24. Sonhos turbulentos

464 61 129
                                              

Como fugir quando não se sabe que está preso dentro da própria cabeça?

Era um salão magnífico, com detalhes minuciosos esculpidos em cada porta de madeira e cada pilar de mármore. O teto era alto o suficiente para caber uma casa de três andares lá dentro. Nas laterais, as janelas verticais ocupavam do teto até o chão, com figuras em relevo acompanhando toda a extensão, lembrando gotas de chuva escorrendo pelo vidro; a luz solar que entrava por elas manchava de dourado o piso brilhante. Era um local de silêncio, invadido apenas pelos sons de soluços abafados e um volume baixo de conversa; nenhum deles vindo da mulher sentada ao lado de Mori, no banco mais próximo do altar nos fundos do prédio.

De cabeça baixa, a jovem escutou as despedidas de parentes e colegas de Maurício, aqueles dispostos a se postar no altar, atrás de uma bancada, e compartilhar seus pensamentos diante do corpo, que jazia em uma mesa alta com centenas de flores circundando-o.

Durante todo o tempo, Sílvia permaneceu ainda mais imóvel do que Mori. Aparentemente ela não ouvira um discurso sequer, mantendo a vista fixa em um ponto à frente, resoluta em ser uma estátua.

— Não quer dizer alguma coisa... Sílvia? — Mori perguntou com delicadeza, adicionando o nome ao não receber nenhuma indicação de que foi ouvida.

Aquele momento era de despedida. Era o objetivo do funeral. A jovem pensou que, talvez, expressar a dor faria bem à enfermeira.

— Se eu abrir a boca para falar qualquer coisa... — a voz da mulher demonstrava firmeza e ferocidade, entretanto não de forma ameaçadora — ...vou falar muito mais do que deveria.

Não era somente dor; Sílvia estava revoltada. Mori aceitou a resposta. De todas as pessoas presentes ali, as duas eram as únicas que estavam cientes de que a causa da morte era uma mentira; e disfarçar o conhecimento dessa injustiça exigia um grande controle emocional.

Voltando sua atenção para a mesa florida, a jovem observou a serenidade no semblante de Maurício, enquanto suas mãos, que estavam em seu colo, apertavam-se com força.

Voltando sua atenção para a mesa florida, a jovem observou a serenidade no semblante de Maurício, enquanto suas mãos, que estavam em seu colo, apertavam-se com força

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

No fim do funeral, as pessoas se despediram de Sílvia; ninguém questionou o silêncio da mulher.

Mori, sentindo-se desconfortável por invadir esses momentos pessoais, tentou afastar-se apenas para ser puxada de volta por Sílvia, que grudou a mão em seu braço. Em silêncio, ela respeitou o desejo da enfermeira que — seu coração se despedaçou ao pensar na palavra pela primeira vez — agora era viúva.

Após ouvir várias pessoas e segurar-se para não chorar várias vezes, a jovem sentiu outro aperto no braço. Olhou para Sílvia e encontrou pupilas afiadas, que tentavam transmitir uma mensagem secreta. A atenção das duas se voltou ao mesmo tempo para a mulher que se aproximava.

Era mais alta do que Mori e usava um coque não muito apertado, deixando escapar algumas mechas do cabelo castanho claro. O nariz estava vermelho e ela não parava de levar um lenço aos olhos, também vermelhos, determinada a conseguir que seu rosto ficasse seco por alguns minutos.

Lua vermelhaOnde as histórias ganham vida. Descobre agora