18

7.7K 643 55
                                    

PERSÉFONE SCOTT 

Ops! Esta imagem não segue nossas diretrizes de conteúdo. Para continuar a publicação, tente removê-la ou carregar outra.

PERSÉFONE SCOTT 

Rio quando sinto suas mãos frias se apertarem em torno do meu abdome.

— Está com medo bravinha? — pergunto e quando ela aperta mais ainda.

— Claro... — a interrompo acelerando mais ainda a moto fazendo ela se agarrar mais em mim.

Alguns minutos depois...

Paro a moto em frente a minha casa e desço.

Observo ela tentar descer da moto que é o dobro do tamanho dela e rio.

— Dá pra parar de rir? E vim me ajudar? — pergunta emburrada. 

— Uhmm, não sei. Ajudo ou não? — pergunto pra mim mesma e escuto seu resmungo.

— Eu posso cair daqui se você não me ajudar — fala e a olho.

A sua saia agora está na metade das coxas, deixando algumas pintinhas à mostra.

— Gostei das pintinhas — digo e ela olha pra coxa logo as cobrindo. 

— Oh, não faça isso — digo com um biquinho.

Me aproximo dela e pego em sua cintura fazendo ela soltar um gritinho.

— Perséfone! Me coloca no chão! — diz quando eu a jogo por cima do ombro.

— Não.

— Chata — diz, e deixo um tapa estalado em sua bunda.

— Ei! — exclama e deixa outro na minha.

Sorrio mordendo os lábios.

— Bate mais, eu gosto. Ainda mais quando estou de quatro em cima de uma cama — digo e sinto um "muro" em minhas costas.

O mulherzinha agressiva.

— Não fez nem cócegas — a provoco abrindo a porta, e escutando seu suspiro de derrota.

— Perséfone! Me coloca no chão, estou começando a ficar tonta — pede e eu rapidamente a coloco no chão e seguro seu rosto.

— Melhor? — pergunto e ela assente.

Fecho e tranco a porta e a escondo no em um vaso que tinha ali.

Solto o ar subindo as escadas, preciso de um banho quente. 

— Merda — toco na minha barriga quando vem uma pontada de dor.

Tenho que agradecer que essa droga só fica em mim por três dias.

Ainda subindo as escadas eu escuto Jenny tentando abrir a porta.

— Perséfone! — ela grita e eu gargalho.

— Oi amor — digo debochada, já no topo da escada.

— Não me chame assim!. E abre logo essa porta eu tenho que ir pra casa! — fala vermelhinha de raiva.

𝐌𝐘 𝐋𝐈𝐓𝐓𝐋𝐄 𝐆𝐈𝐑𝐋Onde histórias criam vida. Descubra agora