Capítulo XIX

1.2K 199 76

Boa noite people 🍀💐💝

O capítulo de hoje esta gigante e emocionante. 

Vocês estão preparados para chorar? Espero que sim rsrs 

Deixem-me saber o que acharam da leitura.

 Não esqueçam de votar e comentar, pois isso me ajuda muito e faz com que o livro fique mais conhecido na plataforma. Se quiser ficar sabendo das novidades em primeira mão e ficar mais perto da Malu (não só escritora), basta me seguir la no instagram madams.autora.

(Sem revisão)

Ouçam a música. Só digo isso... 


Capítulo XIX

It's just a drop in the ocean

A change in the weather
I was praying
That you and me
Might end up together
It's like wishing for rain
As I stand in the desert
But I'm holding you
Closer than most
'Cause you are my heaven

(Ron Pope, "A Drop In The Ocean.")

Fernando

Dias atuais...

A polícia do condado de Orange iniciou as buscas pelo pequeno Príncipe no instante que os informei do seu desaparecimento. O xerife Arthur Demings garante que vamos encontrar o pequeno.

Com Cecília desmaiada acabei mentindo para o chefe de polícia. Disse para o doutor Demings que o Gael era meu filho e com isso consegui agilizar o procedimento de registro, dando início as buscas. Cerca de cinquenta e sete agentes trabalham para encontrar o pequeno príncipe.

— Você não vai perder ninguém, Ceci! Eu prometo que vai ficar tudo bem! — Falo com toda a verdade que há em meu coração.

— Você prometeu que nunca me deixaria e deixou. Você não pode me prometer mais nada, porque eu não suportaria ter mais uma vez uma promessa sua quebrada. — O rancor em suas palavras é afiado como uma navalha. Corta-me a carne e dói-me na alma.

Olho a intensamente e tenho certeza que meus olhos transmitem todo o arrependimento e toda a culpa que sinto por ter quebrado todas as promessas que lhe fiz.

Mentiria se disse que suas palavras não quebraram o meu fodido coração, mas nesse momento não tenho condição para lhe explicar os motivos que me levaram ao não cumprimento de todas as promessas que lhe fiz anos atrás. Não tenho força para retrucar suas palavras e muito menos para me defender.

O corpo de Cecília treme e seus soluços ecoam os meus.

Abraço-a deixando que ela sinta os tremores que saem do meu corpo. Mesmo com todos os nossos problemas sinto que só conseguiremos passar por mais essa atribulação se estivermos juntos.

Aperto Cecília em meus braços e o som frenético das batidas dos nossos corações se misturam. Minha vida foi um emaranhado de erros e mentiras. Fui covarde e omisso por muito tempo. Carrego dentro de mim a culpa por tudo de ruim que aconteceu, a minha Princesa. Meu coração fodido já suportou a maior das perdas que um homem pode suportar e maldita dor é minha companheira a muitos anos, mas nenhum medo que senti em todos esses anos se assemelha ao pavor que domina o todos o meu ser nesse momento. Nada que passei se assemelha a dor e ao medo de não saber onde o pequeno Príncipe está.

Doce ReencontroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora