A Lenda de Ibeji

956 14 0
                                    

Ibeji é o orixá dos gêmeos

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Ibeji é o orixá dos gêmeos. Dar-se o nome de Taiwo ao primeiro gêmeo gerado e o Kehinde ao último. Os yorubás acreditam que era Kehinde quem mandava Taiwo supervisionar o mundo, onde a hipótese de ser aquele o irmão mais velho.

Cada gêmeo é representado por uma imagem. Os yorubas colocam alimentos sobre suas imagens para invocar a benevolência de Ibeji. Os pais de gêmeos costumam fazer sacrifícios a cada oito dias em honra ao Orixá.

Conta uma das lendas que os Ibejis são filhos paridos por Yansã e jogados nas águas. Oxum os abraçou e os criou como se fossem seus filhos.

O animal tradicionalmente associado a Ibeji é o macaco colobo, idêntico nas florestas da África Equatorial. A espécie em questão é o colobus polkomos, ou "colobo real", que é acompanhado de uma grande mística entre os povos africanos. Eles possuem coloração preta, com detalhes brancos, e pelas manhãs eles ficam em silêncio no alto das árvores, como se estivessem em oração ou contemplação, daí eles serem considerados por vários povos como mensageiros dos deuses, ou tendo a habilidade de escutar os deuses. A mãe colobo quando vai parir, afasta-se do bandoe volta apenas no dia seguinte das profundezas da floresta trazendo seu filhote (que nasce totalmente branco) nas costas. O colobo é chamado em yorubá de edun oròòkun, e seus filhotes são considerados a reencarnação dos gêmeos que morreram, cujos espíritos são encontrados vagando na floresta e resgatados pelas mães colobos pelo seu comportamento peculiar.

Ao contrário dos êres, entidade infantis a todos os orixás e seres humanos, são divindades infantis, orixás-crianças. Por serem gêmeos, são associados ao princípio da dualidade; por serem crianças, são ligados a tudo que se inicia e brota: a nascente de um rio, o nascimento dos seres humanos, o germinar das plantas... É um orixá duplo e tem seu próprio culto, obrigações e iniciações dentro do ritual.

Lendas

Dois pequenos príncipes...

Existiam num reino dois pequenos príncipes gêmeos que traziam sorte a todos. Os problemas mais difíceis eram resolvidos por eles; em troca, pediam doces, balas e brinquedos. Esses meninos faziam muita traquinagens e, um dia, brincando próximo a uma cachoeira, um deles caiu no rio e morreu afogado.
Todos no reino ficaram muito tristes pela morte do príncipe. O gêmeo que ficou não tinha mais vontade de comer e vivia chorando de saudades do seu irmão, pedia sempre a Orumilá (o senhor dos destinos, é quem rege os o plano onírico (sonhos), é aquele que tudo sabe e tudo vê em todos os mundos que estão sob a tutela de Olorun) que o levesse para perto do irmão.
Sensibilizado pelo pedido, Orumilá resolveu leva-lo para se encontrar com o irmão no céu, deixando na terra duas imagens de barro. Desde então, todos que precisam de ajuda deixam oferendas aos pés dessas imagens para ter seus pedidos atendidos.

Filhos de Yansã e Xângo...

Yansã e Xângo tiveram dois filhos gêmeos. Só que, quando eles ainda eram pequenos, houve uma epidemia que matou muitas crianças do povo, e um dos gêmeos morreu.
Os pais ficaram desesperados e Yansã, como é muito amiga dos Eguns, resolveu pedir sua ajuda. Esculpiu um boneco de madeira igual ao filho que havia morrido, vestiu-o e enfeitou-o como se fosse para uma festa e colocou-o no lugar de honra da casa.
Todos os dias ela colocava uma oferenda aos pés da imagem e conversava com ela como se fosse seu filho vivo. Comovidos com seu amor pela criança, os Orixás fizeram a estátua viver e Yansã voltou a ter seus dois filhos.

Arquétipos dos filhos de Ibeji

Seus filhos são pessoas com temperamento infantil, jovialmente inconsequentes; nunca deixam de terem dentro de si a criança que já foram.

Costumam ser brincalhões, sorridentes, irrequietas, tudo enfim que se possa associar ao comportamento típico infantil.

Muito dependentes nos relacionamentos amorosos e emocionais em geral, podem então revelar-se teimosamente obstinados e possessivos, ao mesmo tempo, sua leveza perante a vida se revela no seu eterno rosto de criança e no seu modo ágil de se movimentar, sua dificuldade em permanecer muito tempo sentado, extravasando energia.

Podem apresentar brucas variações de temperamento, e certa tendência a simplificar as coisas, especialmente em termos emocionais, reduzindo às vezes, o comportamento complexo das pessoas que estão em torno de si a princípios simplistas como "gosta de mim ou não gosta de mim". Isso pode fazer com que se magoem e se decepcionem com certa facilidade. Ao mesmo tempo, suas tristezas e sofrimentos tendem a desaparecer com facilidade, sem deixar grandes marcas. Como as crianças em geral, gostam de estar no meio de muita gente, das atividades esportivas, sociais e das festas.

Espero que estejam gostando da leitura.
Não esqueçam de votar.

Orixás -Lendas e CrençasOnde as histórias ganham vida. Descobre agora