Capítulo: Part 21

2 0 0

  Eu quase foi morto por uma pessoa que estava armada, por sorte eu e Paulo sairmos dessa situação, mas estava vendo os dois indo de moto, indo à contra- mão então não queria perder muito tempo, vi que na calçada não tinha ninguém.

  - O que foi isso Felipe? – Disse o Paulo.

  - Eu não sei ainda.

  Fui passando pela calçada o sinal ainda estava fechado, mas não poderia perder tempo fui indo acelerado, fui com toda a direção para a direita, quase bate em um carro, o Paulo não estava entendo nada a situação.

  - O que está havendo? – Disse o Paulo.

  - O que você acha que está havendo.

  - Honestamente eu não sei.

  Enquanto estava acelerado, uma pessoa estava dobrando e não tinha ligado a sinaleira, por ele não ter feito isso quase bate o carro, queria brigar com ele, mas sabia que este não seria o momento para fazer este tipo de coisa.

  - Isto Paulo é uma perseguição.

  - Conseguiu ver quem estava atirando?

- Não conseguir ver os rostos, mas sei por onde eles estão andando.

- Por onde, na contra mão.

  Vi o caminho para a direito o sinal por meu azar estava vermelho, mas não podia perder uma chance dessas, fui com tudo para a direita, quase bati o carro, dava para ouvir a pessoa atrás buzinando reclamando.

  - Você pode fazer isso quando eu não estou no carro – Disse o Paulo.

  - Eu faria isso com muito prazer.

  Estava indo com toda a velocidade, me desviando de cada carro e ônibus que passava, cada passada de rua dava uma olhada rápida para direita, para ver se eu conseguia ver a moto deles, até agora era uma coisa que eu não estava vendo.

  - Nós estávamos em uma perseguição, não posso simplesmente para o carro porque você ficou desconfortável – Falei isso para ele.

  - Não se preocupe que eu entendo.

  - Essa pode ser a nossa única chance de entender tudo.

  - Entendo.

  Quando dou uma olhada para a direita consigo ver a moto deles, então viro um carro para a direita, um carro bate na traseira, fico tentando controlar a situação, por sorte o meu carro não perdeu o controle e continuo a perseguição.

  - Mas que merda – Disse o Paulo.

  - O que foi?

  - Dá para você não bater o carro.

  - Desculpe não posso fazer este tipo de promessa.

  - Acho que você pode.

  - Eu não posso fazer isso por um motivo.

  - E qual seria isso?

  - Os suspeitos estão de moto, isso quer dizer que vou ter que bater o meu carro deles.

  - Ok.

  Ainda estava na perseguição deles, vejo que a mulher da moto, notou que a gente estava na cola deles, daí ela ficou atirando na nossa direção, ficava indo para o carro para a direita e para a esquerda, eu ficava olhando para o Paulo.

  - Ual como eu queria que tivesse um policial do meu lado! – Disse isso para o Paulo.

  - O que foi?

Segredos sinistroLeia esta história GRATUITAMENTE!