Célia acha a pequena Biblioteca

712 107 4
                                                  

Célia aproveita que Jacob está fora de casa, saiu apenas duas vezes daquele palacete para comprar alimento para o gato e depois para leva-lo ao veterinário, o restante dos dias ficou ali, seus seios já estavam desinchados e não precisava mais usar o sutiã cirúrgico, seus cabelos agora recebiam tratamento para ficarem cacheados sempre, suas unhas estavam sempre bem feitas e era tratada como uma rainha, não precisava se preocupar com nada, mas muitas vezes se via desesperada em seu quarto chamando por Jimmy, só não pronunciava o nome de Yan por medo de Jacob ouvir e mandar executa-lo, mas a dor que sentia pela falta do filho era enorme. Ela caminha pelo corredor e vai até a porta de vitral e entra, outro corredor é revelado e ela caminha entre ele, abre a primeira porta a sua direita, era um banheiro apenas e fecha a porta e abre a próxima a sua esquerda depois de dar alguns passos e se espanta com o tamanho da biblioteca que existe e entra, deixando a porta aberta, uma mesa de escritório muito bem arrumada e com um notebook sobre ela, Célia passa a mão nele, mas não ousa abrir e nem ligar, não era o momento para isso, queria a confiança dotal de Jacob e voltou sua atenção para os livros e puxou a pequena escada corrediça e subiu até o terceiro degrau e olhou os exemplares em inglês e correu os dedos em seus títulos, queria ver um bom para ler, seria uma ótima distração, já que nevava muito naquele local e não se podia aproveitar o jardim.

_ O que faz aí?!... _ Jacob entra como um furacão e vai até ela, mas olha o notebook sobre a mesa e seu rosto fica transformado e irritado.

Célia age normalmente.

_ Por que não me disse que tinha uma biblioteca particular?... Amo ler!... _ Ela puxa um livro e desce e sorri.

_ Há quanto tempo está aqui nesta sala?... _ Ele bate o dedo na mesa nervosamente.

_ Tem uns cinco minutos eu acho!... _ Ela folheia o livro.

_ Ligou o notebook?... _ Sua voz provoca tensão.

_ Não!... E para que ligaria?... Só me provocaria dor e revolta... Melhor deixa-lo desligado!... _ Ela o encara. _ Se tem duvidas, por que não liga você mesmo e verifique o histórico... Não vou provoca-lo Jacob se é o que está pensando!!!... Quero apenas ler!... Esse direito eu tenho?

_ Tem!... _Ele não está convencido, mas a tira de dentro da sala.

Célia escuta um choramingo vindo do final do corredor e da um passo para ir ver o que é, mas Jacob segura seu braço e a impede.

_ É uma janela com problema, vou mandar arrumar!

_ Me deixa conhecer a casa!... Você disse que ela é minha!... _ Célia o encara.

_ Tudo tem seu tempo!... _ Ele a leva para fora e fecha a porta de vitral e tranca.

_ E se eu não gostar do livro e quiser trocar?

_ Me diga que eu vou com você até a sala e você escolhe outro!

_Você parece nervoso!?... _ Ela o olha, mas o segue pelo corredor dos quartos e ele Poe Célia para dentro do quarto e fecha a porta e Poe à mão na cintura e a olha por um instante.

_ O que foi?... Você está me preocupando!?... _ Célia da um passo para traz e ele da um em sua direção, Célia se apavora, seu rosto novamente ganhou as duas linhas no cenho e ela se virou para tentar sair fora, mas ele a agarrou e jogou no chão e montou sobre ela e pegou a arma e apontou para sua cabeça.

_ Mexeu no notebook?!... Diz a verdade!... _ Ele ofega.

_ Não!... Não quero ver você ameaçando novamente minha família, eu aceitei em ser Berguzar e a conviver com você... Esse foi o acordo e eu estou cumprindo!... _ Ela ofega de medo. _ Chame um técnico de informática e peça para ver o histórico do PC.

_ Existem muitas formas de se apagar o histórico apenas do que foi visitado!... Diz a verdade!... _ Ele encosta a arma em sua cabeça.

_ Estou contando a verdade!... Eu nem sei que programa está rodando naquela maquina e qual é a linguagem!... _ Ela começa a chorar. _ Jacob!... Por favor?... Acredite em mim meu amor!... Eu só queria explorar a casa e achei que seria uma boa ter um livro para ler... Não achei que ficaria tão nervoso com isso! _ Célia segura sua mão que segurava a arma em sua testa com carinho e diz. _ Faz amor comigo?... Aqui e agora, no chão!


Célia (Volume 2)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora