Capítulo 1

13 1 1

Mais uma vez Tsukiko estava sozinha. Todos os suas amigas acabaram de ir embora. Ela apenas encarava a porta quando seu telefone vibrou, a tela piscando com uma nova mensagem. Ela não pegou o aparelho, contudo. Não havia necessidade de ler; a garota já sabia de quem era e qual o conteúdo da mensagem sem nem olhar para o número.

A essa hora, só podia ser seu pai, dizendo que não estaria em casa para o jantar. Estou ocupado demais com o novo projeto, desculpe, ou algo do gênero. Era a sua nova desculpa. Faz quanto tempo desde que tivemos alguma refeição juntos? pensou ela. Tsukiko sabia que não fazia tanto tempo. Provavelmente semana passada, porém várias vezes ela tivera dificuldade em lembrar que ela não morava sozinha naquele grande apartamento.

Ela suspirou ruidosamente, como se descontasse um pouco de sua frustração. Sabia que não ganharia nada ressentindo, assim, o melhor que podia fazer era pensar no jantar. A geladeira não estava vazia, mas seus dote culinário eram quase nulos, então sua única opção era pedir alguma comida pronta ou comer fora. Não quero pedir jantar pelo telefone de novo... Não só ela pedira quase a semana toda, recentemente ela começou a odiar comer em silêncio total.

Pronto, pensou Tsukiko, segurando a jaqueta e saindo do apartamento. Ela observou as ruas do corredor, sentindo o vento gelado em suas bochechas. De repente, entre tantas pessoas na calçada, ela viu suas amigas passando pelo parquinho na frente de seu prédio. Por impulso, ela se inclinou na grade, colocou o dedão e o dedo do meio na boca e assoprou, assobiando.

Alguns pedestres olharam na direção dela, mas suas amigas não escutaram. Tsukiko respirou fundo e assobiou de novo, dessa vez mais alto. Dessa vez suas amigas ouviram e se viraram. Quando se viram, as garotas acenaram para ela. Até daquela distância, Tsukiko conseguia ver que estavam sorrindo. Tsukiko sorriu e acenou com os dois braços, gritando tchau para elas novamente, sem ligar se incomodava os vizinhos no processo.

Tsukiko continuou acenando para suas amigas até que elas dobrassem a esquina. Quando sumiram de vista, ela abaixou os braços lentamente, o sorriso desaparecendo. Ela observou o parquinho por um tempo, sua mente pensava em qual restaurante ir.

Quando Tsukiko decidiu comer no maid café próximo, algo chamou sua atenção. Um garoto caminhava perto do parquinho com a cabeça baixa, olhando para o chão. Era tão estranho que ela ficou assistindo e, após um tempinho andando em círculos, ele entrou em um dos arbustos, empurrando os galhos para o lado. Ele colocou a cabeça entre as folhas e então a tirou, só para ir para outro arbusto e repetir o ato de novo e de novo.

Já vi ele antes, pensou Tsukiko quando ela finalmente parou de observá-lo. No entanto, não se lembrava de onde o vira, então fechou os olhos e forçou-se a pensar. Ah! Ele é o novo vizinho! Quando o elevador chegou no térreo, ela finalmente o reconheceu.

Não é de se estranhar que levei tanto tempo para lembrar dele. Embora tivesse uma excelente memória facial, o garoto se mudara para o apartamento ao lado há poucos dias, então ela o viu apenas algumas vezes. Ainda que ele tivesse feito uma mesura com a cabeça para ela quando se viram no corredor, eles nunca se introduziram formalmente.

O garoto ainda estava no parquinho, fazendo a mesma coisa em outro arbusto. Quando ela atravessou a rua e passou perto, ele tirou a cabeça de outro arbusto e seus olhos se encontraram. Eles ficaram se olhando por um segundo e depois ele foi para o próximo arbusto enquanto Tsukiko continuou andando.

Os olhos dele... o que foi aquilo? Havia algo naqueles olhos castanhos. Algum brilho que atiçou a curiosidade dela. Não eram solitários, mas havia algo... diferente neles. Será que ficou um pouco embaraçado? Não... não creio que seja isso.

Tsukiko-chan e Taiyou-kunLeia esta história GRATUITAMENTE!