Episódio Oito: O filho do CEO

19K 3.3K 9K
                                    

JEONGGUK

O vovô costumava me dizer que eu era uma criança diferente. Minha mãe morreu quando eu tinha dois anos e minha avó faleceu alguns anos depois disso, eu devia ter sete, oito anos no máximo. Tinha lembranças bem claras dessa época, por terem sido os piores anos de minha vida. Lembrava de ir pra escola com fome e ficar ansioso pelo almoço servido lá e torcer para o papai trazer a sopa que serviam aos funcionários na fábrica de tecidos pro jantar. As pessoas não eram muito legais comigo por ser coreano - aparentemente era hilário meus olhos serem pequenos e eu falar esquisito, mesmo que meu inglês fosse o mesmo que o de qualquer outra criança americana -, mas eu nunca brigava, mesmo quando eram cruéis comigo.

Eu só aceitava as coisas que aconteciam, torcendo que um dia tudo seria melhor.

Com onze anos ganhei meu primeiro sorteio. Era um Playstation 3 novinho, na rifa da escola. Foi o dia mais legal da minha vida até o dia da loteria, anos depois. Eu nunca cheguei a tirá-lo da caixa, o vendi por 100 dólares - que era bem abaixo do valor dele - para um colega de sala porque meu pai tinha perdido o emprego e iam cortar nossa luz, papai brigou comigo por ter desistido de algo que queria, mas não recusou o dinheiro porque não estava em posição de recusar coisa alguma.

Foi nessa época que vovó disse que eu devia ir pra Coreia, ser cantor, usar o dom que ele dizia que herdei da mamãe. "Ela queria ser uma dessas garotas idols, foi por isso que mandei ela pra Coreia. Ela não conseguiu, mas me trouxe você" ele sempre bagunçava meus cabelos quando contava essa história e eu sempre sorria pra ele quando o fazia "Comece a trabalhar na mercearia, junte algum dinheiro" ele disse "E vá ser um idol. Lute por isso, Jeongguk, pare de aceitar tudo que a vida impõe a você"

Nunca me tornei um idol. Nunca cantei em público. Tinha dinheiro para comprar mansões, mas nunca comprei um maldito Playstation. Eu ainda aceitava praticamente tudo que a vida colocava em meu caminho, manipulando a sorte apenas algumas vezes e a maioria delas foi sempre em favor de outras pessoas, não para mim. Nunca precisei mudar nada antes, nunca o quis também.

Levando tudo isso em conta, não era estranho aceitar Kim Taehyung e um namoro que não pedi. Na verdade me preocupava o que seria dele se eu desistisse agora, se expor sua mentira para o mundo o fizesse ser atropelado por um ônibus virando uma esquina. Levando em conta tudo o que houve, não era nada improvável.

Naquele momento, eu estava sentado ao lado do garoto, na primeira "reunião" entre equipes, um dia depois do "grande anúncio". Ou a primeira briga, no caso. Yoongi estava puto por Taehyung ter me tirado do armário sem meu consentimento - não podia dizer que eu estava tão bem assim sobre isso, mas eu não sabia direito como reagir - e no momento estava gritando, não com ele, mas com sua amiga, JiSoo, que justificava o desespero de todos eles depois de Taehyung ter quase morrido naquela semana mais vezes do que seria normal. Soyeon-noona brigava com o amigo dele, Seokjin, mas os dois eram mais brandos nisso que JiSoo e Yoongi, Soyeon-noona parecia achar o garoto engraçado demais para ficar realmente irritada com ele.

Havia uma garota que olhava com olhos graúdos pra mim, Heejin. Taehyung tinha falado sobre ela. Os outros dois rapazes da equipe eu não conhecia e nem tiveram tempo de se apresentar antes da discussão começar.

— Eu não quero saber de nada dessa porra, eu só quero saber no que a merda que vocês fizeram vai interferir na vida do Jeongguk e na Golden Closet. O selo mal foi aberto e vocês jogam o nome da empresa num escândalo! — Yoongi-hyung esbravejou — Não tinham o direito de sujar o nome do Jeon pra salvar a vida desse cara! — apontou para Taehyung, que se encolheu no sofá ao meu lado.

— Ser gay não suja o nome dele! — JiSoo rebateu, um dos garotos da equipe de Taehyung bateu palmas, gritando um "Isso ai, noona", me fazendo rir um pouco — Seu melhor amigo é gay e você tá sendo um homofóbico de merda igual o resto desse país!

Lucky: e o Coelho da SorteOnde histórias criam vida. Descubra agora