Eve ergueu-se da beirada da cama e caminhou com os pés descalços na direção da pequena varanda suspensa, como naquele lugar fazia muito calor, preferia dormir com as portas de vidro abertas, ao menos as brisas frescas da madrugada quebravam um pouco aquela sensação quente do dia anterior.

Espreguiçou-se um pouco esfregando os olhos e bocejou. Tinha tido uma boa noite de sono, as cortinas brancas dançavam com as leves brisas matutinas, ela trançou os cabelos e caminhou até a cadeira que ficava na pequena sacada.

Aspirou aquele ar puro que se desprendia das gramas ainda molhadas pelo orvalho que caíra durante a madrugada, parecia deliciar-se com ele. A melodia produzida pelo vento suave nas folhas das árvores, juntamente com os passarinhos silvestres eram uma perfeita sinfonia, não se importou de ainda estar apenas com a velha blusa dos Celtics. Puxou a cadeira de metal pintada de branco e sentou para se deliciar com os primeiros raios do sol, pendeu a cabeça para trás e fechou os olhos.

O som agudo da porta do quarto vizinho se abrindo a fez abrir os olhos e endireitar-se, pois não sabia quem estava hospedado ao lado, sentiu os pelos de seu corpo se arrepiarem, não poderia ser Michael, pois levaria como um insulto, a jovem esticou-se e fechou os punhos.

Mas para seu alívio, era apenas o enigmático Charles Bradbury, segurando com uma das mãos o jornal diário e com a outra um copo "de café" presumiu. Um sorriso sorrateiro curvou os lábios de Eve, ele estava tão distraído com alguma notícia que nem sequer a viu, ela se levantou e caminhou até a barra de proteção.

— Bom dia, Charles! – saudou-o com um largo sorriso.

Charles ao ouvir a voz dela acabou deixando o copo cair contra o chão se despedaçando em três partes, Eve não resistiu a uma leve risada e encurvou-se sobre a barra de proteção fria.

Ele lançou um olhar rápido por sobre as lentes de grau de seu óculos na direção da jovem que ainda mantinha um sorriso nos lábios.

— Veja o que me fez fazer. – Resmungou ele sem ao menos retribuir a saudação.

Charles colocou o jornal sobre a pequena mesa de ferro que ficava próximo à barra de proteção e abaixou-se para pegar os cacos.

— Espera, te ajudo. – Informou Eve.

Ele ergueu os olhos azuis na direção dela e se espantou ao vê-la passando uma das pernas por sobre a barra de metal, tentou dizer algo para impedi-la, mas era um pouco tarde, pois Eve já estava com os pés apoiados na borda de fora da varanda suspensa. A jovem estava de frente para ele, apenas com suas mãos se segurava nas barras de ferro atrás de seu corpo.

Charles se levantou em um impulso protetor e com apenas dois passos alcançou a barra de proteção de sua varanda, Eve observava em silêncio com um sorriso enigmático nos lábios.

— Está ficando louca?! – repreendeu-a enquanto estendia sua mão direita para ela. — Não vê que pode cair e se machucar seriamente?! – exclamou um tanto aflito.

Eve pôde perceber um pequeno sentimento de medo da parte dele, mas não se deixou abalar. Recusou sua mão e esticou seu corpo para alcançar a barra de proteção da varanda onde ele estava. Assim que se segurou firmemente com ambas as mãos, a jovem sentiu um vento ousado adentrar sua velha camisa dos Celtics e a levantar fazendo com que boa parte de sua coxa ficasse à mostra.

Ao erguer seu rosto, pegou um olhar atento de Charles, em um impulso colocou ambos os pés na borda da varanda. Naquele minuto, esquisito e atrapalhado, o inglês a agarrou, protegendo-a de uma queda. Não seria bem uma queda fatal, mas a quase dois metros e meio do chão, poderia muito bem quebrar uma das pernas.

Amor  Por AcasoLeia esta história GRATUITAMENTE!