Episódio Dezenove: Passado e Presente pt.2

20.7K 2.8K 8.6K
                                    

[NOTAS] oooi!

Eu sei que demorei, mas esse mês vai ter mais de uma atualização e se tiver sorte, podem ser 3!!! Por enquanto eu prometo mais um capítulo pra esse mês ainda!

Esse capítulo é meio tenso, tem uma parte bem séria, na verdade duas, que vão interferir diretamente em todo o seguimento da história.

Enfim, espero que vocês gostem do capítulo!!!

+++++++++++++

JEONGGUK

Aquela manhã, enquanto tinha de esperar Jaejoong aparecer e fingir que estava tudo bem com isso, liguei para alguém que me devia uma explicação há um bom tempo, mas que não tinha se manifestado e nem eu mesmo tinha percebido até aquela manhã. Eu não fazia ideia de que horas eram na Coreia, mas com sorte ele estaria acordado o suficiente pra ouvir minhas queixas.

Olá, Jeongguk.

— Sabia que ele estava aqui, não sabia, Jimin-shi? — ele riu baixo — Não tem graça! Eu não estava pronto par-

Você está pronto. Precisa deixar ir, nunca teve a chance de confrontar a situação, e não existe momento melhor. Você é uma pessoa boa, Jeongguk, mas tem medo. Você sempre, sempre tem dúvidas de que qualquer um pode te amar somente pelo que é, e por isso se enganou por tanto tempo com Yoongi-ah. Sempre achou que ele era o único que poderia.

— Obrigado pela sessão de análise. Foi de graça?

100 dólares. Não fiquei rico fazendo as coisas de graça — eu ri dessa vez, mas fiquei preocupado dele cobrar de verdade — Se eu dissesse sobre Jaejoong, não teria ido.

— Como sabe tudo isso? É tão... — suspirei, apoiando a costas na parede e deslizei dramaticamente até sentar no chão. Jiji pulou da cama e se aninhou em meu colo.

Eu só sinto. As coisas vão aparecendo, tipo peças de quebra-cabeças. É difícil mexer com o futuro, mas você está onde deveria. Sério. Dê um ponto final de verdade com esse idiota e vá aproveitar os dias com Taehyung na fazenda, bem longe do nosso mundo. Todo mundo é mais feliz sem uma câmera gravando tudo, o tempo todo.

— Ok — dei um suspiro mais alto, afagando os pêlos de Jiji que começou a ronronar.

Agora eu preciso fazer uma nova matéria sobre o álbum do Tae. Comece a gravar algo pra Winter Bear na viagem e não esqueça o prazo do Grammy — como se eu pudesse esquecer, CEO Park mandava mensagens todos os dias - todos os dias mesmo! -, por que o Vendetta seria nosso maior lançamento do ano — Ah, e considere algo com Tomorrow e Together. Eu gosto de como soa.

— Sobre o que? Do que cê' tá falando?

Tchau, Jeongguk — e desligou.

É... eu teria de esperar pra ver. Talvez fosse uma sugestão de nome para alguma música.

Batidas soaram na porta, Jiji pulou pra fora do meu colo e crispou os dentes, Tannie abriu um único olho e rosnou baixinho, então eu sabia bem quem era. O que não deixava de ser assustador, principalmente por ele ter uma presença tão forte a ponto de incomodar os animais. Levantei, indo até a porta e Jaejoong sequer me deu tempo de raciocinar antes de apontar para um pedaço de papel em sua mão.

Lucky: e o Coelho da SorteOnde histórias criam vida. Descubra agora