Capítulo X

1.4K 230 128


Preparem seus corações que o príncipe Mateo vai roubar a cena e nos deixará ainda mais apaixonadas.😍

Espero que gostem do capítulo!

Não esqueçam de votar e comentar, pois isso me ajuda muito e faz com que o livro fique mais conhecido na plataforma.  

#SemRevisão

Capítulo X

Devil's on your shoulder
Strangers in your head
As if you don't remember
As if you can forget
It's only been a moment
It's only been a lifetime
But tonight you're a stranger
Some silhouette

(Silhouette - Aquilo)

Dias Atuais...

Mateo

Abraçar a mulher que você ama enquanto ela chora por ainda amar outra pessoa não é a tarefa mais fácil que um homem pode fazer. Tão pouco a menos dolorosa. Abraçar a mulher da minha vida enquanto mais uma vez ela chora por algo que o filho da mãe do Fenando fez, me quebra. Dói e faz sangrar, mas a essa dor não é nada comparada a dor que seria não poder a abraçar.

Acredito que amei Cecília desde o dia que há conheci, mais de vinte e cinco anos atrás. Ela ainda era uma adolescente, nos ainda éramos adolescentes, mas o meu coração já sabia que a amaria por toda uma vida. Estudávamos na mesma escola, mas em series diferentes, pois eu sou um ano mais velho que ela, mas isso nunca me impediu de observá-la de longe.

Ceci sempre foi meiga e gentil, sempre ajudando quem mais precisava, sempre cuidando de quem ama. Acho que o amor que ela demostrava pelo próximo foi o que primeiro me encantou em sua personalidade e o carinho e a atenção que ela dava para quem quer que fosse fez com que eu me apaixonasse de vez.

Cecília sempre foi a luz mais brilhante onde quer que estivesse e quando o Fernando a deixou eu vi seu brilho se apagar dia após dia, mas foi quando seus pais perderam a vida que ela realmente o perdeu. O brilho de vida que soprava em sua alma apagou-se completamente.

E eu vi a menina que já amava se destruindo um pouco mais a cada dia. Em um ato de coragem, - talvez o mais egoísta da minha vida -, impedi que ela colocasse um final definitivo em seu sofrimento. Não tenho vergonha de admitir que o meu ato foi pura e unicamente um ato de egoísmo. Eu não suportaria viver em um mundo onde ela não existisse. Eu não suportaria viver sem a menina que já era a única dona do meu coração.

O mundo seria um lugar muito pior se ela não mais aqui estivesse. Eu não me envergonho de ter chorado diversas vezes porque a via chorando. Não me envergonho de ter dormido noites sem fim na porta do seu quarto, apenas para ter certeza que ela não sairia sem que eu a visse. O medo de perder Cecília foi meu companheiro em toda a nossa juventude. E mesmo quando ela se recuperou e começou a construir sua vida o medo de perdê-la ainda me acompanhava.

Convivi com esse medo diário até o dia que ela nos trouxe Gael. Ah Gael... Foi nesse dia eu finalmente vi o brilho da vida voltar ao seu olhar. Me apaixonei pelo Gael no instante em que o coloquei em meus braços. O olhar perdido daquele pequeno e indefeso bebê que acabara de perder as pessoas mais importantes da sua vida, refletia o mesmo olhar perdida da mulher da minha vida. Naquele momento eu prometi silenciosamente que cuidaria dos dois com a minha vida. Prometi que os faria felizes.

Doce ReencontroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora