6. A fundação de Québec (1608)

2 0 0
                                    

Depois da última tentativa de colonização da cidade em 1543, com o forte Charlesbourg Royal, passaram-se 65 anos para que os Franceses voltassem a tentar colonizar permanentemente a Nouvelle France ou Nova França. Essa é a História da fundação da cidade de Québec.

Por causa da situação política e de guerras que assolavam a Europa, a França muito pouco se interessou em suas terras recém descobertas. Durante algum tempo, a coroa francesa somente se interessava em colocar postos avançados para comércio de mercadorias com os indígenas. Mas no início de 1600, as coisas começaram a mudar.

Em 1603, Pierre du Gua des Monts (busto ao lado), um comerciante influente na corte, recebe o direito de, por 10 anos, monopolizar o comércio na região da Nouvelle France. Mais tarde, ele recebe o título de Tenente General da Nova França. E é em 1608 que Des Monts designa Samuel de Champlain, um explorador e cartógrafo, como Tenente da Nova França.

Champlain convence Des Monts que QUÉBEC era o local ideal para construir não apenas um posto de comércio, mas uma nova colônia. Naquela época, ainda se tinha a esperança de que o Rio Saint Laurent pudesse levar até a China.

Em 13 de abril de 1608, Champlain sai de Honfleur, na França, a caminho de Québec a bordo do navio Don-de-Dieu.

A FUNDAÇÃO DE QUÉBEC

Quando Champlain veio de Honfleur, na França, para colonizar Québec, ele fez uma paradinha em Tadoussac em 3 de junho de 1608. Tadoussac já tinha um posto de comércio e era uma região já muito visitada por barcos pesqueiros. Pensando ser melhor deixar o Don-de-Dieu na segurança de Tadoussac, Champlain vai até Québec com um outro navio transportando o que era necessário para construir a Habitação de Québec.

Em 3 de Julho de 1608 Samuel de Champlain chega onde hoje é a Place Royal, no centro antigo de Québec. É ali que Champlain funda a cidade de Québec!

E Stadacona? Talvez você esteja se perguntando. Bem, fazia décadas que os iroqueses não mais moravam na região. A cidade não mais existia - simplesmente havia desaparecido do mapa. O mesmo havia acontecido com a antiga Hochelaga (atual Montréal). Parece que era comum os indígenas formarem aldeias itinerantes, que durassem algumas décadas antes de escolherem um novo local.

Segundo as palavras de Samuel (em francês antigo):

« Je cherchai lieu propre pour notre Abitation, mais je n'en pus trouver de plus commode, ni mieux situé que la pointe de Québec, ainsi appelée des Sauvages, laquelle était remplie de noyers et de vignes. Aussitôt, j'employai une partie de nos ouvriers à les abattre pour y faire notre Abitation. »

"Eu procurava um lugar ideal para nossa habitação, mas não pude encontrar um lugar mais conveniente nem melhor situado do que a ponta de Québec, assim chamada pelos selvagens, a qual estava repleta de nogueiras e vinhas. Tão logo, empreguei alguns de nossos trabalhadores para cortá-las e no seu lugar fazer ali a nossa habitação." - Tradução livre do trecho anterior.

Como você pode ver, Québec era o nome dado pelos "selvagens", ou seja, pelos indígenas, à Québec. Kébec significava, na língua deles: "l'endroit où le fleuve se rétrécit", ou em português, "lugar onde o rio se estreita".

Ao fundar a cidade de Québec em 3 de julho de 1608, Champlain ordena aos homens que abatam as nogueiras da área e comecem a construir um forte – a Habitation de Québec. Enquanto alguns homens se ocupam em derrubar as árvores e serrar as tábuas, outros vão cavando fossas e valas para a fortaleza. Já outros, voltam a Tadoussac para buscar o resto das bagagens e mantimentos.

Champlain já conhecia bem a região - sabia quão rígido o inverno podia ser. Afinal de contas, eram 6 meses do mais gélido inverno. Eles ainda estavam em pleno verão, mas Samuel sabia que em breve eles passariam pelo pior inverno de suas vidas até então. Talvez por causa disso, Champlain se tornou mais exigente do que nunca.

TRAIÇÃO


Alguns membros da tripulação, dirigidos por Jean Duval, fomentaram um complot para assassinar Samuel de Champlain. Eles queriam colocar as mãos nos mantimentos e mercadorias da nova colônia, vendendo-os para os Bascos e Espanhóis, e depois fugir para a Espanha a bordo de um navio pesqueiro.

Duval conseguiu o apoio de 4 outros conspiradores, incluindo do chaveiro Antoine Natel. Eles se comprometeram a subornar todos os seus companheiros. Mas, pouco antes do plano ser posto em prática, Antoine Natel ficou com uma crise de consciência (ou medo) e delatou seus companheiros ao capitão Testu obtendo assim o perdão de Champlain.

Na mesma noite, Champlain fez com que os quatro traidores restantes fossem atraídos a bordo de um barco sob o pretexto de lhes oferecer algo para beber. Não deu outra, foram presos. Não demorou muito para que todo mundo fosse abrindo o bico. Os líderes do esquema foram denunciados. Champlain formou um conselho composto por François Gravé, Testu, Bonnerme (o médico da nova colônia) e alguns oficiais de navegação.

Os líderes do complot foram julgados e condenados à forca. Duval foi enforcado imediatamente. "A cabeça dele foi pendurada numa lança e exibida em um local elevado do Forte", como lembrete a todos aqueles que ousassem questionar a autoridade de Champlain ou roubar os mantimentos da nova colônia.

Os outros três foram enviados à França, para Pierre Du Gua de Monts julgá-los. O motivo, segundo os registros, era que a "mais ampla justiça lhes fosse feita".

A HABITATION DE QUÉBEC


Para proteger os colonos das intempéries do clima, do forte inverno e de possíveis ataques de indígenas e de outros, Champlain estabelece como prioridade a construção da Habitation. Ela seria a sede administrativa da nova colônia - pelo menos por um tempo. É ali que a maioria iria dormir ou buscar refúgio até que outras moradias ou construções fossem terminadas.

Em setembro de 1608 a construção da Habitation estava concluída. A consideravelmente grande construção passaria a exercer o papel administrativo, comercial, de alojamento, armazenamento de alimentos e o de defesa.

A Habitation ficava localizada exatamente no que hoje é a igreja Notre-Dame-des-Victoires (Nossa Senhora das Vitórias) na Place Royale, no centro velho de Québec. Em décadas recentes, pesquisas arqueológicas descobriram as bases da fundação da segunda Habitation de Québec, da qual falaremos mais adiante. Ao passear pela Place Royale, observe em frente à Igreja, no chão. Ali você encontrará demarcações em pedra mostrando os muros e uma das torres da edificação.

Parece que tudo estava pronto para que os primeiros colonos enfrentassem o temível inverno québécois. Gravé retorna à França em 18 de setembro de 1608. Ao todo, além de Champlain, 28 homens ficam na Habitation para protegê-la e prosseguir com a construção da nova colônia. Mas o inverno daria suas caras e uma grande tragédia estava prestes a acontecer.


Uma introdução à História do Canadá e do QuébecOnde as histórias ganham vida. Descobre agora