Capítulo QUINZE

79 13 4

-Eu irei por esse aparelho em você. É o mesmo que coloquei na Rouge para saber qual o poder dela. Ele não mente. E é a partir dele que nós iremos começar os treinamentos de acordo com seu poder.

-Tudo bem.- Ela se deita fechando os olhos antes de hesitar.

E então aconteceu. Águia soube qual era de verdade o poder de Sol, através de uma visão.

-N-não! Não pode ser! Não pode!!- ele tira o aparelho apavorado.- O que é você?
Águia se levanta e põe as mãos na cabeça.
De repente ele se vira e encara Sol:
-Você não pode deixar isso acontecer. Sol, você não pode!- ele grita com lágrimas nos olhos.

-Eu não posso fazer nada para impedir.- ela fala, neutra.
-Você pode sim! Sol, se isso acontecer você vai em bora deste lugar, pois estamos treinando pessoas de bem.
-Então irei em bora de qualquer jeito. Eu não posso deixar que eles me descubram! Você entende? Eu não p-o-s-s-o! Se eu impedir, eles irão saber quem sou. Eu confio em você. Agora só você sabe disso, além de mim.

-Temos que fazer de tudo para que essa tragédia não venha acontecer. Temos que protegê-la. Nós dois, temos que proteger ela.
-Eu achei que vindo pra cá, iria ficar bem. Iria solucionar meus problemas. Mas não, eu só estrago tudo. - ela chora.

Ele a abraça e acaricia o seu rosto com o polegar.
-Vai ficar tudo bem. Eu não irei deixar que nada de ruim te aconteça.
-Mesmo que eu queira?
-Eu falei que isso só depende de você. Se você se revelar, eles vão descobrir quem é você, mas eu irei te proteger.
-Obrigada, Águia. Eu te desprezei e nem sabia o que estava perdendo. Você é uma ótima pessoa.
-Estou aqui para ajudar. Por hoje é só. Amanhã você vem novamente para podermos começar os testes. Mas eu estou aqui a qualquer hora, se precisar de algo.
-Tudo bem. Eu agradeço, mais uma vez. E não conte a ninguém.- ela se despede.

No fim da tarde daquele dia, Sol tenta descascar.
-Sinto saudade da minha mãe, da minha irmã e de todos os meus amigos.-Rouge fala para ela.
-Hum...- ela começa a falar deitada na cama.- E seu namorado?
-É um namoradinho da turma. Ele deve estar com outra agora...
-Caminho livre para o Big.
-O Big?
-Não diga que você não notou que ele tá de paquerando.
-Não reparei. Mas ele não faz meu tipo. Eu acho que tô gostando do Bala.

Sol estremesse.

-O Bala? Mas você nem o conhece!
-Na festa, depois que você saiu, ele foi minha companhia. A gente dançou muito e ele falou que gostava de mim. Depois que cheguei no quarto, ele me beijou e mandou eu pensar em algo: Num relacionamento sério entre nós.
-Não acredito! Sério isso?
-Pois é. Eu ia te falar, mas você tava tão atordoada. Eu nem sei se gosto tanto assim dele pra termos algo sério. Mas que estou gostando, estou.

Depois de algum tempo Sol responde :
-Toma cuidado.
-Eu sei, ele pode me machucar...
-O que?- Sol pula da cama.
-Me machucar... Garotos fazem isso.Não é?
-Ah, sim. É... É, toma cuidado.- ela fala aliviada.
-O que tá acontecendo com você?
-Comigo? Nada. Eu só estou digerindo tudo o que ta acontecendo. Tento evitar o Vicente, não tento evitar o S1 e agora o Águia me treinando.
-Ele tá um gato! Parece um anjinho.
-Eu nem ligo pra isso. Eu tô com sérios problemas. Achei que eles iriam ser solucionados, mas não. Cada dia aqui, neste lugar, é uma bola de neve que vai descendo e crescendo. Uma hora vai parar. E quando parar, vai causar um enorme estrago.
-Nossa, amiga! Eu tô aqui, tá?
-Rouge. Aconteça o que acontecer, foi bom conhecer você. Vou guardar você para sempre em meu coração.

As duas se abraçam.
- Não se preocupe. O bem sempre vence o mal.

-Tomara que sim.

* * * *

-Conversou com ela?

-Sim - ela mal olha para ela.
-E então? Eu tava certa, não tava? Ela muda ou não muda o destino?- ela pergunta ansiosa.
-Não sei. Preciso de mais dias. Eu ainda estou treinando-a.
-Mentira!- Ela o encara- Você sabe que não pode mentir.
-E você não pode me chamar de mentiroso. Eu estou falando a verdade. Creia você ou não.
-Águia! Essa menina pode mudar as atitudes da gente. Ela deve ter feito isso com você.
-Saia daqui, Alma Negra. Se não acredita em mim, então é melhor parar por aqui.
-Eu irei, mas saiba que vou desmascarar aquela cigana maldita. Com ou sem sua ajuda.

* * * *

Big e seu grupo, que eram cinco, estavam se exercitando no campo de provas.
- Você aí, magrelo. Venha aqui!- S1 o chama.
-O que foi?- ele fala andando como sempre: Desajeitado, quase mancando.
-Tem visto a Sol?- ele pergunta olhando para os lados.
- Não, senhor.
-Sabe por que ela anda sumida?
-Ela não anda sumida, senhor. Tvez só esteja o evitando.- ele provoca.
-Saia daqui infeliz.- Big começa a andar.- Mas se a encontrar ou se ela quiser me ver, me avise.- ele grita.

- Ah eu vou avisar, sou seu pombo-correio - Big fala para si mesmo, distante de S1.

Já fazia três dias que S1 não vira Sol. E fazia três dias que ele aturava Vicente. Poucas pessoas sabiam do ocorrido da festa. E não seria legal dois lideres brigarem por uma integrante.

* * * *

- Como ela está, Águia?
-Está indo bem.
Os olhos de Shirla estavam mais cinzas e brilhantes.
- A minha visão estar perto de ser cumprida. Preciso cuidar dos novatos e preparar ainda mais os veteranos.
-Sim, concordo.
-Não podemos formar maus soldados, Águia. Você me entende?
-Sim, entendo.
-Não me conformo em ser traída, Águia.
-Jamais irá ser traída. Pelo menos não por mim.
-Eu gosto muito daquela menina. Mas desde que Alma Negra me alertou sobre ela, fico com um pé atrás. E você sabe que a Alma Negra tem razão.
-Eu tenho que ir. É hora de mais um teste com ela. Logo a última fase irá começar. E essa fase promete.
-Por causa dos grupos?
-Sim. Os integrantes são fortes. E nunca vi outros grupos iguais aos deles. Eles passam de fase com muita eficiência.

* * * *

-Bom dia - ela fala entrando na Sala de Águia.
-Bom dia. Se sente melhor?
-Mais ou menos. Eu ainda não sei como colocou aquele sapo na minha visão. Eu acabei acordando, puro instinto.
-Tô te treinando, mocinha... - ele ajeita algo no balcão.- Já ta acabando.
-Como será essa última fase?
Ele vira para Sol que está sentada num banco branco.
-Vocês ficarão no campo durante três dias. Vão se dividir em dois grupos e lutar juntos. Depois, o grupo que vencer ira para a próxima etapa.Cada um terá que lutar com cada um. Irão morrer.- Ela arregala os olhos- Calma, é tudo uma simulação.
-Quantos vencem?
- Não sabemos. Mas nós sabemos do que vai acontecer nessa fase. A tragédia. A sua "visão", que você sabe que não é tanto uma visão.
-Céus!
- Você sabe que não é, pois você pode mudar o que vai acontecer.
-Mas se eu mudar, vão me descobrir.
-Prefere que ela morra ?
-Prefiro não ser descoberta.

Ele não rebate.

-E se eu não impedir? - ela começa a perguntar.- O que acontece comigo?
-Eu não sei. Você pode esperar o pior, disso eu sei. Mas tente ser a heroína desta história, Sol. Tente!

-Além de você, alguem mais sabe sobre... Eerr... Sobre mim?
-Não. Sou o único que sabe sobre você, sobre sua história e do que você é capaz. Porém sou obrigado a registar tudo. Não se preocupe, somente eu tenho acesso à está sala.
Ela respira aliviada.

-Águia.
-Diga.
-Por que ? Me diz, por que você me protege? Por que eu? Eu sou um monstro. Eu sou uma bomba. Sou ruim. Mas você é doce, é do bem. E cuida de mim. Por que faz isso?

Águia não fala nada. Ele abre uma gaveta velha e tira uma pílula branca.
Põe em sua boca e espera alguns instantes.
-O que é isso? O que está fazendo?- Sol pergunta de pé.

Águia levanta a cabeça e Sol sente uma energia diferente.

-Descubra você mesma a resposta.- ele fala, tenso.

CLARIVIDÊNCIA- Senhorita DestinoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora