Caminhada

24.2K 721 64

Mais um dia começa ao toque do despertador berrando para avisar que está na hora de acordar pra vida, cubro o rosto com o cobertor e desejo que seja um sonho e que eu ainda tenha um tempo a mais para dorm... espera... hoje é domingo! Então nada de trabalho!

Mas ja que acordei... vou aproveitar para fazer algo nesse fim de semana.

Sento-me na beira da cama e fico cambaleando, -meio dormindo, meio acordada- dou um salto e estendo os braços acima da cabeça para espreguicar, ando lentamente ate o banheiro, olho para o espelho e vejo no reflexo uma garota de cabelos castanhos e curtos de olhos cor de mel com a boca marcada de saliva "eca, eu babei" - falo para o espelho- "eu hein, ja fui mais bonita, to pálida. Preciso sair!"

Tomo um banho e escovo os dentes e decido ir até o parque da cidade andar um pouco, ler, e tirar umas fotos para postar no Instagram com a legenda nada a ver (amo fazer isso).

Coloco uma bermuda jeans, camisa larga branca e um boné preto. Pego a mochila e coloco algumas coisas dentro, como o ultimo livro que comecei a ler, uma toalha de pic nic, um maço de cigarros, biscoitos, chocolate e duas barrinhas de cereal, afinal, tenho que me alimentar "bem" (risos). Calço o chinelo e fecho a casa. Mencionei que moro só ?! Acho que não.

Eu não gosto muito de apresentações, acho desnecessário, quero que as pessoas me conheçam ao longo do tempo e tirem suas próprias conclusões sobre quem sou. Assim, sempre serei alguém diferente na opinião de cada um que me conhecer.

Mas... darei alguns detalhes sobre mim: tenho 19 anos, completei faz alguns dias, gosto de ler, andar de skate, fumo quando estou pensativa ou nervosa e sou lésbica. Não sei bem ao certo quando decidi que "sairia de Nárnia", mas sempre tive atração forte por garotas, tentei gostar de meninos.. Não rola. Apenas, não é a mesma coisa... sabe ?! Nem sei explicar.

Enfim, tenho que ir andando, ja passa das 9h00. O sol não está forte e isso me dá forças para acreditar que pode ser um ótimo dia, já que não gosto muito de calor. Respiro fundo, coloco os fones de ouvido e saio de casa com o pé direito.

O parque não fica muito longe e após uns 10 minutos de caminhada avisto as árvores e o enorme portão de entrada do bosque.

Vou diminuindo o ritmo dos passos pois há muita gente saindo e entrando lá. Em meio à essa multidão eu sinto um perfume suave de cereja, o cheiro me domina e eu paro imediatamente, começo a procurar a fonte desse aroma, é tanta gente que eu não sei de onde ele possa vir.

Pisco várias vezes como se estivesse acordado de um transe... Então entro.

Sigo andando de cabeça baixa pensando comigo mesma "o que foi aquilo ? Uau! O que um bom perfume não faz hein?!".

Encontro uma árvore um pouco afastada onde é possivel ver que há sombra e que a grama foi recém aparada, abro a mochila e tiro a toalha, estendo sobre o chão e deito... fico um bom tempo olhando para os seus ramos enquanto escuto Lego House de Ed Sheeran, gosto dessa música.

Viajando em meus pensamentos algo me lembra que eu deveria estar lendo meu livro. Abro a mochila ainda deitada, apalpo por dentro e o encontro, abro onde estava marcado e mergulho para as aventuras que me aguardam naquelas páginas. Me entrego totalmente ao livro quando começo a ler...

O tempo passa e percebo pela sombra da árvore que ja vai ficando tarde, mas não quero parar de ler.

De repente sinto a aproximação de alguém.

Abaixo o livro e vejo uma garota ruiva de vestido branco com bolinhas rosas ajoelhar-se perto de mim.

- Oi.

- Ah, oi. - respondo meio sem graça.

- Desculpe me aproximar assim, é que eu estava sentada ali com meus amigos e não deixei de notar que você ficou praticamente o dia todo sozinha... - ela falou como se estivesse com pena.

- Eu gosto... e não me sinto só quando estou lendo... - não queria parecer anti social, mas também nem a conhecia, então não soube como tratá-la.

- Tudo bem... É só que... - ela olhou para o chão - esse livro é legal. - devagar ela foi se levantando e virando de costas para voltar até seus amigos.

- Não, espera. - sentei- me cruzando as pernas, ela foi amigavel comigo e eu nem perguntei seu nome.

- Oi ?!

- Pode ficar aqui... se quiser... desculpe por falar pouco, sou assim com estranhos.

Ela ajeitou uma mecha de cabelo atrás da orelha sorrindo e então uma leve brisa passou... trazendo novamente aquele cheirinho de cereja. Fechei os olhos e me permiti apreciar aquele vento tão bom...

- Você ta ai ?! Ooooi ?!

Senti um leve toque no ombro.

- Ah... foi mal. É que desde que cheguei aqui senti um perfume leve de cereja, e eu amo cerejas...

Ela cheirou seu vestido e riu.

- É o meu perfume. Tá tão forte assim ?! - perguntou-me fazendo uma careta.

- Não! É que eu gosto... de... cerejas. Então me chamou a atenção. - comecei a sorrir desajeitadamente.

- Você parece ser uma pessoa legal... ??? - ela fez um gesto com a mão e eu percebi que deveria dizer meu nome.

- Cris... Cristina Collins. E você ??

- Olive . - ela estendeu a mão.

Eu a apertei e senti como se uma corrente elétrica passasse pelo meu corpo todo fazendo eu me arrepiar. Então soltei rápido.

Nesse meio tempo os amigos dela começaram a chamá-la.

- Bem... Cristina, tenho que ir.

Então ela se levanta e ajeita o vestido, tirando alguns raminhos de grama que haviam agarrado nela. Na metade do caminho ela vira e dá um "tchauzinho".

- Me procura no Facebook! O sobrenome é Kingsley! Não esquece!

Eu só aceno de volta e fico apoiada com as mãos para trás.

Sinto que o clima está esfriando e acho melhor voltar pra casa, arrumo as coisas na mochila, pego uma barrinha de cereal e saio andando, pensando comigo mesma "que mina loka" deixo escapar um sorriso bobo...

Acho melhor adicionar ela no Facebook antes que esqueça, digito o nome Olive Kingsley e para a minha sorte só aparece ela, começo a bisbilhotar o seu perfil e vejo que ela gosta de quase as mesmas coisas que eu! Temos bandas, filmes, músicas e livros em comum.

Não demoro muito à chegar em casa, me encaminho direto ao banheiro e ligo o chuveiro, um bom banho quente é tudo o que preciso agora.

Quando saio do box com o cabelo pingando vejo o celular com a tela acesa, desbloqueio e tenho uma mensagem no Facebook...

"Oi garota solitária."

Era a Olive.

Meu coração palpita e sorrio.

"Oi cerejinha." - Respondo-a.

Ela demora um pouco e eu acabo adormecendo...

Mais Que Um RomanceLeia esta história GRATUITAMENTE!