Capítulo Três.

3.1K 151 31
                                    

Riley. 

            

O longa sessão voou. Perguntei pergunta atrás da outra, tudo o que eu sabia as respostas. Eu estou querendo saber quanto tempo eu vou ser capaz de enganá-la com isso. Eu estou esperando que meus conselheiros não percebam antes dela.

            

Aqui eu me sento, 20 minutos após a sessão acabar, divagar sobre os programas de software para parar ela. Me alegra que ela não sabe tanto quanto eu, mas ela ainda está convencida de que ela deveria ser minha tutora. Eu jogo a parte bem, eu acredito. Balançando a cabeça e parecendo estar escutando suas extensas respostas.  

            

A verdade é que eu não quero deixar esta sala. Eu estou curtindo a companhia desta estranha garota muito mais do que eu tinha imaginado. Ela é animada e boba e ela não parece ter qualquer tipo de filtro com suas palavras e pensamentos. Ela é inteligente, não muito inteligente, mas ela é brilhante. Ela está opinativa, mesmo furiosa com a ideia de uniformes, quando ela acidentalmente marcou sua camisa branca com uma caneta.

            

Além disso, ela é engraçada. Ela faz rostinhos quando ela está falando a exagerar seu ponto. Sua companhia é a melhor que eu já tive em um tempo e eu não sinto o peso de ser pressionada para falar com ela. Eu gosto de silêncio, às vezes, claramente ela não gosta, mas ela parece estar bem com os meus acenos e sorrisos quando eu apenas não respondo. Uma hora com ela e me sinto relaxada, mas alegre de sua energia constante. Eu não tenho qualquer razão para pensar que ela está sentindo o mesmo, ou se ela gosta de mim dessa forma. 

            

Eu só vou dizer isso, eu não tenho nenhuma razão para pensar que ela é gay. Eu não pedi nada a ela para me levar, de uma forma ou de outra, e ela agarrou não exatamente a minha gola e pressionou seus lábios nos meus. Não que isso é o que qualquer pessoa normal faria depois de uma hora de tutoria. Foi apenas um pensamento.

            

Eu decido sondar um pouco antes de sermos forçados pelos zeladores para seguir nossos caminhos separados. Eu olho por cima da mesa e ela está aplicando gloss para os lábios, apenas cor suficiente para fazê-los brilhar sem exagerar. Simples, mas eficaz.

              

"Quer um pouco?" Ela diz e eu salto um pouco. Ela reparou em mim olhando. É claro que ela reparou. 

              

"Uh, o quê?" 

              

"Gloss, você quer usá-lo?" Ela oferece, estendendo a mão com o pequeno tubo de repouso em sua palma. 

              

Eu calmamente ri: "Não, eu não sou realmente um tipo de menina que usa brilho labial pegajoso.”

              

Ela balança a cabeça, abre o tubo e marca a minha mão com o pauzinho molhado. "Não é pegajoso", ela revela seu ponto, esfregando os dedos sobre o gloss e na minha pele. Eu empurro minhas mãos quando um formigamento sobe através de mim. 

              

"Desculpa! Desculpa!" Sua pele pálida é liberada e ela parece mortificada. Minha reação foi exatamente o oposto do que eu queria fazer, era apenas um instinto e eu não sabia mais o que fazer quando ela começou a me tocar.

Chegaste ao fim dos capítulos publicados.

⏰ Última atualização: Apr 13, 2015 ⏰

Adiciona esta história à tua Biblioteca para receberes notificações de novos capítulos!

FREE (tradução PT/BR)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora