Capítulo IV

3.2K 355 213

Segue mais um capítulo people, espero que gostem! 😍


Não esqueçam de votar e comentar, pois isso me ajuda muito e faz com que o livro fique mais conhecido na plataforma. #Thanks 😘

****
#semrevisão

Capítulo IV

If I never loved you

If I never felt your kiss If I never had you
I know that I'd... I still would have mourned you
I would have missed your smile
If it wasn't so worth it, this wouldn't be...

(Shouldn't Be a Good In Goodbye - Jason Walker)

Dias atuais...

Fernando.

Quinze dias. Quinze malditos dias se passaram desde o dia que vi minha Cecília novamente. Quinze dias onde eu mal durmo, mal como, mal trabalho. Mal faço qualquer coisa. Apenas coabito em meu corpo. Divido espaço com quem eu fui.

Remorso e raiva são sentimentos que duelam lado a lado em minha mente. Primeiro veio a raiva. Raiva de mim, de quem fui, de quem sou. Raiva dela por não me permitir, sequer a oportunidade, de dar-lhe uma explicação. Raiva do homem que estava com ela. Raiva dele por ter a oportunidade de estar com a mulher que eu amo. Senti raiva até mesmo da criança que ela carregava em seus braços. Envergo-me disso. Envergonho-me porque um bebê não tem culpa da merda que eu fiz, mas não vou ser hipócrita e dizer que não senti raiva por ele não ser meu. Meu e da Cecília.

Após a raiva veio a culpa. O maldito remorso. Remorso por ter a abandonado. Remorso por ter demorando tanto tempo para voltar, mas principalmente por nunca ter contado o motivo por trás de tudo. Arrependo-me tanto. Tanto...

Sei que não posso voltar no tempo e desfazer a merda que fiz, mas juro que se me fosse dada essa oportunidade, eu não demoraria vinte e cinco anos para voltar e nem esconderia de Cecília uma coisa tão grave quanto a que escondo.

Após a raiva e o remorso veio o medo. Medo de nunca poder lhe contar toda a verdade. Medo de nunca ter a oportunidade de ser feliz com a mulher que amo. Medo de ser tarde demais.

****

Tenho observado Cecília de longe desde o dia que ela não deixou que eu me aproximasse. Não me envergonho de dizer que contratei um detetive para descobrir tudo que ela fez durante os vinte e cinco anos que passei longe. Deveria me envergonhar, mas não me envergonho. Ainda não recebi o dossiê com as informações e por esse motivo venho a seguindo.

Decorei sua rotina e planejei minha agenda de forma para que os meus compromissos dependem dos seus. Em alguns dias Sophie vem comigo em minha aventura para desvendar minha Princesa, mas em outros dias como hoje, ela trabalha em algo que ainda é segredo para mim.

Olhando atentamente cada detalhe seu percebo o quanto minha menina mudou. Seu jeito de andar que continua igual. Ainda mantém a mesma mania de coçar as mãos quando está nervosa e também não esqueceu o velho hábito de andar sempre com um caderno de desenho em sua bolsa, mas todo resto mudou.

Minha Cecília, mudou muito e eu tenho certeza que a maior parte de sua mudança foi por minha culpa.

Seu olhar não é mais doce e gentil, e seu sorriso não tem mais o brilho outrora carregava. Ela tem hoje uma postura altiva, arrisco dizer que até mesmo ríspida. Seu jeito de olhar para as coisas não traz mais o mesmo encantamento que tinha quando éramos jovens.

Doce ReencontroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora