Jacob algema Célia - ameaça real

906 111 5
                                                  

Jacob não diz nada, duas linhas se formam em seu cenho e seus olhos se escurecem e se dilatam e Célia reconhece aquele olhar e engole em seco e antes que consiga sair de perto ele pega em seu pulso serrando os dentes, ele ofega e Célia se apavora e tenta puxar o braço para se soltar.

- Não!... Me solta, por favor?!... - Sua voz sai tremida. - Por favor?... Me solta!

- Vamos para o quarto!... - Ele se levanta e a puxa.

Célia arregala os olhos e tenta puxar o braço e implora para deixa-la e ele a puxa, grita e começa a chorar.

- Não!... Eu não quero!... Por favor?... Eu não quero!... - Ela chora e ele a arrasta pelo corredor, os seios doem e ela para de lutar e chorando e o segue - Eu odeio você!... Por favor?... Eu não quero me deitar com você hoje!... - Ela entra num choro compulsivo e ele abre a porta do quarto e a joga na cama e sobe sobre ela ficando sentado e puxa uma algema já presa na cama. - Por favor?... Não. - Se apavora ao ser presa pelo pulso e ele pega o celular enquanto se debate.

- O que estão fazendo?... - Diz ele ao telefone e Célia para e escuta. - Hummmm!...Brincando no jardim!... Alvo está fácil?... - Jacob levanta uma das sobrancelhas indicando que sim.

- Não!... Tudo bem!... Eu quero você!... Eu só estava sendo difícil!... - Ela se apavora e ofega e para de chorar. - Por favor?... Poupe meu filho!

- Fique de olho!... Depois te ligo para ter mais informações!... - Ele desliga celular e joga o aparelho. - Gosto quando fica boazinha!... Vai se comportar?

- Vou!... - Ela ofega... - Eu sou sua!... Toda sua!... O que quer que eu faça?

- Assim que eu gosto!... -Ele se levanta e tira a roupa e volta a subir na cama.

- Por favor, Jacob?... Me solta!... Meu pulso está doendo e não vou conseguir me entregar assim! - Ela puxa a algema e o encara apavorada.

- Vou deixar você presa por um momento!... Eu gostei quando disse que estava se fazendo de difícil!... E quero o sexo com você lutando! - Ele puxa o ar entre os dentes e a vira de costas, Célia se agita.

- Por favor?... Não me deixe presa!...Quero encostar em você... Quero sentir seus braços!... Gosto disso!... - Ela ofega e ele levanta seu vestido e arranca sua calcinha, Célia volta a chorar e grita ao sentir ele subir na cama e deitar sobre ela e a penetrar.

Jacob ri ao escutar ela gritar e tapa a sua boca e mete com força e geme em seu ouvido e goza sem esperar por ela, sabia que não iria conseguir fazer Célia a chegar ao clímax, mas ele queria é dar uma boa lição nela e parar de recusa-lo e assim que gozou disse ao seu ouvido.

- Eu falei que se me recusasse iria receber uma punição!... E todas as vezes que se recusar, eu vou prender você e vou transar com você e desta vez vou respeitar por que está operada, mas da próxima vez vou passar o dia dentro de você!... - Ele puxa seu cabelo. - Vai se recusar a me dar o que eu tenho direito?

- Você é doente Jacob!... - Diz ela entre as lágrimas e ele puxa mais seu cabelo.

- Adoro quando você se recusa e me afronta!... Quer que eu transe com você de novo?!... - Jacob ainda está dentro dela e se mexe.

- Eu quero!... Quero você de novo!... Mas quero que me solte e me deixe brincar!... Você é doente e eu sei ser mais que você!... - Célia para de chorar, seu ódio era latente e ele ri e a larga e sai de cima dela.

- Eu pago para ver!... - Diz ele pegando a chave da algema e a abre deixando Célia livre.

Célia o olha com ódio e pega em sua mão e o leva para o banheiro e abre o chuveiro e tira a roupa e o sutiã e o puxa para dentro do Box, a água está quente e convidativa e o enfia debaixo D'água, Jacob está confuso e analisa cada movimento seu esperando de tudo dela, Célia pega o sabonete liquido e espreme na esponja e com carinho o esfrega, começando em seus ombros, pescoço, peito e vai descendo até chegar em seu sexo e apenas Poe sabão liquido nas mãos e o lava, Jacob puxa o ar pela boca sentindo suas mãos ágeis e fecha os olhos por um momento e fica excitado e ereto e Célia se agacha e lava suas pernas e o pé e ao levantar a cabeça o agarra tirando todo o sabão e o enfia na boca e o chupa com raiva e ele geme e estremece e sorri.

- Ah Berguzar, você tem uma boca... Maravilhosa!. - ele geme alto e abre os braços escorando-se nas paredes e geme e treme de desejo segurando o Máximo o prazer.

- Eu faço você gozar na minha boca se prometer nunca mais me prender com algemas?!...- pede ela parando de chupar e apenas o acaricia.

- Se você me morder é uma mulher morta Célia!... - Ele a encara.

- Eu não falei que iria fazer isso e nem é a minha intenção!... Eu pedi para não me algemar mais!

- Continue!... Não vou te prender mais!... Só se recusar... - Ele para de falar assim que Célia enfia-o na boca novamente e o chupa com raiva e ele se torce. - Vá com calma, seja mais suave...

- Não sei ser suave!... - Diz ela com raiva e volta a chupar com vigor e força.

Jacob arfa e seus músculos enrijecem e ele geme e vai se encolhendo e explode dentro de sua boca e Célia o enfia até a garganta e deixa o liquido descer, ele chama por Berguzar e se esvai por completo e fica tonto e escorrega no chão levando Célia com ele, puxando seu cabelo e a fazendo deitar sobre seu peito, ele arfa e fica de olhos fechados com ela presa em seus braços, era uma maneira de garantir que ela não iria fugir. Célia está com nojo e sente vontade de vomitar, mas segura e respira fundo, tinha medo de sua reação, queria se livrar de seus braços que a apertavam e puxava seus cabelos, mas ficou ali parada.

- Você sabe negociar muito bem!... - Ele ri ainda ofegante. - Vi que será assim... Você pede e executa e eu cedo!... Mas não conte com isso sempre!... Não vou tirar os olhos de sua família até você me disser que me ama de verdade!...

- E você!?... Me ama de verdade?... - Ela o olha.

- Não conheço o amor!... Mas quando conheci você... Alguma coisa mudou em mim e nunca desejei tanto alguém como desejo você!

- Se eu vier a te amar?... Teria coragem de se tornar um homem descente?!... Deixaria toda essa merda de trafico de pessoas e viveria do petróleo?


Célia (Volume 2)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora