Epílogo

548 57 73
                                              

O mar estava mais agitado do que o comum naquela noite. Se seu lado poético não fosse defasado quando comparado ao lado científico, Joshua poderia crer que as ondas enraivecidas o acusavam. Não estariam erradas. Mas a causa daquela fúria era um fenômeno meteorológico. O mar não condena; só existe. Humanos condenam. Ele mesmo condenou alguém na ignorância de desconhecer a extensão das consequências.

Voltou para a cozinha deixando a porta da sacada aberta. O rugido das ondas foi a trilha sonora que escolheu para aquela ocasião única.

Aproximou-se das garrafas vazias em cima da mesa — nem a quantidade delas e nem o alerta do code sobre o teor alcoólico em seu corpo o fizeram parar. Encontrou uma seringa esperando por ele ao lado de um copo vazio. Covardia era o que aquelas garrafas simbolizavam, porque precisou de três para enfim chegar à seringa.

Pegou o objeto, que continha uma dose generosa de... água. Muito engraçado. Sabia que não era água. Olhou para o braço, procurando por uma veia. Além de achar, precisaria acertar a mira. E depois imploraria pelo perdão de Maurício. Não acreditava em consciência após a morte, entretanto ansiava em levar um sermão do amigo.

A mão que segurava a seringa tremia; seria à base de tentativa e erro. Por que tudo na vida era complicado e injusto?

De repente, a campainha tocou. Quem aparecia na casa dos outros sem avisar? O cérebro estava tão inebriado, que nem pensou na possibilidade de ignorar o intrometido.

Largou a seringa na mesa e avançou até o fim da sala com os passos cambaleantes mais rápidos que conseguiu providenciar. Encostou a mão na porta, autorizando que se abrisse e... e desejou não ter desperdiçado tempo com a bebida.

— Desculpe aparecer assim... — disse Jane, soando hesitante. — Mas você não foi ao funeral, então eu... achei que tivesse acontecido alguma coisa.

Perplexo, o cientista não encontrou um argumento convincente, ou sequer palavras, para se justificar.

— Posso entrar? — ela indagou em meio ao silêncio perturbador dele.

Ao menos o cérebro de Joshua teve a decência de se lembrar das garrafas e outros itens recriminatórios na mesa. Em um dia qualquer, inventaria uma desculpa para afastá-la, porém naquele dia... não teve a capacidade e nem a vontade de inventar nada.

— Sim. Eu só vou... fazer umas coisas antes... — Fechou a porta e se apressou a ocultar suas verdadeiras intenções.

Em uma cidade pacata de uma sociedade que se considerava utópica, uma mulher surtava por sua casa com o celular colado na orelha

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Em uma cidade pacata de uma sociedade que se considerava utópica, uma mulher surtava por sua casa com o celular colado na orelha.

— ...Depois de mover céus e terra para conseguir a guarda dela! — A mulher soltava sua ira no dispositivo.

O motivo era compreensível. Acabara de receber a notícia de que uma de suas filhas faleceu. Para piorar, o ex-marido não teve a decência de ligar para ela, incumbindo um empregado com essa tarefa. Então, sim, ela estava gritando com alguém que não merecia ouvir suas reações e que não repassaria seus gritos ao destinatário correto.

Lua vermelhaOnde as histórias ganham vida. Descobre agora