Yan não consegue ficar longe

637 105 9
                                                  

O final de semana passa rápido, Sammy conversou com Yan e pediu várias vezes para não procurar por Beguzar, logo ela estaria indo embora, era para deixa-la em paz, ficou arrasado, mas atendeu ao pedido dos dois, trabalhou a semana inteira preso ao rosto de Beguzar, se sentia angustiado e temeroso com sua partida, não queria que fosse embora e na sexta não aguentando mais foi ao hotel, entrou pela cozinha e deu um trocado para o garçom, queria ir ao quarto de Beguzar, o rapaz lhe deu um uniforme de garçom e quando Beguzar fez o pedido, subiu para lhe entregar o jantar.

Célia está vestida apenas com camisola e Hobby e abre a porta falando ao celular, mas não olha para quem entra e pede para colocar próximo da cama, falava em turco e anda muito pelo quarto, Yan sem jeito leva o carrinho até próximo há cama e vê uma langerie linda de renda branca sobre a cama, era nova, dava para se ver a etiqueta e se sentiu atraído, Célia desliga o celular e percebe que o rapaz olhava para a cama.

- Retire-se imediatamente!... – Diz ela brava.

Yan a olhou e antes que ela gritasse, ele caminhou apressadamente e a agarrando e tapando sua boca, Célia lutou para ele a largar que a segurou firme.

- Não quero te machucar Beguzar... Apenas quero ver você mais uma vez!... Só mais uma vez!... Por favor?... Me de esse direito!... - Ele funga em seu ouvido e ela percebe sua emoção, para de se debater. - Eu vou soltar!... Mas não grite!

Célia balança a cabeça que entendeu, mas teria que fazer uma sena, Yan afrouxa os braços e a solta devagar e ela corre para o carrinho e pega a faca e aponta para ele.

- O que quer de mim?... – Ela ofega.

- Eu só quero te ver mais uma vez!... Sei que vai embora semana que vem... Precisava te ver!... - Ele vai até ela, não tinha medo, sabia que não iria machuca-lo.

- Não se aproxime!... - Diz ela indo para traz e esbarra na cama, mas mantém a mão firme.

- Me deixe abraça-la!... Por favor?

Yan sente uma emoção enorme e Célia abaixa a mão que segurava a faca e ele a abraça pela cintura e beija seu ombro e desaba a chorar, Célia que mantinha os braços soltos não resiste e o abraça apreensiva deixando a faca cair ao chão e roça às palmas das mãos em suas costas.

- Shhhhhhhhhh!...Está tudo bem!... - Diz ela em um sussurro rouco.

- Sua voz ficou mais rouca ainda depois que aquele canalha apertou!... - Ele a olha, mas não a larga. - fique aqui?... Não viagem?!... Diga que foi impedida de viajar!?

- Eu não posso ficar aqui?... - Ela suspira. - Tenho negócios por lá.

Yan não resiste e passa a mão em sua nuca carinhosamente a beija, Célia também não resiste e a chama do amor entre os dois e acessa e Célia chora ao relembrar de seu casamento e do quanto o amava e como era bom estar naqueles braços e se sentir segura, os dois param de se beijar e choram grudados um no outro e ele diz baixinho.

- Volta para mim!... Eu não estou aguentando mais viver sem você!... Me aceite!... Fuja comigo!... Me deixe cuidar de você!?... - Ele chora e beija seu rosto.

- Eu sou casada com um homem perigoso!... Jamais vai me deixar em paz!... - Ela funga e segura seu rosto em lágrimas e o faz olhar para ela. - Me desculpe!... Mas você está achando que eu sou sua esposa que faleceu... E eu não sou!... Sou a filha do homem que prejudicou sua vida... Esposa do Homem que lhe tirou sua esposa e destruiu sua família, e não vai conseguir conviver com isso!

- Você não é como eles Beguzar!... Quer sair fora deste mundo ingrato e sei que odeia seu marido, só o suporta por que está grávida... Fique!... Fique comigo!...Me deixe te amar!... - Ele a deita na cama e ficam se olhando, ele passa a mão em sua barriga e a bebê pula e ele sorri. - Que momento mágico!... Filhos!...

- Sim!... Eu estou amando essa fase!... - Célia volta a chorar.

Yan a puxa para seu peito e a consola e a embala como fazia com Célia.

