A little less conversation

113 17 29

"Um pouquinho menos de conversa"


Estar sozinha, à noite, em casa, garantia a Allegra uma tranquilidade com a qual ela não sabia muito bem lidar. O silêncio era um presente, ela quase podia ouvir a paz cantando pela casa. Sem as irmãs e a madrasta, ela teria, enfim, sossego para alimentar seu próprio sonho.

Encarou a tela do computador, onde Elefantes não sabem amar, seu romance escrito às escondidas, na calada da madrugada, a encarava de volta. Eram quase dez horas. Ela tinha pouco mais de duas horas para finalizar a formatação do documento e enviá-lo para um concurso literário. Tinha pouca fé de que seu livro seria selecionado, mas quase ninguém sabia que ela estaria inscrita, então não seria tão duro lidar com a frustração depois.

Uma chamada de voz pelo Whatsapp a distraiu da sua tarefa. Era Verônica, sua melhor amiga.

"E aí, gata? Já mandou o livro? Posso ir aí?"

"Não terminei ainda. Mas estou quase. Quando eu terminar, eu te chamo, pode ser?"

"Claro." Ela já ia desligar, quando Verônica continuou: "Ei, mais alguma notícia do Senhor Admirador Secreto?"

Allegra sorriu. Não fazia nem dez minutos que um email de Orfeu tinha chegado em sua caixa de entrada.

"Eu recebi um email novo, mas nem se empolga que eu ainda não li."

"Não tem problema, gata. A gente lê junto quando for aí, tá?"

"Verônica, você é impossível."

"E você não vive sem mim, né?"

Quando desligou, Allegra teve o impulso de abrir o email e dar uma espiadinha rápida. Ela teria ainda uma boa margem de tempo antes de o prazo expirar. Balançou a cabeça em negação: melhor terminar a edição do arquivo com folga. Já achava que tinha deixado tudo para muito em cima da hora. Mas com o trabalho de edição dos vídeos das irmãs e a cobrança da madrasta para que tudo saísse perfeito, além dos trabalhos e provas da faculdade, era difícil tirar um tempo para si mesma. Voltou a atenção para o arquivo aberto à sua frente.

Sua concentração durou exatos quinzes segundos, até que o som de A little less conversation invadiu o quarto: era a voz de Elvis anunciando uma ligação. Puxou a tela do celular, onde o nome da madrasta aparecia.

"Allegra, graças a Deus. As meninas precisam da sua ajuda."

As meninas, no caso, eram suas irmãs. Quer dizer, não eram irmãs de verdade, nem de pai nem de mãe. Quando seu pai se casou com Maura Domenico, ela trouxe junto consigo as duas filhas gêmeas, Pâmela e Melissa. Aliás, a vinda delas causou uma verdadeira revolução na vida de Allegra: por mais que o apartamento tivesse quatro quartos, ela se viu expulsa do seu próprio quarto e realojada num quarto menor, porque as duas meninas brigavam para ver quem ficaria com o quarto maior. Como existiam dois quartos do mesmo tamanho, e outro quarto menor, Maura achou que seria uma boa ideia colocar Allegra no quarto menor e deixar as irmãs com os quartos do mesmo tamanho.

"Você não conseguiria levar um pau de selfie pra elas lá no edifício Mirage?"

"Agora, dona Maura?" Allegra não conseguia acreditar no que ouvia.

"Ai, filha, é o primeiro evento de youtubers que elas participam. Você sabe o quanto isso é importante pra elas. Pra nós. Nosso dinheiro todo tem vindo das ações que elas estão fechando com os patrocinadores."

Allegra: antes do playLeia esta história GRATUITAMENTE!