Célia tem sangue diante de Yan

626 95 2
                                                  

A porta do elevador se abre e os dois entram, para surpresa de Célia ao ver Renato a acompanhar.

- Vou te acompanhar até seu carro!

- Se tiver carro ainda?... Bateram aqui em frente e meu segurança o levou!

- Estragou muito?

- De um leve amassado, mas quem bateu vai ter uma surpresa com o valor!... Nunca bata em uma Ferrari Renato!... - Ela ri achando graça.

- Que prejuízo!... - Renato faz uma careta. - Não gostaria de estar na pele deste sujeito!

- Obrigada por me acompanhar!... Até mais tarde em meu escritório!... - Célia sai andando elegantemente como nada tivesse acontecido.

Yan não consegue prestar atenção na reunião, se sentia tão atordoado e confuso, não era possível ter duas mulheres idênticas, já tinha caído uma vez nessa e Sammy e Jean o enganou por completo e achou que realmente estava ficando maluco, olhava para o relógio o tempo todo, queria que desce as 14horas para ir ate o endereço e ficar de frente para ela e ter certeza que não é Célia.

Célia almoça no escritório mesmo, tinha muitas coisas para por em ordem e sobre a mesa um dicionário Russo e alguns livros, um porta lápis, o computador, a agenda, enquanto comia se lembrou do rosto de Yan e como ficou perplexo, não falou uma palavra, Engin entra e lhe entrega o orçamento do conserto da Ferrari que agradeceu e assim que terminou de comer, o Skype é acionado e Célia atente.

- Oi, boa tarde!... - Diz ela amável.

- O que está fazendo? -  Pergunta Jacob.

- Matando minha fome e de sua filha!... - Ela acaricia sua barriga e sorri.

- Me parece mais magra Beguzar!... Tem se alimentado direito?

- Claro que sim!

- Bom!... Como estão às coisas por aí?

- Aqui está chovendo no momento e a tarde Firat trará o contrato assinado!... - Ela da de ombros.

- Parabéns!...

Célia e ele conversam sobre alguns assuntos relacionado à empresa, ainda pede para ele não se meter, pois todas as vezes que ele interferiu teve problemas em reverter a situação e acabam discutindo como sempre, mas sentiam falta um do outro, Célia estava com a pulga a traz da orelha do que Firat disse, mas tinha que se manter neutra nesta história e descobrir aos poucos, e no momento queria cuidar de sua saúde e da gravidez, o resto deixaria para pensar depois que o bebê nascesse, se despediram e desligaram o programa.

Yan chega ao prédio de Keren e olha para cima, o frio na barriga é grande, pois da ultima vez que esteve lá, não foi tão bem recebido e acabou sendo um foragido da justiça e se assusta quando sente uma mão em seu ombro.

- Meu Deus, Sammy!... Não faça mais isso!... Da próxima eu enfarto!

- Achei melhor vir aqui e te acompanhar!... Sei o que está pensando aí parado!... Vamos entrar!

Sammy o puxa para dentro e puxa a funcional e os dois sobem, Célia é avisada de que Sammy e Yan estavam subindo, ela respira fundo, veria seu grande amigo Sammy, mas precisava manter as aparecias e foi ao banheiro e retocou a maquiagem e o batom e se sentou em sua mesa e voltou a fazer o que estava fazendo, mesmo o coração estando disparado ela procurou se manter calma, tinha que focar no desprezo e em sua vida de Beguzar.

Duas batidas são escutadas e ela se abre e os dois homens entram reparando na elegância da sala e na bela mulher sentada a traz da mesa de vidro com pernas cruzadas digitando algo no computador, ela levanta o olhar.

- Sentem-se, por favor!?... Estou terminando... Já atendo vocês... - Ela lança um sorriso rápido e volta para o computador e pede para a secretária. - Annie traga água e café para o senhores e me avise quando o advogado do Sr. Firat chegar e o leve para a sala de reunião.

- Sim Senhora!... - A jovem sai.

Yan e Sammy se olham e voltam a observar aquela mulher que digita rápido e ágil no que faz até que ela os olha e se levanta, pega uma pasta azul e vai até eles e estende a mão.

- Beguzar Haydd, muito prazer!... - Ela aperta a mão de Sammy.

- Sammy da INTERPOL!... - Ele lhe dá um sorriso vitorioso.

- Hum!... INTERPOL?... - Ela abre um sorriso achando graça. - Não sabia que o senhor ao seu lado tinha amigos tão importantes!

- Muito prazer... Beguzar Haydd!... - Célia aperta a mão de Yan e ele olha seu pulso e vê a marca.

- Yan Butler!... - Ele fica branco ao ver a marca.

- Está assustado com o que viu Sr. Butler?... - Ela mostra o pulso.

Yan engole em seco e concorda com a cabeça.

- Isso são marcas que meu marido adora deixar nas mulheres quando se recusam a dormir com ele... Mas com a gravidez isso mudou!... - Ela passa a mão na barriga e sua voz fica mais rouca ainda.

- Minha esposa tinha marcas semelhantes!

- tinha?!... - Célia franze o cenho. - Não me diga que é turco e que gosta de deixar marcas em sua esposa? - Célia fala com repulsa.

- Não!... - Ele ri desconcertado. - Americano e minha esposa era brasileira e odeio quem faz esse tipo de barbaridades.

- Era?!... - Célia se senta elegantemente e cruza o antebraço sobre o joelho.

- Sim!... Morreu há dois anos!... Me deixando com um filho pequeno!

- Ah!... Sinto muito Sr.Butler!... - Ela baixa o rosto e diz. - Às vezes tenho medo que aconteça a mesma coisa com minha filha... Acho que por isso procuro me manter longe de meu marido que é explosivo...

- Como se Chama seu marido Sra. Haydd!?... - Pergunta Sammy.

- Creio que não está aqui para fazer um interrogatório e nem chamei aqui para isso... Minha única intenção para essa pequena reunião é para discutir sobre o conserto do meu carro! - Ela pega a pasta azul e entrega para Yan, e olha para Sammy que sorria se sentindo desafiado.

- Sabe que ele é foragido?... - Sammy insiste.

- Claro que sei!... E por que acha que tenho essas marcas Senhor Sammy?... Por dois anos reuni provas para acabar com essa organização e confesso que agora grávida, as coisas se complicaram... E tenho que pisar em ovos... - Ela se levanta e pega outra pasta e entrega para Sammy. - Mande desligar as escutas dos telefones Sr. Sammy... Não dificulte meu trabalho e não ponha em risco a vida de minha filha!... Essa é a terceira gravidez e a única que por enquanto estou conseguindo levar adiante... Pelo menos passei do quarto mês!

Célia (Volume 2)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora