Capítulo - 1

Começar do início

Coragem, serão apenas três semanas e depois tudo voltará ao normal. Encorajou-se mentalmente.

Com passos lentos seguiu por entre aquelas malditas pedras que praticamente engoliam seus saltos caríssimos, sem contar aquele calor dos infernos que estava fazendo, não demorou para que sua tia Suzanne a visse e se aproximasse. Tentou apressar os passos, mas era tarde, ou melhor, era impossível fugir dela.

- Ora, quem é vivo sempre aparece não é, pequena Eve?! - disse aos berros.

Eve sentiu seu sangue congelar por entre as veias, girou sobre os saltos e pôde ver os lábios curvarem num sorriso pálido. Suzanne Ballard Mansur, ou melhor, tia Suzy, era irmã mais velha de sua mãe.

- Tia Suzy! Pois é, quanto tempo, fiquei sabendo de suas férias no Rio de Janeiro, uma ótima escolha. - Respondeu com um sorriso automático nos lábios perfeitamente pintados de vermelho. - Desculpe se não tive tempo de largar meu serviço agitado em Manhattan para ir tomar o chá das cinco, pois ando sempre muito ocupada.

Suzanne encarou-a de cima a baixo, aquela ironia que os integrantes da família "Gooding" herdavam era quase notória. Aproximou-se rapidamente e agarrou-se no braço de Eve, forçando a caminharem juntas.

Ela falava igual à mulher da cobra, Eve apertara os dedos na borda de sua bolsa, de modo que poderia perfurar o couro com suas unhas. A jovem suspirou como se estivesse pedindo por socorro, mas a imagem de sua mãe se aproximando a fez se sentir salva. Marie, sempre impecável com sua aparência, usava um vestido de verão de cor suave.

- Querida, está linda! - a cumprimentou abrindo os braços de forma receptiva, Eve mostrou um sorriso rápido, sabia que não iria escapar daquele abraço. - Não sabe o quanto nos faz falta.

Suzanne abafou uma risada de deboche, Eve franziu o cenho, naquele momento sentiu uma raiva afiada e totalmente inesperada que lhe roubou o fôlego, mas conteve-se. Todos sabiam quais eram os motivos que a mantinham afastada daquele lugar, os erros que cometera no passado e não poderiam faltar, as desavenças que tivera com seu padrasto, Steven. Em sua mente, trazia à tona os flashes da noite que jogara o vinho no rosto de Michael Bolton em pleno restaurante Campground, depois de descobrir sua traição.

- Ora mamãe, não se faça de fingida, sei que Claire apenas me convidou porque sou sua única irmã e o tal inglês é neurótico com essas merdas de superstições. - Disse encarando ambas.

Eve caminhou com passos rápidos na direção do saguão central, Suzanne se aproximou de Marie e pousou a mão sobre o ombro da irmã.

- Imagina quando ela descobrir que o Michael é o padrinho de honra do tal George, terá um enfarte. - Apontou Suzanne.

Santo Deus! Alguém não iria sair vivo daquele casamento!

Eve manteve sua postura impecável enquanto caminhava na direção do saguão, atraindo olhares curiosos para si, como sempre chamava atenção por seu modo de vestir. Ao avistar Claire parou, respirou fundo e girou sobre os saltos, mas acabou trombando com um homem alto que deixou sua taça virar sobre os fartos seios de Eve, que fechou os olhos. Lembrou-se do lema que seu assistente Todd Benson vivia dizendo: "Conte até dez, querida". Mas havia um problema, pois aquela tática nunca funcionava para ela.

- Seu imbecil! - berrou encarando-o dentro de seus olhos azuis. - Acabou de estragar meu melhor vestido, mas que droga.

Rapidamente as pessoas presentes no saguão se voltaram para ambos. Claire, percebendo a movimentação no salão principal, esticou a cabeça para ver quem era, seus olhos se arregalaram ao ver Eve, rapidamente depositou a taça sobre a mesa e correu na direção da irmã que parecia espumar pela boca, seguida por seu noivo George. Um dos garçons entregou um lenço de papel para ela, era tarde, seu vestido estava todo manchado. Claire agarrou o braço de Eve e a puxou em direção à sala privada, fechando a porta atrás de si.

Amor  Por AcasoLeia esta história GRATUITAMENTE!