Capitulo: Part 14

2 0 0

    Estavana casa da minha tia, por enquanto que o meu pai estava no trabalho resolvendoas coisas dele, estava com ela. A minha tinha Liza tem cabelos loiros ecumpridos, olhos azuis, camisa social azul escuro, usava também uma calçajeans. Aminha tia Liza estava sentada, tomando um cafezinho, ela estava do lado dorevolver dela, como ela sabia da minha situação, não queria arriscar de nenhum maníacoentrar na casa dela, me sinto segura nessa casa. Só que um coisa que estava me incomodando, sei que a minha tia era umaparceira do meu pai, que não está falando muito com ele, queria e muito saberqual era esse mistério todo. 

   - Você se importa seeu te fizer uma pergunta tia?

   -O que foi? - Disse a Liza.

   - Sei que você foi uma parceira do meu pai,certo? 

   - Nisso você está certa.

   - Você era amiga dele? 

   - Amiga? 

   - Sim.

    -Você claramente não conhece como era o seu pai.

   Fico imaginando como era o meu pai que ela me descreve, o meu pai queconheço hoje, parece que não se importa em ter uma amizade, por isso quando elafalou isso achei um pouco estranho. 

   - O quevocê quer dizer com isso? - Disse para a minha Tia. 

   - É que o seu pai não é um santo como vocêpensa que ele é.

   -Do que você está falando?

   - Seu pai odiava amizades e relacionamento. 

   Estranhoela falar isso, odiar relacionamento, sabia que ele tinha mudado ocomportamento, por que se não eu não existiria, então por pura curiosidade, continueia fazer mais perguntas.

   - Como assim, meu pai odiava relacionamento e amizade?

   -Você está fazendo perguntas demais. 

   - É que eu quero saber.

   - Você quer saber?

   -Sim.

   Derepente a minha tia dar uma risada, não estou entendo muito que ela estátentando provocar com essa risada, queria poder simplesmente ignorar isso, masnão seria uma coisa muito fácil de fazer, então perguntei para ela.

   - Do que você está rindo?

   - É que eu sei pelo menos de que lado, da famíliavocê puxou, claramente foi do seu pai.

   - Isso é uma coisa boa. 

   - Bem o seu pai é o melhor detetive queconheço. 

   - Você respeita o meu pai?

   - Sim. 

   Essascoisa que ela falou não batia, por que ela está separada da minha família, meupai não a odeia, então é algo por parte dela, isso era uma coisa que estava me incomodandoe muito.

   - Por que o meupai odiava relacionamento? - Perguntei para ela.

    - Se você não sabe, eu é que nãodevia te contar.

   - Me diga o que houve?

   - Não posso falar nada.

    -Vamos, por favor.

Segredos sinistroLeia esta história GRATUITAMENTE!