Capítulo XXV

1K 179 64

Hey people 💐💝

Segue mais um capítulo da nossa história. Mais um da série que destrói um pouquinho do nosso coração.

Espero que gostem do capítulo!

Não esqueçam de votar e comentar, pois isso me ajuda muito e faz com que o livro fique mais conhecido na plataforma. #Thanks 😘 

 Se quiser ficar sabendo das novidades em primeira mão e ficar mais perto da Malu (não só escritora), basta me seguir la no instagram madams.autora.


(Sem revisão)

Capítulo XXV

'Cause nothin' lasts forever

And we both know hearts can change
And it's hard to hold a candle
In the cold November rain

(Guns N' Roses, "November Rain")

Cecília

Esperança - Minas Gerais.

02 de Outubro de 1991

Acordo assustada por não saber onde estou, mas ao olhar a minha volta as lembranças da noite passada invadem minha mente e involuntariamente um sorriso se abre em minha face. Passo a mão sobre as almofadas e sinto um papel. Pego-o surpresa, mas antes que eu possa abrir o envelope, sinto um vento frio arrepiar todos os pelos do meu corpo.

Chamo por Fernando, mas não obtenho resposta. Levanto e caminho a sua procura, mas o que encontro é o vazio da nossa casinha. Um medo desolador invade a minha alma. Procuro-o mais uma vez e mesmo a casa sendo muito pequena olho em todos os lugares na esperança que ele esteja se escondendo para me fazer uma surpresa. Minhas pernas tremem ao constar que realmente estou sozinha.

Sem conseguir suportar o vazio que sinto em meu coração, desço as escadas da arvore correndo sem me preocupar se posso cair. Corro o mais rápido que posso até que o barulho das águas caindo nas pedras da cachoeira me faz parar.

Abro o envelope e retiro dele uma carta. Meu coração dói o ao olhar para ela. Meu corpo inteiro treme e eu não sei bem o porque. Com o pequeno papel dobrada em minha mão caminho até a pedra superior da cachoeira. Subo o mais alto que consigo e quando tenho a visão de toda a cidade aos meus pés enfim sinto coragem de abrir o papel que foi deixado pelo meu Fernando.

Minha Princesa,

Sei que não tenho mais o direito de te chamar de MINHA, mas não consigo pensar em você de outra forma senão como minha.

Minha Princesa.

Minha vida.

Meu amor.

Minha Cecília.

Por mais difícil que seja para você estar aí, sozinha, preciso que saiba que você é e sempre será minha. Da mesma forma que eu sou e sempre serei seu!

Sei que você não deve estar entendendo nada.

Sei que está se perguntando que droga eu usei antes de te escrever, mas logo você entenderá, meu amor. Entenderá e me odiará.

Não fui homem o bastante para te dizer o que preciso pessoalmente. E não sou homem o suficiente para me despedir pessoalmente. Não me orgulho disso. Não me orgulho do que fiz e menos me orgulho de quem me tornarei depois de hoje.

Doce ReencontroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora