Capítulo 1

121 16 6
                                    


De volta ao Brasil, eu não tinha ideia de como sentia falta do Sol. (Sol de verdade, não apenas uma luz, parecia que nem havia Sol naquele frio de Minnesota!) Quando chegamos em casa era umas 6h da manhã, mas já estava mais quente que o meio dia dos EUA! Tá, não vou te encher com meu papo sobre o tempo, foi apenas um desabafo. Foram milhares de quilômetros, horas e horas, dois dias para ser exata, mas chegamos a Natal-RN. Estávamos exaustos! Mamãe nem brigou para a gente tirar as coisas da mala, ou tomar banho, simplesmente abrimos a porta, a tia Mery já havia limpado a casa no dia anterior, e nos jogamos nas camas! Ah, até o cheirinho era diferente! Por o pé no piso e não num carpete! Que boba, até isso fazia diferença! Mas o que eu mais queria era abraçar minha Best! No entanto, era cedo e ela me mataria se a acordasse. Acho que Jônatas queria o mesmo, porque não parava de falar nisso no avião. O que nos aguardaria? Apesar de me sentir em casa, parecia que tinha deixado metade de casa nos Estados Unidos.

—Amigaaaaa! –Debinha correu para me abraçar chorando. Pulamos igual doidas! Depois ela me deu um tapa no braço direito. –AI!

—Isso é por ter demorado tanto! –fez biquinho e eu ri.

—Amiga, você sabe que não era nem para a gente estar aqui. –fiz um sorriso de lado.

—Eu sei... –ela olhou para baixo. –Sinto muito você vir nessas... Circunstâncias.

—Você tinha razão.

—Como assim?

—Quando disse para termos cuidado, por causa do CSI... –dei uma risada fraca, mas Debinha fez cara feia e depois para uma cara triste. Ainda bem que meus irmãos chegaram para melhorar o clima.

—Debinha! –João foi o primeiro a cumprimentá-la e se abraçaram. Estranhei.

—E você, Jônatas? Não vem me dar um abraço? –minha amiga abriu os braços com os olhos marejados. Minha família estava completa —Já me esqueceu? Não me diga que arranjou namorada lá, poxa vida... –brincou. Então ele foi abraçá-la.

—Eu não, mas o João... –apontou para o mano e ele ficou rosa.

—Com a irmã do... Will? –Debinha fez aquele cara de quem comeu e não gostou, ainda abraçada ao meu irmão. João balançou a cabeça e Jônatas sussurrou algo no ouvido de Débora que eu não ouvi e ela riu. –Sarah, esse ano é o terceirão! Será que vocês ficam aqui até o fim do ano?

—Débora Santiago! –meu pai chegou e abraçou minha amiga que finalmente se desvencilhou do meu brother.

—Oi, tio! O senhor parece mais contente! É por que voltou para o Brasil? –eu olhei e veio um flashback de tudo que ele passou. Sorri. Debinha sabia de nada, inocente. Papai com preguiça como sempre apenas concordou com a cabeça e deu uma bagunçada no cabelo da Deb —Vocês vieram para ficar? –sabia que ela não ia deixar passar.

—Ainda estamos discutindo isso, mas devemos ficar apenas um ano. Pelo menos o contrato dos inquilinos para quem alugamos a casa de lá é de um ano. Até lá a gente vê, ok? E você não gostaria de passar um tempo com a gente lá? –os olhos dela brilharam.

—Sim, claro! Mas tem a questão do passaporte, visto... –ela encolheu os ombros.

—Eu sei, eu posso ajudar. Esse ano você e Sarah arrumam um emprego ou estágio e a gente racha, essas coisas, o que acha? –piscou.

—Eu amaria! Se o senhor também convencesse a minha mãe...

—Claro!

Eu fiquei boba com o anúncio do meu pai! Como seria Debinha nos EUA? Nunca imaginei! Ela com certeza iria botar pra quebrar e defender quem precisasse. Bom, meu irmão Jon iria amar rsrs. Eu também, mas será que enjoaria ou brigaria mais? Afinal, ela viveria debaixo do mesmo teto. Decidi pensar nisso quando estivesse mais perto, e isso se o tio Claudinho e a tia Rosa deixassem.

De volta ao Brasil  (Degustação)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora