Capitulo: Part 13

2 0 0

  Os dois policais saíram da minha casa, o que era uma sorte minha que eu não estou preso ainda, a pior parte é que o Marcelo fazia parte do meu álibi, só tomara que ele vá falar com a policia, para pelo menos tentar tirar as policia das minhas costas, então eu escuto alguém bater na porta.

   - Quem é? - Perguntei para a pessoa. 

   - Sou eu Marcelo, certo já vou abrir a porta.

   Falando no diabo, finalmente ele apareceu se não me ajudar nesse juro que irei matar irei dar as facadas na barriga dele e irei ver esse desgraçado pagar por tudo que ele me fez, apesar com estes pensamento estava tentando me acalmar, simplesmente abrir a porta.

   - Ia cara como está? - Disse ele.

   - Não estou nada bem. 

   - Sério porquê? 

   - Porque um dos policiais está me acusando de assassinato e ele notou que eu tentei desaparecer com uma das evidencias. 

   - Eu não entendo por que você, não está você sabe preso.

   - Provavelmente eles não acham que foi você.

   - Um policial dava para notar que estava em duvida, mas um deles tinha total certeza sobre o meu envolvimento nisso tudo. 

   - Que barra. 

   A coisa que me deixa com mais raiva é o fato de que eu estou uma pilha de nervos e ele está relaxado numa boa, como se alguém fosse me prender eu não acusaria ele do cara que executou o crime, mas seria a primeira coisa que eu faria.

   - Eu não entendo por que você está calmo - Disse isso para ele. 

   - Eu não entendo você.

   - Do que você está falando?

   - Por um momento você altamente a favor da onda de assassinatos e na outra, você tem que decidir o que você quer. 

   - Eu quero como você falou castigar todas as pessoas más desse mundo. 

   - Então por que fica reclamando disso.

   - Quero continuar com isso, só que uma coisa eu quero está fora da cadeia quando isso acontecer, você me entendeu. 

   - Alto e claro.

   Uma coisa que ele me falou, que antes eu não estava escutando, mas agora que ele falou que fico entre a cruz e a espada, devia partir para um lado sem olhar para trás, é como se tivesse duas pessoas na minha cabeça, um lado fica sendo o mais forte, só que o lado fraco ainda batalha bastante. 

   - Então você vai finalmente aceitar tudo? - Disse o Marcelo. 

   - Sim, eu vou aceitar tudo.

   - Sem nenhuma preocupação. 

   - Sem nenhuma. 

   - Ok, vai lavar a cabeça para se acalmar.

   Fiz exatamente como ele diz fui para o banheiro tentando resfriar a minha cabeça, quando olhei para o espelho vi no reflexo que estava chorando sangue, com susto andei para trás, o que pode ser isso, então me levantei e estava procurando o Marcelo, então como estava muito apavorado fui diretamente para o sofá. 

   - O que está acontecendo? - Disse para a mim mesmo. 

   - O que foi cara?- Disse o Marcelo.

   - Onde você estava? -Gritei com ele - Em?

   - Calma cara.

   - Não me peça para me acalmar.

Segredos sinistroLeia esta história GRATUITAMENTE!