Capítulo 13

2 0 0
                                                  

As duas garotas ficaram caladas, o silêncio incômodo preenchendo o quarto enquanto o tempo passava.

Tsukiko sentava com os dois pés na cadeira, abraçando os joelhos enquanto girava lentamente. Ela mal dissera qualquer desde que Yui chegara.

Por sua vez, a outra garota observou a amiga, deitando na cama quanto ficou cansada de sentar na mesma.

— Tais se sentindo melhor? — perguntou Yui quando não suportou mais o silêncio.

— Sim — respondeu Tsukiko numa voz baixa, sem olhar a amiga. Então ficou quieta de novo.

— Você pegou um resfriado, não foi?

— Não... foi só uma febre. Não tinha pra que faltar dois dias de aula por isso. Mas papai ficou super protetor. — Apesar das suas palavras, Tsukiko sorriu pela primeira vez.

— Pode até falar isso, mas ficou feliz por seu pai ter faltado trabalho só pra cuidar de você — disse Yui e as bochechas de Tsukiko ficaram vermelhas.

— Faz vidas desde que passamos tanto tempo juntos.

Yui abriu a boca de novo, mas então a fechou. Tsukiko percebeu na hora. Ela quer perguntar sobre o Kobayashi-kun e o Taiyou-kun, pensou a garota, mas nada disse. Mas nem eu sei como explicar...

Com um suspiro profundo, Yui coçou a cabeça dela.

— Ei, Tsukiko, vou só perguntar. O que rolou? Você... dormiu ou não com o Kobayashi?

A garota parou de girar a cadeira. Minha melhor amiga é tão considerada e direta ao mesmo tempo, pensou com uma risada vazia por dentro.

— É isso que todo mundo tá dizendo?

— Sim e não. — Yui mordeu os lábios e passou a mão pelo rosto. — Pelo que fiquei sabendo, a irmãzinha do Kobayashi disse que viu vocês dois quase nus na cama dela. Mas os boatos saíram de controle e as pessoas começaram a dizer isso.

— O que... — Tsukiko abraçou os joelhos com mais força. Acho que não posso fugir disso pra sempre... — O que o Kobayashi-kun disse?

— Falou que não era verdade — respondeu Yui imediatamente com a voz firme. — Quando os boatos começaram a sair de controle, fiquei sabendo que ele negou tudo. Mas eu o encurralei e perguntei diretamente pra confirmar. Ele se sentiu péssimo por tudo e disse que a irmã dele era uma babaca.

Apesar de tudo, aquelas palavras conseguiram arrancar um sorriso da garota.

— Ainda que seja verdade, é difícil culpá-la. A gente tava daquele jeito na cama dela... — Tsukiko suspirou. — Pelo menos não é ele quem saiu espalhando isso...

— Então aconteceu algo...

— Sim e não... — Tsukiko soltou uma risada fraca, mas então ficou quieta.

— Você podia... Digo, até Kobayashi se recusou a falar sobre o que aconteceu, dizendo que era só entre vocês dois...

Tsukiko sabia que a amiga queria saber mais de preocupação do que curiosidade. Ela é uma ótima amiga. Tenho sorte de tê-la, pensou a garota com um sorriso gentil.

— Depois do jogo, eu tentei animar o Taiyou-kun, mas acabamos brigando. Falei algo, ele também, e aí eu saí correndo no meio da chuva. Esbarrei no Kobayashi-kun e aí ele me levou pra casa dele pra eu poder tomar um banho. Estávamos usando o secador no quarto da irmã mais nova dele e então acabamos nos beijando...

— Vocês dois... fizeram...? — perguntou Yui após um tempo, escolhendo as palavras com cuidado.

— Não... — Tsukiko lembrou-se daquela tarde. Ela estivera evitando pensar naquilo desde que chorou nos braços do Taiyou-kun. Mas preciso encarar isso alguma hora, disse para si mesma. — Acho que poderíamos ter feito... Se a Aki-chan não tivesse aparecido.

Tsukiko-chan e Taiyou-kunOnde as histórias ganham vida. Descobre agora