Capítulo DOIS.

280 29 14

Vicente se sentou em um banco de madeira e logo seu corpo pálido se escureceu em um tom igual ao do banco. Sol fechou sua mão direita e fez um "toc toc" no braço de Vicente.
- Ual! Você é tudo o que toca.- Falou Sol.
-Estou tentando me aperfeiçoar.- Respondeu Vicente mal podendo falar pois seu rosto era duro como um tronco de uma árvore.
-Me diga por que veio até aqui, por que quer falar comigo?-
-Pensei que você soubesse. - Disse Vicente.
-E eu sei. Mas eu quero ouvir você me contar, para que minhas visões se cumpram. -
-Ah, entendi. -
-Tá vendo?-Perguntou Sol.
-O que?-
-Se cumpriu o que eu tinha visto. O seu "Ah, entendi". -

Por três ou quatro segundos Vicente apenas olhou para Sol.

-Existe um grupo perto da grande floresta da cidade em que nós estamos entendendo quem somos e o que temos.- Explicou Vicente. -Nós temos poderes ou alguma habilidade fora do comum e é lá onde treinamos e tentamos nos ajudar-
-Diga de novo-
-O que ?- Perguntou ele.
-"Nos ajudar"-

Por dois segundos Vicente olhou e dessa vez sorriu para Sol.

-Nos ajudar.- Ele repetiu.
Sol levantou um lado da boca. Ela queria sorrir.
-Shirla me enviou até você. Deve saber quem é ela... suas visões...-
-Não sei, acredite.-
-Ela é nossa "mãe". A criadora da RESERVA .-
-RESERVA?-
-RESERVA é o nome do nosso grupo, do lugar onde temos apoio , onde vivemos onde aprendemos todos os dias quem somos.- Ele explicou.
-E o que vocês querem comigo ?-
-Você sabe. Você sabe que precisa de nós. Precisa de mim. Aqui estou.-
-Como descobriu que eu tenho "habilidades" fora do normal?-perguntou Sol.
-É isso que a RESERVA faz, rastreamos por meio do colar da Jasmine que funciona como um GPS. -
-Quem é Jasmine e que colar é esse ?-
-Venha comigo agora e irá saber de tudo isso e muito, muito mais.-
-Que proposta agradável.- Concordou ela .

Sol saiu da tenda e mandou Vicente esperar.

-Eu só irei pegar minhas coisas que já arrumei para partir.-ela disse.

Sol voltou a clã, encontrou Ana Clara e disse:
- Não tenho Mãe e nem Pai.Até logo!-
Sem entender o que estava acontecendo Ana Clara deu Tchau com a mão.
Sol sabia que aquela era a hora de deixar suas regrinhas de convivência e finalmente respondeu a curiosidade de Ana Clara, aquela que talvez nunca mais irá ver Sol.

-Flavia, obrigada por tudo minha amiga. Eu aprendi muito com você. Nunca esquecerei de você. Nem desse lugar onde fui tão feliz. Mas, como você sabe, eu preciso solucionar meu problema, que nem sei se é mesmo um problema. Mas agora "ELE" chegou. O Moço alvo chegou com a solução.
Adeus minha amiga, espero voltar logo e quero voltar solucionada!- Sol falou para sua amiga. Ela sentiu. Sentiu então a dor de deixar alguém.

Flavia respirou fundo, suas lágrimas caíram no ombro de Sol ao abraça-la.

Vicente chamou Sol.Ele disse que estava na hora de partir. Os dois seguiram a caminho da RESERVA.

-Por que RESERVA?- Perguntou Sol.
-Pensei que sabia todas as respostas.- Ele disse.
-Eu tenho visões e não o poder de entrar na mente dos outros. Como sabia que sou vidente ?-
-O Colar nos mostra onde estar o poder e qual é o poder.-
-Esse colar então é super importante. Quem o tem deve ser importante também. -
-Todos nós somos importantes, Sol. Somos poderosos!-
-Por que RESERVA?- Novamente perguntou Sol.
- O nome já diz tudo. Shirla está nos reservando.-
-Para o que ?-
-Reza a lenda que o que vem por aí não será nada legal.Chagará um tempo em que nós seremos descobertos . O mundo de normais entrará em discórdia com a gente e para este dia temos que estar preparados. Por isso temos treinamento.-
Sem acreditar, Sol soltou uma breve risada.
-Quem falou isso? Foi essa tal de Shirla?- perguntou ela.
-Sim. Ela é vidente, assim como você.-
Sol abril a boca, mas nada disse.

Vicente e Sol estavam agora em um barco. Sol tirou os enfeites que pôs antes do encontro que teve com Vicente na tenda. Guardou-os em uma de suas bolsas de pano.
Era a bolsa mais antiga e mais bonita.Tinha desenhos recentes de flores. Flores de todas as cores. Flores de todas as flores.
Vicente observou tudo isso e concluiu que aquela era "A Bolsa de Sol ". A bolsa preferida dela.E era.

-Vai ter outras roupas lá.-Avisou ele.
-De couro ? Que nem as suas?-
-Se quiser... Você é muito bonita, mas esses cabelos são muito... longos. Muito longos.-
-Não me interessa.Essa sua opinião a respeito do comprimento do meu cabelo. Tô nem aí pra ela.-
Vicente sorriu.E gostou de rir. Ele ria poucas vezes.
Trocando de assunto, ele falou:
- Você soube meu nome antes mesmo deu saber o seu-
-Sol, meu nome é Sol.-
-Eu ouvi chamarem seu nome. Já sei que é Sol.- Ele riu. Ele ria muito na presença de Sol.- As outras ciganas tem visões também ? -
-Não, elas não são iguais a mim. E tenho certeza que essa "Shirley" também não seja.-
-Claro que não é. Ninguém é igual a ninguém. E o nome dela é SHIRLA.-
-Quando chegaremos?-
-Ao anoitecer, mas não tenha pressa.-
Vicente era claro demais, tinha cabelos, olhos, dentes e até seus cílios eram muito claros.
-Você quase nascia albino.- Observou Sol.
-Tenho familiares albinos. - Ele disse, rindo.
Pra variar.
Ou não.

CLARIVIDÊNCIA- Senhorita DestinoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora