ABUSO DE PODER

83.2K 1.1K 688
                                    

— João Ribeiro Xerxes e XDS S.A.* — De dentro da sala de audiências escuto a servidora chamar as partes.

Em instantes, vejo adentrar a sala, para a primeira audiência desse processo, o Senhor João juntamente com seu advogado e, depois, o preposto da empresa e, logo atrás dele, a advogada da XDS S.A, que é a última a entrar. Naquele momento, meus olhos se deparam com a advogada mais linda que já havia entrado naquela sala de audiência! Tenho certeza de que nunca a tinha visto no fórum, porque não esqueceria facilmente aquele rosto!

Ela está usando uma calça preta, um terninho também preto com uma blusa rosa por dentro. Nos pés, percebo sapatos scarpin de salto alto na cor preta. Nos minutos em que todos tomam os seus lugares, fico imaginando como ela deve ser por baixo daquelas roupas. Há certos momentos que não consigo controlar meus pensamentos.

Em poucos minutos, a mulher já havia despertado em mim um desejo irrefreável. No entanto, é preciso concentração, até porque sou a juíza dessa Vara, a autoridade máxima dessa repartição pública. Não posso, portanto, perder o controle e deixar o tesão pela advogada transparecer. Isso seria inadmissível! Desse modo, tento me concentrar na audiência, iniciando-a tão logo as partes se sentaram, pois não podia deixar minha imaginação criar asas.

A audiência então se inicia com a devida qualificação das partes. Em seguida, faço a oitiva delas e sempre que a advogada fala, principalmente, quando se reporta a mim, chamando-me pelo pronome "Excelência", meu tesão só aumenta, mas não posso me desestabilizar!

No momento em que ela começa a fazer perguntas para o Senhor João, eu a observo sem demonstrar o excessivo desejo que estou por ela. Tento manter meu rosto impassível, mas acabo cruzando minhas pernas, contraindo uma coxa na outra. A imaginação quer fugir do controle, mas a trago de volta e continuo conduzindo a audiência com seriedade.

— Sem mais perguntas, Excelência. — A advogada diz finalizando suas questões.

Posteriormente, mando entrar as testemunhas para inquiri-las e a luta entre razão e desejo continua dentro de mim. Em alguns minutos, a audiência termina e a Dra. Carmen é a última a sair, o que me faz ter mais tempo para admirá-la.

Quando ela caminha em direção à porta, depois de me dar um "bom dia, Excelência", contemplo seu corpo, mesmo totalmente vestido. Entretanto, não me satisfaço somente em admirar. Quero vê-lo nu e me deliciar com ele! Como a audiência havia acabado, permito-me fantasiar uma pouco com a advogada. Quando estava me imaginando tirando a parte de baixo da roupa dela, meu assistente entra na sala de audiências para falar comigo e tenho logo que me recompor.

Como aquela foi a última audiência do dia, logo depois que falo com meu assistente, eu vou-me embora. A advogada não quer sair dos meus pensamentos! Grudou feito chiclete! Chego ao meu apartamento e rapidamente me dirijo ao banheiro para tomar um banho gelado. Enquanto deixo a água escorrer pelo meu corpo, penso em Dra. Carmen e a minha excitação aumenta ainda mais. Passeio minhas mãos pelo meu corpo, me ofertando toques lascivos, que me proporcionam um intenso prazer, sempre imaginando que é ela quem está me acariciando. Em seguida, penetro os dedos da mão direita em mim e, avidamente, os dedos da outra mão fazem movimentos circulares no meu clitóris intumescido. E, em instantes, chego a um intenso clímax com Carmen preenchendo meus pensamentos.

Mesmo assim, o tesão ainda fica me consumindo por inteira e não consigo parar de pensar nela. Um pensamento fixo, que parece até que virou obsessão, se instala no fundo da minha mente: foder Dra. Carmen em meu gabinete!

***

Após dois dias da audiência, estou eu sentada à minha mesa, no meu gabinete, assinando algumas sentenças e despachos, finalmente concentrada, quando meu assistente bate à porta, entra e pergunta:

CONTOS ERÓTICOS LÉSBICOS - Livro IIOnde as histórias ganham vida. Descobre agora