Capitulo: Part 9

2 0 0

  Daniel estava comendo em um restaurante a cabeça dele estava a mil, pela acusação de assassinato, uma coisa que ele estava preocupado será que a vida dele acabou nunca mais ele vai poder ir a eventos, não até essa acusação de assassinato desaparecer, então ele saiu do restaurante, estava andando na rua, e viu uma garota bonita, com vestido vermelho, cabelo loiro, olhos azuis.

   - Você é o Daniel Rochers?- Disse a Garota. 

   - Eu sou uma grande fã sua.

   - Que legal. 

   - Me diga é verdade, esta acusação de assassinato. 

   - Não, eu posso jurar que não é verdade.

   - Ok. Então pode vim comigo. 

   - Certo.

   Ele não podia acreditar na sorte que ele estava tendo, ficou pensando que só pode está sonhando, uma mulher linda como ela simplesmente pedindo para sair com ele, isso só significava que a maré de azar dele estava chegando ao fim. Ela estava levando ele para a floresta.

   - Então você está pronto. 

    - Não se preocupe eu estou pronto.

   - Só que eu não falei com você. 

   - Então com quem? 

    Um cara de cabelos pretos, olhos castanhos, calças jeans camisa preta coloca uma faca no pescoço do Daniel, imediatamente o Daniel, sábia que tudo estava bom demais para ser verdade.

   - Então o que você iria fazer com a minha irmã? - Disse o homem com a faca. 

   - Eu juro que não iria fazer nada. 

   - Você acha que eu acredito em você?

   - Sim, confie em mim, se você quer meu dinheiro pode pegar. 

   - A gente não quer o seu dinheiro. 

   Uma coisa que eu não podia acreditar é que eu iria ser assassinado, bem como dizem" carma é uma filha da pauta" não podia fazer nada, alem de aceitar o meu destino, eles vão me matar e não havia nada que eu podia fazer.

   - Você pode ficar calmo, a gente não vai te matar - Disse o irmão. 

   - É eu sou muito de me acalmar quando colocam uma faca no meu pescoço.

   - Como a minha irmã falou nós somos seus fãs. 

   - Estou vendo claramente que vocês são meus fãs. 

   Uma coisa inesperada aconteceu o irmão dela de repente se afastou de mim, estava com a faca para o alto com o sinal de que ele não iria me atacar, por um momento estava calmo, mas não fiquei totalmente calmo porque ainda não sei a real intenção deles, o que eles queriam comigo, isso estava desesperado para saber. 

   - Me diga você realmente cometeu assassinato? - Disse a irmã. 

   - O que vocês querem que eu diga. 

   - Vamos lá nós sabermos que você cometeu.

   - Você me viu cometendo assassinato. 

   - Na verdade a gente não viu. 

   - Então como vocês sabem? 

   - Vamos diga a verdade, eu e o meu irmão estaremos do seu lado.

   - Vocês estão querendo que eu diga que eu cometi o assassinato. 

   - Como vou saber que vocês não são policiais. 

Segredos sinistroLeia esta história GRATUITAMENTE!