Jacob não pode ir atrás de Célia

621 94 0
                                                  

Jacob anda de um lado para o outro, por que não veio direto para casa, por que foi direto para a casa do pai, tinha prometido que nunca mais pisaria lá? Se sentia acuado, pois três seguranças o seguia pela casa e não podia sair e se trancou no quarto de Beguzar e se jogou na cama, tinha medo de Célia descobrir mais coisas sobre ele através de Sandy que era uma cobra criada e vingativa e jurou que um dia contaria tudo para Beguzar e entrou em estado de pânico, não podia perder aquela mulher, e se lembrou de Beguzar aos dezesseis anos levando sua primeira surra dependurada no prostíbulo e seus dias lá presa com outras mulheres e ele aproveitou todos os dias de seu corpo e sua relutância em o amar e tampou o rosto com as mãos, se odiava por isso, pois os dois se amavam e a primeira vez que fez amor com ela foi lindo e mágico e sonhava em se casar com ela, deveria ter enfrentado Keren e não ter tocado nela daquele jeito, e depois leva-la para tirar o filho, isso desencadeou um ódio dentro dela que não temia a mais ninguém daquela casa, ficando afastada, morando nos Estados Unidos para abafar o escândalo sobre o sumiço do namorado, até que seis meses depois, a acha na Geórgia e a traz de volta e se casou com ela e sua vida se transformou em um inferno e nunca mais teve uma vida tranquila e nem se amavam mais, apenas se ele a amarrasse, ele a encheu de presentes, lhe deu tudo que queria, mas não conseguiu fazê-la a amar novamente, Célia era sua segunda chance e ele via escorregar entre seus dedos, se a perder ele a mata e se mata depois, não a deixaria viva como não deixou Beguzar quando soube que tinha outro homem em sua vida no tempo que se separaram, virou na cama e se agarrou ao travesseiro e chorou e se arrependeu mais uma vez de ter saído fora do controle.

Sammy vigia a casa junto com dois policiais turcos, queriam acompanhar as investigações e queriam manter a ordem.

Célia sai da casa a pé e caminha com Engin ao seu lado, Sammy a olha pelo binóculo e parecia que não estava nada bem, muito abatida e parecia triste demais, o véu de cor preta não lhe favorecia em nada, parecia uma viúva que acaba de perder o marido e a segue até virar a esquina, ele desce do carro e vai a traz dela, Célia entra em um restaurante de esquina e Engin se posiciona na porta do restaurante, Sammy Poe o boné na cabeça e seus dois amigos de investigação conversam naturalmente e cobrindo Sammy entram no Restaurante sem levantar suspeitas e se sentam em um lugar discreto, Célia está nos fundos do restaurante aguardando a comida, Sammy percebe que o banheiro era mais ao fundo, mas em sua direção e se levanta e vai até o banheiro, Célia está enfiada em seus pensamentos que não o vê passar, a comida chega e é posta a sua frente, ela se serve de um pouco de cada coisa e olhando para a janela se distrai, queria ter alguém que soubesse de sua vida passada, por que Keren e sua mãe se separaram e por que Soraia levou apenas uma filha e não as duas e por que escondeu isso dela, e fez amar Jorge que foi um ótimo pai e ela levava o nome dele como pai legitimo, algo de errado tinha nessa história, queria respostas e se assusta ao ver aquele homem se sentando a sua frente.

- Me perdoe!... Não queria assusta-la!... - Sammy sorri.

Célia o olha desconfiada, tinha medo de ter sido descoberta como Célia e engole em seco e o encara sem dizer nada, e nem toca na comida, Sammy olha para a mesa dos colegas e Célia segue seu olhar e reconhece os dois Americanos da INTERPOL e baixa a cabeça e novamente engole em seco.

- Você está bem Sra. Haydd!?... - Ele tomba a cabeça procurando seu olhar.

Célia não responde novamente e olha para a janela e observa as pessoas.

- Espero que essa tristeza não seja por causa do meu amigo Yan?

- Não diga besteiras!... - diz ela totalmente rouca e o olha. - Yan é um divertimento para mim, não faz parte da minha vida!

Sammy arregala os olhos, tinha certeza que era isso mesmo que ele representava para ela, mas não esperava ouvir isso tão explicitamente.

- Uauuu... Divertimento?!... - Ele solta o ar pela boca achando aquilo demais para ele. - E por que gosta de brincar com os sentimentos dos outros?... Ele a ama e confessou isso!

- Não está aqui para defender seu amigo não é?... E nem para saber se eu estou ou não bem?! - Célia quase não tem voz e se preocupa, nunca ficou tão rouca assim.

- Tem razão Sra. Haydd!... - Ele se ajeita na cadeira e relaxa. - Não vai comer?

- Me acompanha?... - pede ela parecendo suplicar.

- Se te fará bem!... Sim!... Acompanho!

 

Célia (Volume 2)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora