EPÍLOGO

55 6 0
                                                  

          A luz fraca do sol entrou pela janela e refletiu diretamente nos meus olhos, aquilo me incomodou um pouco, mas eu não os abri, o cheiro de remédio misturado com álcool hospitalar enchia todo o lugar e, ao fundo, eu conseguia ouvir o som fraco do que parecia ser um medidor de batimentos cardíacos.

          Do meu lado, eu pude sentir alguém segurar minha mão, eram mãos macias e suaves que me tocavam, elas estavam um pouco frias, mas eram estranhamente reconfortantes.

          — Li...? — Por alguma razão, foi esse o nome que me veio à cabeça. Minha voz falhou e um gosto metálico surgiu na minha boca.

          — Errou — respondeu a voz, parecendo um pouco feliz. — Ela acabou de sair.

          Eu abri apenas o olho direito para que pudesse ver a pessoa que estava ao meu lado, o sorriso que ela tinha no rosto me fez relaxar.

          — Você está bem?

          — Eu não morri? — respondi com outra pergunta.

          Ela sorriu e então disse:

          — A menos que eu tenha começado a ver fantasmas, acho que você está vivo, não é? — Ela deu uma pequena pausa e então começou a explicar. — Liss conseguiu chegar a tempo de se transformar, ela não tinha muita certeza se iria funcionar, mas a recuperação combinada de vocês dois foi o suficiente para parar a hemorragia. Se não fosse por isso, com toda certeza você teria morrido.

          — Entendo... — Não consegui conter um pequeno sorriso.

          — O que foi? — perguntou ela, talvez por ter notado.

          — Nada, só acabei de perceber como essa "coincidência" foi conveniente para mim. — Ela não deu nenhuma resposta, então eu fiz uma pergunta para que a conversa não acabasse. — O Hideo... Como ele está?

          Ela hesitou por um momento e então respondeu:

          — Ele... Ele morreu... O enterro foi ontem...

          Foi então que eu percebi que a Harumi estava vestida toda de preto e os sorrisos que ela dava eram apenas para disfarçar a tristeza.

          — Sinto muito...

          — Não foi sua culpa... — disse ela. — O importante é que você vai ficar bem.

          — Se eu tivesse percebido mais cedo... Talvez pudesse ter impedido.

          — Você pelo menos percebeu... Eu estava morando com ele e nem notei...

          — Não é sua culpa, não era tão simples assim. Talvez, ele realmente tenha preparado tudo para que eu o revelasse.

          — Falando nisso... Como você descobriu?

          — Começou com o anel que encontrei no beco depois da morte da Akari.

          — Aquele que era para tentar me incriminar? — perguntou ela.

          — Sim, me desculpa, mas eu achei que você poderia ter matado ela. Vocês tinham discutido, sem contar que você gostava do Hideo, então eu não consegui evitar. — Ela apenas abaixou a cabeça sem dizer nada. — Foi por isso que fui até a casa dele, eu queria te perguntar algumas coisas, mas quando cheguei lá, você não estava.

          — Foi quando você viu os anéis iguais, não é?

          — Sim, eu vi que ele tinha dois anéis iguais, mas para alguém como ele, que era sistemático com suas coleções, não fazia sentido. Foi então que eu decidi confirmar se era parecido com o que eu encontrei. Você se lembra de como os ideogramas eram, certo? Não seria estranho uma pessoa que não conhecesse muito de japonês confundir os dois...

KaiiOnde as histórias ganham vida. Descobre agora