- Não posso por sua vida em risco Sr. Butler!

- Me chame de Yan!... Ou Patrick!... – Ele sorri.

- Por que Patrick?... - Diz ela como se não soubesse.

- Foi meu nome quando fugi de seu pai e de seu marido, Célia só me chamava assim mesmo depois que... Eles foram presos!

- Hum!... - Ela sorri.

Yan puxa seu queixo e a beija novamente e passa a mão em seu corpo e desce para sua cintura, os beijos se tornam intensos e Célia se entrega totalmente a ele que se senta sobre ela, tirando o Hobby e a camisola, Yan contempla aquele corpo e aquela barriga de grávida e acaricia sua barriga, Célia se inclina e novamente o beija com vontade, sua língua invade sua boca e os dois gemem de prazer, Yan a abraça e desliza as mãos em suas costas e percebe que a pele era grossa, mas não liga, ele a gira e a Poe deitada na cama e se levanta e tira a roupa, Célia está apenas de calcinha e ele a tira assim que fica nu e sobe na cama e de joelhos e entre suas pernas ele a suga e Célia vai ao delírio sentindo sua boca quente e ofega e enterra seus dedos em seus cabelos e os puxa, Yan para ao sentir seus cabelos sendo puxados, Célia fazia a mesma coisa que ela e se ergue na cama e a olha desconfiado, ela o olha ofegante.

- Tudo bem se não quiser!... Eu... Eu entendo!... - Diz ela puxando a camisola.

- Não!... - Ele sobe sobre ela e fica de joelhos e cotovelos apoiados na cama, não fazia pressão em seu corpo para não machucar o bebê e passa a mão em seu rosto e voltam a se beijar.

- Você é tão linda!... Seria capaz de te sequestrar e leva-la comigo!

- Só me ame Sr. Butler!... Só quero que me ame por hora!... - Diz ela passando a mão carinhosamente em seu rosto.

Yan a penetra sem esforço e Célia ao sentir ser preenchida joga o corpo para traz e geme.

- Ahhhhhhhhhhh!... Ahhhhhhhhhhhhh!... - E se agarra em seus ombros.

- Ah Beguzar!... Eu amo você!... Fique em Nova York!?... Não vá!?... - Diz ele investindo dentro dela.

- Só me ame!... Ahhhhhhhhhhhhh!... - Célia se agarra em seus braços e as lágrimas voltam a rolar, o amava tanto, como pode ter se esquecido de ama-lo, como pode ter transferido seu amor para Jacob!?... E chora.

Yan fecha os olhos, era como estar com Célia nos braços e acelera e os dois gemem e choram juntos e se amam loucamente, ele sente que ela o aperta e ela arfa entre lágrimas e ele goza ao sentir que o apertava ainda mais e se esvai por completo dentro dela, segura em seus cabelos e a beija com paixão, parecia o ultimo beijo entre eles e sai de dentro dela e a puxa para ficarem abraçados e se enroscam no edredom.

- Quando vai viajar Beguzar?

- Quarta!... Às dez da manhã!

- Sei que tem médico na terça!... Fique!?... Aqui conseguimos te proteger!... Ele não vai voltar, não é louco arriscar a pele dele!

- Se eu não voltar ele vai desconfiar!... Ele sabe que estou bem, ele tem informantes!

- E quando volta!?... Não vou conseguir ficar muito tempo sem você!

- Sem previsão!... Não faço ideia!... Posso demorar uma semana como posso demorar... Até Nilufer nascer!

- Nilufer!... Gosto deste nome!... -ele acaricia suas costas. - É bonito e delicado!

- Significa planta que cresce em lagoa, pode também ser uma flor branca!... - Ela sorri.

Os dois permanecem calados e Célia pela primeira vez depois que se tornou Beguzar dormiu relaxada e sem medo, Yan a ajeitou na cama e ficou olhando seu rosto e seus cabelos ondulados e pôs a mão em sua barriga e Célia disse em turco.

- Como pude me esquecer e você!... Amo tanto você!... Amo muito!...- E se ajeita na cama e segura sua mão que estava apoiada em sua barriga.

- Não faço ideia do que falou, mas deve ser muito bom!... - Yan se inclinou e beijou seu rosto e Célia sorriu com aquele carinho e se aninhou em seu peito.


Célia (Volume 2)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora