, já que até semana passa eu não sabia da sua existência.- Ele me olha inclina a cabeça com um sorrisinho.

Mel- Bom eu não sou daqui, eu vim de Alagoas, eu não tenho pais eles faleceram quando eu tinha 14 anos, me mudei para cá com 15 e agora tenho 18, eu tenho dois empregos e é só.- Falo a verdade.

Italiano- Eu nunca te vi nos bailes, as meninas da sua idade gostam de curtir.

Mel- Eu não tenho uma vida considerada normal comparada com as das meninas da minha idade, eu trabalho, o único tempo livre que eu tenho eu descanso e estudo, alem de que eu não gosto de lugares muito cheios.

Italiano me analisa atentamente ainda com aquele sorriso no rosto. Medo do carai.

Italiano- Bom o seu aluguel é 300 agora beleza, já organizei e-
- Ele simplesmente travou, parou de falar.

Mel- Oque foi?- Pergunto confusa até que olho para onde ele estava olhando, meus seios estavam vazando, tipo muito, a minha blusa tava toda molhada e eu simplesmente não senti.- Que merda, me desculpe mas eu tenho ir.- Me levanto apressada mas ele me segura.

Italiano- Oque aconteceu? Porque a sua blusa tá assim? Você tá bem?- Ele falou tudo de uma vez, me lembrou o HK.

Mel- Por favor me solta, eu tô agoniada e preciso ir em casa tomar uma banho.- Digo quase chorando e ele me solta rapidamente com um olhar culposo.

Italiano- Me desculpe se te machuquei, eu te levo em casa aí você me explica oque é isso.- Apenas assenti. Que se lasque também.

Meu Morro Minha Vida Onde histórias criam vida. Descubra agora