Fascination

28.2K 1.8K 2.9K
                                    

fascinação (s.f.): ação ou resultado de fascinar; atração irresistível; enlevo, encanto ou deslumbramento.

"O pecado me atrai, o que é proibido me fascina." - Clarice Lispector

Antes mesmo da luz do sol acertar o rosto de Camila, ela já havia acordado com o barulho estrondoso que Keaton fez para puxar as cortinas. A garota soltou um bufo de inquietação e ele riu satisfeito, abrindo as janelas e deixando a brisa gélida entrar no quarto. O loiro se jogou na cama de Camila que se debatia para que ele não tirasse o edredom que tapava seu rosto.

-Sai daqui, bicha! Sai! -Ela grunhiu quase ferozmente e ele gargalhou ao puxar todo o cobertor de uma vez.- Para, Keaton!

-Como eu senti falta desse seu bom humor matinal. -Ele sorriu largo e Camila revirou os olhos, esfregando o rosto inchado pelo sono.- Bonjour, mon enfant.

-Bonjour, mon ami. -Ela resmungou mas sorriu.

Keaton se inclinou para morder a bochecha da garota mas ela o agarrou fazendo com que seu corpo caísse sobre o dela e ele soltou um gritinho histérico quando ela o atacou com cócegas. Ele se contorceu em cima de Camila que rolou pro lado para ficar em cima dele mas então ele a segurou com força e a garota caiu para o outro lado, ainda ouvindo sua respiração acelerada de tanto rir. Mila deixou que ele a envolvesse num abraço apertado e relaxou a cabeça em seu peito.

-Já sabe o que vai vestir? -Ele quebrou o silêncio e a pequena suspirou.- Está um clima gostoso hoje, deu sorte.

-Um frio do caralho. -Ela disse em um tom conclusivo e ele riu pelo nariz.

-Aqui não é Rio de Janeiro, Camila. Hoje está fresquinho, a máxima aqui é quando você usa casaco lá na sua terra.

-Eu trouxe uma porrada de blusa de alcinha. -Ela disse sem evitar o riso, esfregando o rosto no peitoral do garoto que a encarou como se fosse uma idiota.

-Eu te avisei mil vezes, garota! -Ele disse entre dentes mas num tom divertido, dando um leve tapa no braço dela.- Mas pelo o que eu vi a situação não é tão ruim no teu guarda-roupa, então vai tomar um banho que eu vou escolher o que você vai vestir.

-Como é que é?! -Ela levantou o rosto para encará-lo e ele sorriu com gosto.

-Isso mesmo que você ouviu. -Ele a empurrou fazendo com que a bichinha quase caísse da cama.- E vê se não demora porque já estão esperando a gente.

-Kitty… -Ela fez beicinho e respirou fundo.

-Você não vai morrer por tentar, Camila. -Sua voz era séria e sincera. Camila sabia que já estava na hora de voltar para a cozinha mas só de pensar sentia seu corpo inteiro se contrair de nervoso.- Quero que você conheça o restaurante, vou te apresentar pras minhas amigas e eu tenho certeza que você vai gostar.

-É um restaurante, Kitty… -Ela insistiu mas ele negou.

-Você precisa voltar a viver e só isso faz você se sentir bem. Não minta pra mim porque eu sei que você sente falta de cozinhar.

-Você fala como se fosse grande coisa. -A garota escondeu o rosto no pescoço do amigo, seu porto seguro. Ele estalou a língua e acariciou seus cabelos, como sempre fazia quando tentava convencê-la de que estava certo.

-É grande coisa sim, e eu sei o que estou fazendo, Camila. Eu estou sentindo.

-Começou com isso de bicha sensitiva…

-Você vai me agradecer depois.- Ele beijou sua testa e ela bufou feito criança mimada.- Agora vai porque a minha paciência tem limite. -Ele tentou ficar sério mas acabou rindo e Camila lhe deu um longo beijo na bochecha antes de se arrastar até o banheiro.

Spring AwakeningOnde histórias criam vida. Descubra agora